O PSG segue se preparando para a Champions League no começo de agosto e voltou a campo nesta terça-feira. Em um Parc des Princes com cerca de cinco mil pessoas, púbico permitido pelas autoridades ainda como precaução pela pandemia da COVID-19, o PSG mostrou a sua nova camisa e venceu o Celtic por 4 a 0. A camisa para a temporada 2020/21 é uma homenagem aos 50 anos da história do clube de Paris, capital da moda.

O amistoso possivelmente foi o último jogo de Thiago Silva no Parc des Princes com a camisa do PSG. O jogador fica sem contrato ao final da temporada – que acabaria no dia 30 de junho, mas o vínculo foi estendido até o final da participação do clube parisiense na Champions League, no final de agosto. O técnico Thomas Tüchel deixou claro que o zagueiro será o capitão do time até o seu último jogo com a camisa do clube.

Como esperado, o clube não teve dificuldades para vencer e golear. Logo no primeiro minuto, Neymar recebeu um passe pelo meio e enfiou a bola com uma previsão milimétrica para Mbappé, em velocidade, vencer a marcação e fazer 1 a 0. Neymar fez o segundo gol depois de receber dentro da área e finalizar, contando com um desvio que matou o goleiro do Celtic.

No segundo tempo, logo a dois minutos, Mbappé fez jogada pela esquerda, cruzou, a bola passou por todo mundo e chegou para Ander Herrera chegar batendo de primeira e ampliar o marcador para 3 a 0. O quarto gol saiu de um lindo passe de Marco Verratti para Pablo Sarabia, dentro da área, pegar de primeira, em um lindo chute, e marcar 4 a 0. Foi o placar final do jogo.

O resultado em si importava pouco, já que é mais do que sabido que o nível do PSG é muito mais alto do que o do Celtic. A goleada não foi uma surpresa. O que foi mais interessante foi ver como o PSG se comportou em campo. Um dos pontos mais interessantes foi ver Neymar por vezes recuar para atuar atrás de Mbappé e Mauro Icardi, como um armador com liberdade. Tanto que mais de uma vez ele fez passes para seus companheiros de ataque.

Como todo amistoso, houve muitas substituições e, por isso, não dá para levar muito em conta o que aconteceu especialmente no segundo tempo. De qualquer forma, o PSG manteve um bom desempenho na preparação para aquela que será a parte mais importante da sua temporada, a Champions League. Se será suficiente para ir até o fim da estrada só o tempo irá dizer.

Nos 50 anos do PSG, uma camisa clássica

Camisa modelo 2020/21 do PSG, feita pela Nike (Divulgação)

O design da camisa foi imaginado pelo então presidente do clube, Daniel Hechner, e o desenho já esteve no modelo de várias camisas ao longo da história do clube. “Não havia melhor maneira de comemorar os 50 anos do Paris Saint-Germain do que com o retorno dessa camisa icônica”, disse Nasser Al-Khelaïfi, presidente e CEO da PSG. “Esta camisa histórica exala o estilo, paixão, ambição e energia deste clube único, embaixador de Paris, cidade da luz”.

“Somos uma instituição jovem que nutre um apego profundo às suas raízes e à sua herança de prestígio. Também sou extremamente grato aos meus antecessores que, com coragem e imaginação, permitiram que este clube crescesse e se tornasse o mais bem-sucedido e o mais popular do futebol francês. Sempre será com muito orgulho que vestimos essas cores, as cores da cidade de Paris cuja influência cultivamos em todo o mundo, mas também sob as luzes do Parc des Princes, nossa casa de sempre”.

“Hoje, o clube tem o prazer de dar nova vida a esta lendária camisa, que mais de 450 jogadores usaram com bravura e talento ao longo desta fabulosa aventura que começou há 50 anos. Esta camisa é um convite para reunir nossos torcedores de todas as gerações, em Paris, França e em todo o mundo. Juntos, escreveremos o próximo capítulo de nossa história, cheio de ambição sem limites. E com a convicção de que o melhor ainda está por vir “, completou o presidente.

De fato, a camisa já apareceu muitas vezes na história do PSG. Inclusive na temporada 1994/95, quando o time, que tinha Raí, chegou à semifinal da Champions League, melhor resultado da história do clube na competição. Naquela temporada, o PSG passou pela fase preliminar ao eliminar o Vac FC Samsung, da Hungria, com duas vitórias. Na fase de grupos, o desempenho foi impecável: seis vitórias em um grupo que tinha o Bayern de Munique, Spartak Moscou e Dynamo de Kiev.

Nas quartas de final, o time de George Weah, Valdo e Raí enfrentou o Barcelona, de Pep Guardiola, Hristo Stoichkov e Txiki Begiristain e que era comandado por Johan Cruyff. Depois de um empate por 1 a 1 no Camp Nou, vitória por 2 a 1 no Parc des Princes, com gols de Raí e Vincent Guérin.

Na semifinal, o duelo foi contra o Milan de Fabio Capello, campeão no ano anterior. Os rossoneri venceram os dois jogos, 1 a 0 em Paris, com um gol nos acréscimos de Zvonimir Boban, e 2 a 0 em San Siro, com dois gols de Dejan Savicevic. A aventura do PSG acabava ali. O Milan iria para a decisão, em Viena, mas seria derrotado pelo Ajax de Louis van Gaal e de um jovem Patrick Kluivert.

O modelo da camisa para 2020/21 segue um padrão muito parecido com aquele usado naqueles anos. Tanto a camisa 1 quanto a camisa 2, a branca, seguem um desenho similar ao escolhido pelo seu primeiro presidente.

As camisas do PSG 2020-21 titular e reserva estão disponíveis em store.psg.fr e nike.com a partir desta terça-feira, 21 de julho.