A Libertadores completou 60 anos neste mês de abril, em história que abarca diferentes relações com os clubes e com o próprio público. O torneio se iniciou na era dos estádios monumentais, mas agora convive com a modernização cada vez mais frequente das arenas. Além disso, o próprio apelo do título continental mudou com o tempo, ganhando prestígio. E o ranking histórico de público nestas seis décadas indica um pouco a relação especial de algumas torcidas com a competição.

O levantamento foi realizado pelo pesquisador cearense João Ricardo de Oliveira, no sempre excelente ‘Verminosos por Futebol’. Obviamente, os números são influenciados por diferentes fatores – como o tamanho dos estádios, a quantidade de participações ou o sucesso das campanhas. E as surpresas notam-se logo pelo primeiro colocado: o América do México, que levou em média 47,5 mil por jogo a cada aparição no certame sul-americano. As dimensões do Estádio Azteca são determinantes, bem como as participações contidas em uma época na qual a Libertadores estava consolidada.

No Top 10, alguns gigantes continentais marcam presença. Boca Juniors, Independiente, River Plate e Peñarol mostram como não estão entre os maiores campeões à toa. A maior surpresa talvez seja o Barcelona de Guayaquil, também ajudado pelo tamanho de seu estádio, mas com uma média significativa a quem superou as 100 partidas pelo torneio. Além do mais, os brasileiros aparecem bem.

O São Paulo é o segundo colocado no geral e o primeiro entre os brasileiros. Reflete a história íntima dos tricolores com a competição e as noites especiais vividas no Morumbi. Flamengo, Internacional e Corinthians completam o Top 10. Já entre os 30 primeiros colocados, há ainda Cruzeiro, Grêmio, Fluminense, Atlético Mineiro e Palmeiras – todos com pelos menos 25 mil por jogo de Libertadores. Cabe dizer, porém, que alguns times acabaram barrados pela “nota de corte” – por não terem o mínimo de seis participações. É o caso do Paysandu, que só jogou uma vez, mas poderia ser o quarto colocado no ranking.

Abaixo, o Top 20 do Ranking. Para conferir o Top 70 e os demais dados relativos aos clubes brasileiros, vale conferir a matéria no próprio Verminosos.