Como é de praxe por volta desse período no ano, a Uefa divulgou nesta quinta-feira (11) como será o sistema de distribuição das receitas de suas competições de clubes: a Champions League, a Liga Europa e a Supercopa. A receita comercial bruta dos três torneios foi estimada em incríveis € 3,25 bilhões, e a Champions League, obviamente, abocanha parcela significativa deste montante. É importante dizer que os valores mostrados aqui valem por ainda mais uma temporada, já que são do triênio 2018/19, 2019/20 e 2020/21.

Desse valor, € 295 milhões serão separados para cobrir os custos administrativos e organizacionais das competições, enquanto 7% (€ 227,5 milhões) vão para pagamentos de solidariedade. Restam, então, € 2,73 bilhões: 6,5% disso vão para a federação, enquanto os 93,5% restantes serão distribuídos entre os clubes participantes das competições continentais.

No total, esses 93,5% representam € 2,55 bilhões. Desses, impressionantes € 2,04 bilhões vão para a Champions League e Supercopa, enquanto a Liga Europa fica com € 510 milhões – a Uefa ainda acrescenta que futuras contribuições da parcela dos clubes da Champions League serão divididas em: € 50 milhões para a parcela dos clubes da Liga Europa; e € 10 milhões para financiar os pagamentos de solidariedade às equipes eliminadas nas fases preliminares das duas competições.

Agora, vejamos como fica a divisão desse dinheiro entre os clubes participantes de ambos os torneios nesta temporada 2019/20.

Champions League

Klopp levanta a taça da Champions League pelo Liverpool (Foto: Getty Images)

Playoffs

Na segunda pré-eliminatória, 12 confrontos são realizados. Os seis eliminados recebem, cada, € 5 milhões. Já os seis vencedores não recebem nada por esta fase, pois receberão dinheiro pela participação na fase de grupos.

Fase de grupos e mata-mata

A partir da fase de grupos, o montante a ser dividido pelos clubes é de € 1,95 bilhão. Este número então é dividido em quatro partes: pagamentos fixos, por desempenho na competição, por desempenho nos últimos dez anos e, por fim, por cota de mercado.

Pagamentos fixos: 25% (€ 488 milhões)

Na primeira das categorias de recompensa, cada um dos 32 participantes recebe € 15,25 milhões automaticamente, independentemente de desempenho.

Desempenho na competição: 30% (€ 585 milhões)

Já nesta segunda categoria, o resultado é que conta: na fase de grupos, cada vitória vale € 2,7 milhões, enquanto o empate vale € 900 mil.

Avançando fases, os clubes vão também sendo recompensados com premiações proporcionais. Quem passa às oitavas leva € 9,5 milhões. Os que alcançam as quartas de final embolsam mais €10,5 milhões. Os semifinalistas acrescentam mais € 12 milhões; finalistas, € 15 milhões; e, por fim, o campeão leva mais € 4 milhões.

No total, uma equipe que vai da fase de grupos ao título poderá ganhar € 67,2 milhões só por recompensas por resultado. Além disso, ganha no início da temporada seguinte, com a participação na Supercopa da Uefa, € 3,5 milhões, além de € 1 milhão em caso de vitória na competição de um jogo só.

Ranking dos últimos dez anos: 30% (€ 585 milhões)

Um ranking da Uefa pega como base o desempenho das equipes participantes nos últimos dez anos. Além dos pontos de coeficiente acumulados no período, a relação inclui pontos bônus por vencer a Champions League, a Liga Europa e a antiga Recopa Europeia.

Com base nisso, uma tabela é formada, e a quantia de € 585,05 milhões é dividida em “parcelas de coeficiente”, com cada uma delas valendo € 1,108 milhão. O clube pior ranqueado receberá uma parcela (€ 1,108 milhão), e o melhor ranqueado, 32 parcelas (€ 35,56 milhões).

Cota de mercado: 15% (€ 292 milhões)

O restante é então distribuído proporcionalmente segundo o valor de mercado televisivo de cada país representado por clubes participantes da Champions League a partir da fase de grupos.

Metade do montante referente ao valor de cada mercado será dividido pelos clubes com base no seu desempenho no campeonato nacional anterior – você vê em mais detalhes na tabela abaixo.

A outra metade referente a cada mercado será paga proporcionalmente ao número de partidas jogadas por cada clube na Champions League – sempre que um clube de um país representado por um ou mais times na fase de grupos é eliminado de qualquer fase, 10% dessa cota de mercado são retirados, direcionados ao clube eliminado.

Liga Europa

Jogadores do Chelsea comemoram título da Liga Europa (Foto: Getty Images)

Fase de grupos e mata-mata

A partir da fase de grupos, o montante a ser dividido pelos clubes é de € 560 milhões. Este número então é dividido também em quatro partes: pagamentos fixos, por desempenho na competição, por desempenho nos últimos dez anos e, por fim, por cota de mercado. Aqui, no entanto, a proporção para duas dessas partes se inverte.

Pagamentos fixos: 25% (€ 140 milhões)

Cada um dos 48 clubes que se classificam para a fase de grupos recebe € 2,92 milhões, independentemente dos resultados.

Desempenho na competição: 30% (€ 160 milhões)

Assim como na Champions League, vencer vale dinheiro na fase de grupos. Mais especificamente, aqui, cada triunfo resulta em pagamento de € 570 mil, enquanto o empate vale € 190 mil. Os vencedores dos grupos receberão, então € 1 milhão, enquanto os segundos colocados levam € 500 mil cada.

Avançando, quem passa à fase de 32 avos leva € 500 mil; a classificação às oitavas de final gera mais € 1,1 milhão; nas quartas, o prêmio é de € 1,5 milhão; semifinais, € 2,4 milhões; finalistas ganham mais € 4,5 milhões, enquanto o campeão embolsa mais € 4 milhões.

A participação na Supercopa da Uefa seguinte traz ainda mais € 3,5 milhões – além do possível € 1 milhão em caso de título no torneio de abertura de temporada.

Ranking dos últimos dez anos: 15% (€ 84 milhões)

Assim como na Champions League, o pagamento por ranking de coeficiente nos últimos dez anos é guiado por um sistema de parcelas. Aqui, cada parcela vale € 71.430. O pior ranqueado leva uma parcela (€ 71.430), enquanto o líder no ranking fica com 48 parcelas (€ 3,42 milhões).

Cota de mercado: 30% (€ 168 milhões)

O restante é então distribuído proporcionalmente segundo o valor de mercado televisivo de cada país representado por clubes participantes da Liga Europa a partir da fase de grupos, como na Champions League.

Metade do valor de cada mercado será dividido pelos clubes com base no seu desempenho no anterior campeonato nacional. Já outra a metade é paga proporcionalmente ao número de partidas jogadas por cada clube na competição.