Quando uma torcida tem força para cancelar um patrocínio

Insatisfeitos com empresa do setor de empréstimos, que patrocinaria o clube, torcedores se mobilizaram até que os Whites cancelassem o novo contrato

Qual a força da torcida dentro de um clube de futebol? Na Inglaterra, os fãs do Bolton demonstraram a capacidade de mudar os rumos financeiros diante da mobilização. Após um abaixo-assinado promovido por torcedores e discussões com políticos locais, os Whites decidiram revogar o contrato de patrocínio de dois anos que haviam acertado com a QuickQuid, empresa ligada ao setor de empréstimos.

“O clube é orgulhoso de seu lugar na comunidade e tem trabalhado bastante por um tempo considerável para construir uma relação com vários projetos locais. Em particular, os programas de educação bem-sucedidos, nos quais 350 estudantes passaram pelos clubes ao longo dos últimos dois anos”, declarou o clube da segunda divisão, em nota oficial.

Ao todo, 4.476 torcedores assinaram a petição contra a nova patrocinadora, que substitui uma empresa de apostas. A QuickQuid realiza empréstimos de baixos valores e por curtos períodos, mas com taxas abusivas de juros, o que é considerado como “agiotagem legalizada” por seus críticos. Em 2012, um homem de 36 anos de Bolton se matou colocando fogo no próprio corpo após não pagar suas dívidas e ser cobrado por uma dessas companhias.

“O Bolton é um clube familiar, está no centro da comunidade há mais de 125 anos. Empresas de empréstimo são extremamente interesseiras e tentam explorar pessoas que passam por momentos difíceis. No atual clima econômico duro, isso inclui vários torcedores do Bolton”, afirmou o grupo de torcedores, em carta enviada à comunidade.

E a torcida do Bolton não é a única a se voltar contra empresas de empréstimo. O Sheffield Wednesday recusou um contrato de patrocínio com uma dessas companhias para as próximas temporadas, afirmando que “o modelo de negócio e as crenças da parceria poderiam não ser aceitas pela maioria dos torcedores”. A mesma resistência aconteceu em Newcastle, depois que o clube fechou com a Wonga. Autoridades locais criticaram o negócio, que colocou em xeque até mesmo a permanência dos jogadores muçulmanos nos Magpies.

Líder da Câmara Municipal de Bolton, Cliff Morris foi um dos que aconselhou pelo encerramento do contrato e parabenizou a atitude do clube: “Estou contente com a decisão do Bolton. Estivemos em discussão desde a semana passada para demonstrar nossa preocupação e a da comunidade. A resposta claramente mostra o valor que o clube dá ao apoio de seus torcedores”.

No lugar da QuickQuid, o Bolton anunciou como nova patrocinadora a FibrLec, empresa baseada na cidade e que comercializa materiais de energia sustentável desenvolvidos pela universidade local. A diferença nos valores entre os dois acordos não foram informados. De qualquer forma, os Whites deixam a mensagem de que, independente da vantagem financeira, o apoio da torcida ainda é mais valioso.