A partida de ontem entre França e Suíça definitivamente não foi uma boa propaganda para a Puma. Isso porque cinco camisas da seleção suíça rasgaram durante lances pela disputa da bola. Não foi uma vez, como pode acontecer em função do contato físico natural do futebol. Foram cinco. Duas, inclusive, com o mesmo jogador. Algo nunca antes visto. Diante da situação inusitada e bastante embaraçosa, a fornecedora de material esportivo decidiu se pronunciar sobre o ocorrido e apontou a causa do incidente que colocou a empresa alemã em maus lençóis: um defeito de fábrica.

LEIA TAMBÉM: Próxima de golaços, França passa como líder e ainda sem empolgar

“A nossa análise da camisa da seleção suíça do jogo de domingo mostra que houve um lote de material em que o tecido foi danificado durante o processo de produção, levando a um enfraquecimento da peça final. Isso geralmente acontece quando a combinação de calor, pressão e tempo não é adequadamente controlada no processo de fabricação”, declarou a empresa alemã em nota em seu site oficial, assegurando que o material com defeito foi utilizado em apenas um número limitado de uniformes.

“Checamos o estoque de todas as camisas de todos os times patrocinados pela fornecedora e podemos certificar que um incidente desse tamanho não se repetirá”, garantiu a marca, que além da Suíça, também fornece materiais para a Áustria, Itália, República Tcheca e Eslováquia. Apesar de se tratar de um episódio desagradável, já que o uniforme é um dos principais elementos do esporte, e ter que parar para trocá-lo atrapalha o andamento do jogo e pode influenciar negativamente o ritmo e a concentração do jogador, Granit Xhaka, que teve que trocar de camisa duas vezes, levou o ocorrido na esportiva e brincou: “espero que a Puma não seja fabricante de camisinhas”. O meia suíço claramente não é patrocinado pela marca alemã.

Desconsiderando qual tenha sido o motivo que desencadeou tamanha falha no produto final dos uniformes, a Puma foi bastante negligente por não ter testado a resistência das camisas antes do jogo. Afinal, elas não se rasgaram depois dos jogadores franceses terem passado uma faca no tecido. Elas foram rompidas por causa de puxões (e que nem foram tão agressivos assim). E, convenhamos, qualquer fornecedora de materiais esportivos está ciente de que isso é uma das coisas às quais os atletas mais estão submetidos dentro de campo. Não restam dúvidas que essa desatenção vai acabar dando uma enfraquecida na imagem da empresa. Mas que não enfraqueça tanto quanto o material fornecido aos suíços no duelo de ontem.