O Paris Saint-Germain dominou todas as competições franceses, em seus anos de domínio, com exceção da última temporada. Na Copa da Liga, perdeu precocemente para o fraco Guingamp. Na Copa da França, a derrota veio pelas mãos do Rennes, na disputa de pênaltis da decisão. A revanche foi realizada neste sábado, em Shenzhen, na China, pela Supercopa da França, e os parisienses mais uma vez sofreram. Saíram atrás e contaram com dois bonitos gols de Mbappé e Di María para ficar com o troféu, após a vitória, de virada, por 2 a 1.

No primeiro jogo oficial da temporada, Thomas Tuchel não contou com Neymar, suspenso por ter agredido um torcedor naquela final da Copa da França, e não teve pudor em colocar seus reforços em campo. Abdou Diallo formou a zaga com Thilo Kehrer, Ander Herrera começou no meio-campo, com Marquinhos de volante, e Pablo Sarabia compôs o trio de ataque.

Dois erros seguidos na saída de bola custaram caro ao Paris Saint-Germain, logo aos 13 minutos, quando Benjamin Bourigeaud cruzou da direita e Adrien Hunou adiantou-se à defesa adversária para desviar às redes. O PSG passou a pressionar o Rennes até o intervalo, sem marcar. O gol de empate surgiu apenas no começo da etapa final.

Atuando mais uma vez no meio-campo, Marquinhos mostrou qualidade com a bola nos pés ao descolar um passe por cobertura para Sarabia, que tocou de primeira para Mbappé completa. A estrela de Tuchel brilhou quando o treinador colocou Angel Di María e, em coisa de dez minutos depois, o argentino acertou uma linda cobrança de falta para fazer 2 a 1.

O Rennes teve algumas situações perigosas nos minutos finais, tentando forçar o empate, mas precisou se contentar apenas com mais um duelo em que fez jogo duro contra os gigantes de Paris. Bom sinal para o restante da temporada. Foi o nono título do PSG na Supercopa da França, o sétimo consecutivo.

.

.