O gol nos acréscimos de Julian Draxler foi imensamente comemorado. Foi o que definiu a vitória por 1 a 0 sobre o Metz, pela Ligue 1. Considerando a diferença entre os dois times, a comemoração efusiva dos jogadores nos permite perceber um pouco da pressão que o clube vive neste momento. Há motivos. Seria o quarto jogo consecutivo sem gols dos parisienses, em um jogo que fez pouco para merecer mais. Foi a primeira vitória do time no Campeonato Francês, depois de duas derrotas nos dois primeiros jogos.

No Parque dos Príncipes com capacidade reduzida a cinco mil pessoas, o que esses poucos torcedores viram foi um time sem inspiração. O vice-campeão europeu não contou com o atacante Neymar, expulso na rodada passada. O técnico Thomas Tuchel colocou em campo um ataque com Ángel Di Maria, Mauro Icardi e Pablo Sarabia. Marquinhos, que terminou a temporada como volante na Champions League, esteve na zaga, ao lado de Abdou Diallo.

Os números do confronto mostraram um PSG muito superior. Foram 20 finalizações dos mandantes, com oito delas no algo, e só sete do Metz, com uma certa. O PSG teve também 72% de posse de bola, com 28% para os visitantes. Só que os números não contam a história do jogo. Sem Neymar e também sem Kylian Mbappé, o time parisiense sofreu muito ofensivamente.

Um dos problemas do time no final da temporada, a falta de criatividade no meio-campo, voltou. Idrissa Gueye é um ótimo volante, desarma muito bem, mas criatividade não é o seu forte. Ander Herrera tentou fazer esse papel, mas sofreu um pouco. Assim como Julian Draxler, que tinha a missão de encostar nos atacantes. Pablo Sarabia, aliás, fez uma partida terrível. Mauro Icardi foi só razoável e perdeu uma boa chance de gol.

O grande destaque do time foi Ángel Di Maria. O camisa 11 foi o toque de criatividade do time, que criou as poucas chances que o time conseguiu ameaçar o Metz. O time chutou muito a gol, é verdade, mas as chances reais foram poucas. O Metz ameaçava ainda menos.

As coisas complicaram aos 20 minutos do segundo tempo, quando Abdou Diallo tomou o seu segundo cartão amarelo por uma falta em Ibrahima Niane, em um contra-ataque. Com um a menos, o PSG teve que mudar. O técnico Thomas Tuchel colocou em campo o zagueiro Presnel Kimpembé no lugar do apagado Sarabia.

Apesar de ter um jogador a menos, o PSG tentou continuar atacando, em cima. Icardi teve uma bela chance em uma finalização de dentro da área, mas Alexandre Oukidja defendeu. Di Maria quase chegou ao gol com uma tabela com Icardi, que exigiu boa defesa do goleiro. O lateral Colin Dagba teve uma boa chance, mas mandou para fora.

O Metz teve a chance em uma finalização na entrada da área de Youssef Maziz, que foi para fora. Já eram acréscimos e tudo indicava um empate sem gols como resultado. Foi só aos 47 minutos que Di Maria chegou pela esquerda, cruzou, o goleiro tirou e a bola sobrou no alto para Draxler. Ele tocou de cabeça para o gol vazio e saiu para o abraço: 1 a 0. Di Maria abraçou os companheiros no chão. Um alívio imenso e um peso tirado das costas dos jogadores. O PSG, enfim, vence na Ligue 1.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore