Milan e Internazionale apresentaram nesta quinta-feira dois projetos para o novo estádio da cidade, que substituirá o famoso Giuseppe Meazza, popularmente conhecido como San Siro, nome do bairro onde fica. Além do estádio, os projetos também trazem planos para um grande desenvolvimento urbano na área de San Siro. Assim, os dois clubes planejam permanecer no mesmo local onde está hoje o icônico estádio, mas com uma revitalização completa tanto da estrutura esportiva quanto da estrutura urbana. Os dois projetos trazem desenhos diferentes e que os torcedores poderão ajudar a escolher, compartilhando o que acharam. Apesar de ainda estar em fase de escolha do projeto vencedor, já há um prazo para ver o estádio pronto: 2023/24, antes da Olimpíada de Inverno que a cidade irá receber.

“Nós queríamos que arquitetos expressassem alguma coisa conectada à tradição e a cidade de Milão, em outras palavras, um estádio que seja capaz de atrair turistas e torcedores de todo o mundo, que poderia ter esta arena em Milão, disse Antonello. “O compartilhamento do projeto com os torcedores e cidadãos começa hoje, porque nós queremos fazer essa viagem juntos, reunir todas as opiniões e estudá-las”, continuou. “Os dois projetos que chegaram à seleção final são da Populous e Manica”. São dois projetos para as obras no estádio: “Os Anéis de Milão”, da Manica/Sportium, e “A Catedral”, da Populous. Mostramos os dois projetos abaixo.

“Os Anéis de Milão”

“Os Anéis de Milão” de Manica/Sportium consistem em dois anéis icônicos, interligados e separados em perfeito equilíbrio, simbolizando a história de como dois clubes, sempre em oposição, e agora unidos em sua causa para preservar uma das tradições mais famosas de Milão. Os anéis interligados icônicos do estádio acomodam soluções arquitetônicas e de LED para branding e troca de equipes entre as partidas. O novo Estádio de Milão é cuidadosamente integrado a um projeto mais amplo de plano mestre que revitalizará e transformará San Siro em um parque e área de entretenimento para que o povo de Milão experimente o ano todo, preservando a localização do campo original e reimaginando-o como um presente para a comunidade para que todos possam desfrutar.

O projeto Manica/Sportium tem prédios de vidro ao lado da arena, que, por sua vez, tem cobertura total de todos os assentos nas arquibancadas. Entretanto, o campo não é coberto. Com este design, seria possível seguir recebendo grandes eventos dentro do estádio, com telões no centro, como se vê em alguns estádios americanos.

Há também diversos camarotes, com dois anéis, em vez dos três atuais. O projeto também prevê que o local onde está o gramado atual seja mantido exatamente como um campo de futebol, mas aberto ao uso da população, ao lado de uma área comercial.

“Nós puxamos os assentos mais perto do gramado, os colocamos mais altos e mais íngremes, para que todos estejam no topo do jogo para uma atmosfera muito intensa de torcida”, afirmou o chefe do projeto, David Manica. “Não se trata apenas de ser mais perto e mais barulhento, mas também mais seguro, mais confortável e mais acessível para todo mundo na cidade”.

“As fachadas são abertas como um teatro e as cores podem mudar com luzes e painéis, então quando o Milan for jogar, ele fica inteiramente vermelho, quando a Inter for jogar, fica azul”, explicou ainda Manica. “Cada anel representa um dos dois clubes, juntos como uma unidade. A fachada é feita de painéis de cerca de um metro quadrado com antigos, atuais e eventualmente futuros torcedores. Uma criança pode ser levada ao estádio, apontar e ver o rosto do seu avô no estádio, sabendo que um dia ele levará seus netos ao mesmo lugar. É um estádio para os cidadãos de Milão”.

“A Catedral”

“A Catedral”, de Populous, inspira-se em dois dos edifícios mais emblemáticos de Milão; o Duomo e a Galleria. De fato, uma galeria iluminada pelo sol circunda o estádio envolto por uma elegante fachada de vidro. A Catedral foi projetada para criar uma casa única para os fãs e torcedores com instalações sob medida. O estádio foi projetado para ser o mais sustentável da Europa: a galeria é naturalmente resfriada e aquecida passivamente, painéis fotovoltaicos revestem o teto do estádio e toda a água da chuva é coletada e reutilizada. O estádio é cercado por 22 acres de espaço verde, o que reduz o escoamento da água.

O projeto é inspirado no Duomo de Milão e tem um design mais aberto, com uma aparência mais retangular. Assim como no projeto anterior, há espaços abertos para parques e áreas comerciais, além de um prédio ao lado.

“Nosso projeto é inteiramente sobre um estádio que é inspirado por Milão e para Milão”, explicou o diretor da Populous, Chris Lee. “Nós nos inspiramos em alguns dos ícones de Milão, como o Guomo e a Galleria. Nós queremos casar tanto a tradição, rica cultura e arquitetura com uma construção moderna, sustentável e com visão de futuro”.

“Nós queremos que seja um ícone também, uma construção que irá representar os dois clubes, mas também a cidade de Milão em nível mundial. Nós queremos que seja instantaneamente reconhecível, uma arquitetura que seja tanto diferencial quanto futurista e pensada para o futuro”, continuou Lee.

“O que queremos produzir aqui é um estádio que seja construído a partir da tradição de comida e bebida em Milão e trazer isso para dentro do estádio, do modo como fizemos com o Tottenham e aquele incrível mercado de comida. Nós também produzimos uma Galleria cheia de luz e árvores, um espaço democrático onde público geral e de camarotes podem se misturar, em um estádio incrivelmente democrático”, continuou o diretor da Populous.

“Também é parte de um distrito muito maior com 22 acres (cerca de 90 mil m²) de verde ao redor da construção, tem uma praça com comida e bebida, um espaço para escritórios que nós propositadamente afundamos para garantir que seja uma vizinhança boa e respeitosa”, explicou o diretor.

“O campo original se tornará um museu, um elevador de vidro irá levar você até embaixo para vê-lo, em uma caminhada para ver os campeões que jogaram aqui”, contou Lee. “A arquitetura do prédio irá mudar, não apenas com LEDs ou cores, então o escudo do Milan pode aparecer em frente, ou a cobra azul da Inter envelopar a arena, ou pode ser neutro, branco para a cidade de Milão”, contou ainda o executivo da Populous.

A importância de permanecer em San Siro

“O novo estádio de San Siro ficará localizado no coração de uma área altamente moderna, verde e habitável, que será acessível o ano todo. O projeto reflete o DNA, feita de inovação e progresso, que é historicamente incorporada à nossa cidade, e os avanços recentes que trouxe Milão de volta a ser uma cidade de vanguarda, atrativa e internacional. O Distrito Multifuncional será construído nos mais altos padrões de sustentabilidade para permitir que o distrito de San Siro uma vez mais se reestabeleça como um destino europeu e de excelência mundial para esportes e entretenimento”, afirmou o CEO corporativo da Inter, Alessandro Antonello.

“Milan e Internazionale compartilharam um estádio em San Siro por mais de 70 anos. A força do projeto é o compromisso dos dois clubes juntos pelo novo estádio de Milão. Isso significa investimentos aumentados e um objetivo comum em dar à cidade um distrito de esportes e entretenimento que estará vivo o ano inteiro graças a eventos envolvendo os dois times e criando empregos para mais de 3,5 mil pessoas”, afirmou Paolo Scaroni, presidente do Milan.

“San Siro seguiu o seu caminho”

“O estádio Meazza, como está, não é mais adequado a dois grandes clubes com a ambição de papel principal em nível europeu. Este é apenas um fato e comparado aos estádios ao redor da Europa, isso é apenas outra questão”, disse Paolo Scaroni, presidente do Milan.

“Nós amamos o Meazza, mas ele seguiu seu caminho. A oportunidade para ajudar a transformar esta zona da cidade deveria também ser bem-vinda, porque exceto pelos dias que há jogo, é um espaço vazio de concreto com nada nele”, continuou o dirigente do Milan.

“O investimento deve ser em torno de € 1,2 bilhão e oferecerá um estádio moderno que receberá cerca de 60 mil torcedores, mas também uma área que será usada pelos cidadãos 365 dias por ano, com grandes áreas verdes”.

“Nosso projeto será muito mais verde que o atual San Siro, mais sustentável e finalmente com um impacto menor acústico e visual na cidade. O atual estádio tem 68 metros de altura, os projetos que estamos olhando teria no máximo 30 metros. O novo estádio terá um impacto acústico 60% menor na cidade já que ele seria fechado, comparado à estrutura aberta que nós temos hoje”.

Antonello, CEO corporativo da Inter, também falou sobre o projeto ser uma forma de modernizar as estruturas não só para os clubes, mas para a cidade. “Nós queríamos um projeto que possa se encaixar nos planos de revitalização de Milão para 2030, mas também um estádio que seja adequado a futura gerações, que é para os cidadãos de Milão, não apenas para os torcedores de futebol”, disse Antonello.

Por que não reformar San Siro?

“As pessoas perguntam por que não podemos reestruturar o estádio Meazza. O primeiro nível foi construído em 1926, o segundo em 1956 e o terceiro foi adicionado em 1990 com o teto. Estes foram colocados um em cima do outro, mas há pouca conexão entre eles. Isso significa que há espaços muito limitados para negócios e restauração”, explicou Antonello.

“Também há um problema de visibilidade, já que o primeiro nível tem uma visão do campo e as pessoas não podem ver a coreografia. Os espaços entre uma fileira e outra são extremamente apertados e com as novas regras, será um problema não só de conforto, mas também de segurança”, explicou ainda dirigente da Inter. “Nossa análise mostrou eu se nós queremos reconstruir o estádio, nós precisaríamos demolir o primeiro nível, trabalhar no terceiro, nas torres e baixar o teto”.

“Haveria uma reestruturação radical e nós percebemos que, de qualquer jeito, o San Siro que nós vemos hoje teria perdido a sua identidade que tem hoje. A capacidade seria inferir a 60 mil pessoas durante o processo e áreas inteiras seria difíceis de chegar”, continuou Antonello.

“Se nós fôssemos intervir no atual estádio de San Siro, nós teríamos que pedir que nossos torcedores imigrassem para arenas a 100 ou 200 quilômetros certamente com inferioridade de capacidade em relação ao Meazza, por exemplo, o Marc’Antonio Bentegodi, em Verona, o Estádio Olímpico Grande Torino ou o Stadio Dall’Ara, em Bolonha”, disse Antonello. “Desde 2002, só houve um novo estádio construído na Itália, comparado a 24 por toda a Europa”.

Estádio pronto até 2023/24

“A linha do tempo do projeto irá atender às normas e leis sobre os estádios. Nós continuaremos com o projeto: uma vez que obtivermos todas as aprovações da Administração Pública, as estimativas dizem que o período de construção não deverá durar mais que 36 meses. O objetivo é finalizar até a temporada 2023/24. Certamente antes dos Jogos Olímpicos de Inverno”, continuou o executivo da Inter. Os Jogos Olímpicos de Inverno em Milão-Cortina serão em janeiro de 2026.

“É um investimento importante para Milão, o projeto tem por objetivo trazer a área de San Siro ter vida por 365 dias no ano. Nós estamos convencidos que ficar na área de San Siro é a decisão certa, nós esperamos que as instituições possam entender a importância disso. Com isso, nós pensamos no futuro e nas próximas gerações, disse ainda Antonello.

“Eu estou convencido que nós faremos isso até o fim da jornada. Nos últimos 70 anos, Inter e Milan compartilharam o estádio com uma gestão bem estabelecida e lucrativa. Ter um estádio que é usado frequentemente é uma decisão saudável, também do ponto de vista ambiental. Além disso, um projeto deste tamanho financeiro precisa de duas forças colaborando”, afirmou o presidente do Milan, Paolo Scaroni.

“A escolha do design será feita nas próximas semanas e antes disso haverá uma oportunidade para os torcedores e moradores expressarem suas opiniões pelo site nuovostadiomilano.com. Depois que os resultados vierem, nós iremos olhar todos os fatores relevantes e então finalmente Inter e Milan irão tomar a decisão baseadas nos dois principais critérios de estética e funcionalidade”, afirmou o CEO corporativo da Inter, Alessandro Antonello.

Qual dos dois projetos você prefere? Todos os torcedores podem visitar o site e votar. Deixe nos comentários o que acha dos dois clubes deixarem o tradicional estádio San Siro para construírem uma casa nova e comentem também qual dos dois projetos vocês preferem.

Veja uma galeria de fotos dos projetos: