O início de Christian Pulisic no Chelsea era motivo de debates. Após aparecer como titular no início da campanha na Premier League, o ponta logo perdeu espaço. Chegou a passar um mês sem sequer entrar em campo, apenas esquentando o banco. De volta ao time na Copa da Liga, o americano começou a ajudar um pouco mais a partir do segundo tempo e, no meio da semana, deu uma assistência decisiva contra o Ajax pela Champions League. Motivo suficiente para voltar ao 11 inicial neste sábado e arrebentar. Pulisic foi o nome do jogo na vitória por 4 a 2 sobre o Burnley, em Turf Moor. A quem ainda não havia balançado as redes pelos Blues, fez logo um hat-trick na primeira vez.

Pulisic era a única novidade no Chelsea em relação ao time que conquistou a importante vitória em Amsterdã, ao substituir Callum Hudson-Odoi. O Chelsea controlava a posse de bola desde os primeiros minutos da partida. Contudo, a bem organizada defesa do Burnley freava os ânimos dos visitantes. O primeiro gol só foi sair aos 21, numa jogada inteira de Pulisic. O ponta roubou a bola no campo de ataque, disparou, pedalou para cima do marcador e bateu rasteiro. Belo tento para iniciar sua contagem pelos Blues.

A partida ficou aberta a partir de então. O Burnley respondeu chegando forte nas bolas alçadas e os dois goleiros precisaram trabalhar. Os anfitriões, porém, lamentaram profundamente a chance desperdiçada por Ashley Barnes aos 30, que mandou para fora uma bola que estava praticamente dentro do gol. Custou caro. Pulisic seguia muito ativo, se movimentando e criando. Depois de alguns chutes travados e de passes não aproveitados pelos companheiros, o americano ampliou aos 45. Mais um erro dos Clarets na saída de bola, em passe interceptado por Mason Mount. Pulisic recebeu no meio e arrancou, até invadir a área e mandar no canto.

O reinício da partida no segundo tempo viu um Burnley disposto a reagir. A equipe da casa rondava a meta de Kepa Arrizabalaga e tentava descontar logo, mas de novo Barnes errou no melhor lance. Por isso mesmo, fez toda a diferença a precisão do Chelsea durante seus dois primeiros ataques. Entre os 11 e os 13 minutos, os Blues anotaram mais dois gols. Pulisic garantiu sua tripleta antes, ao desviar de cabeça o cruzamento de Mason Mount pela esquerda. Logo depois, em um contragolpe, Tammy Abraham abriu com Willian, que fintou o adversário e bateu com confiança. A goleada permitiu aos londrinos recuarem um pouco mais.

Frank Lampard mudou seu ataque na reta final da partida e Hudson-Odoi até parecia interessado em marcar o quinto – inclusive ao tentar cavar um pênalti cancelado pelo VAR, que lhe rendeu o amarelo. Todavia, o Burnley não se entregou e seguiu dando trabalho, até tornar o placar mais digno com dois gols depois do 40. O primeiro tento dos anfitriões foi uma verdadeira pintura. Jay Rodríguez recebeu na intermediária e mandou um balaço na gaveta de Kepa. Logo na sequência, caberia a Dwight McNeill anotar mais um, em chute preciso da entrada da área. O show, de qualquer maneira, era de Pulisic.

O talento do novato é evidente e foram inúmeras provas disso em seus tempos de Borussia Dortmund. No entanto, o americano vinha em baixa na Bundesliga e não engrenou de imediato Premier League. Os lances decisivos dos últimos jogos indicam um recomeço. Neste sábado, ele providenciou metade das finalizações do Chelsea em Turf Moor. Foram cinco chutes do ponta e mais três passes para que os companheiros arrematassem. Merece os créditos.

O Chelsea atravessa seu momento mais consistente desde que Lampard assumiu a equipe. Após um início inconstante, a equipe chegou à sétima vitória consecutiva, somando todas as competições. Tem 20 pontos na Premier League, ocupando a quarta colocação, atrás do Leicester apenas no saldo de gols. Além disso, são cinco pontos de vantagem para o Arsenal, que joga neste domingo. O Burnley, que se recupera após os sustos da última campanha, é o 11°. Possui 12 pontos.

Classificações Sofascore Resultados