Esqueça aquele vídeo estranho que a Konami lançou em junho com o primeiro gameplay do PES 2014: os gráficos continuam muito bons e a jogabilidade não é mais aquele show de lags da engine.

Joguei uma versão teste na manhã desta quinta-feira e devo dizer que gostei do que vi. No convite que recebi do pessoal do Kotaku e da própria Konami, a produtora dizia que o trabalho estava 75% completo. Portanto, não podemos cravar essa amostra como definitiva. Apenas quatro times estavam disponíveis (Bayern, Santos, Alemanha e Itália), mas foi possível ver como os menus serão, em especial o de alterações táticas, que continua com a mesma estrutura. No geral, tudo foi reformulado e ficou bem organizado.

Essas pequenas preocupações só teremos mesmo quando a versão completa for apresentada para testes, às vésperas do lançamento oficial em setembro. Como sei que você não veio aqui pra ler sobre menus e miscelâneas, vamos ao que interessa.

Uma diferente opção de simulador

A movimentação dos jogadores parece bem mais real. Você sente que alguns deles têm pesos diferentes, exigindo um trato mais atento com os controles. Os desarmes estão mais fáceis, o ritmo de jogo diminuiu e não temos mais aquela exigência de uma correria exagerada.

Essa mudança para reduzir a velocidade fez com que em dado momento eu estivesse controlando Ribéry e Durval me alcançasse na corrida. Não sei em que nível a máquina estava operando, mas também reparei que está bem difícil dominar adversários mais frágeis.

A mecânica de colisão entre os jogadores foi drasticamente modificada para melhor. Aqueles carrinhos bizarros não são mais tendência. Inclusive eu testei isso ao fim de uma das partidas, quando dei entradas violentas em vários lances e a resposta nos movimentos era engraçada, não aquele circo de antes. Não há reações espalhafatosas, elas estão mais bem trabalhadas e correspondem à realidade.

Santos x Bayern

O jogador precisa ser mais inteligente

Agora você precisa pensar mais o jogo, não só abusar de passes longos ou corridas com Neymar, Ribéry, Messi ou quem quer que você saiba que seja bom em arrancadas. Para quem gosta de um desafio, PES 2014 deve ser uma boa pedida e aquele caráter de arcade bem descolado da realidade não está presente na nova edição.

Quem controla a direção e a força do passe é você, e mesmo se escolher um auxílio da máquina, terá de prestar bem atenção para onde solta a bola, pois ela pode acabar nos pés do adversário. A marcação é boa, desde que você tenha consciência de como reduzir o espaço do ataque oponente.

Não queria dizer isso, mas não consegui ganhar nenhuma das três partidas que fiz, usando Bayern e Alemanha. Entretanto, foi por puro relaxo. Quando eu estava 100% atento ao meu time e não ao que o jogo estava oferecendo de novidade, abri uma boa vantagem trocando passes e explorando os espaços vazios no esquema adversário. Foi só relaxar um pouquinho que a máquina me puniu.

Os atacantes estão bem mais inteligentes e não raro vão tentar encobrir o seu goleiro se você se desesperar na saída. Neuer, aliás, tomou três gols de cobertura contra o Santos de André e Neymar. Pois é, isso acontece, pessoal.

pes 2014 free kick system

O sistema de cobrança de faltas ainda é confuso

Quando sofri faltas, precisei parar pra pensar um pouco se eu não havia entendido o novo mecanismo de cobrança ou se ele era assim mesmo. É meio confuso mexer o direcional para um lado (ele tem uma porção de bolinhas que indicam o caminho do seu chute) e o cursor ir para o outro. Em jogos de tiro é normal a mira estar invertida, mas não sei a que ponto consideraram isso útil para um de futebol. Deixo claro que isso acontece no jogo cru, ou sem alterações de comandos. Pode ser que haja alguma opção que conserte isso no menu e eu não tenha reparado.

Ficou visualmente bem bonito

Sabemos que vocês também se importam com os gráficos. E os efeitos de luz, sombra e as expressões dos atletas estão bem legais. Os cenários bem interessantes, como na Allianz Arena, fielmente reproduzida no game. Se jogada de tarde, a partida pode ter um imenso espaço ensolarado na parte superior. No replay é possível ver essa diferença, que deixa o jogo bem próximo ao que vemos na TV. Dá pra perder um tempinho vendo o rosto de cada jogador em detalhe e rir de como alguns deles estão parecidos.

Por fim, um grande salto de qualidade

Quem pega o PES 2014 para jogar a tarde toda vai ver um jogo completamente diferente das edições anteriores. A revolução prometida realmente veio. Na física, na forma como cada jogador se comporta, em como a bola reage aos comandos e sobretudo nos gráficos, como eu comentei no tópico anterior. Talvez eu não tenha notado outras coisas menos importantes em virtude do pouco tempo que tinha. Inclusive cogitei pedir uma versão para XBox para jogar em casa, mas seria folga demais da minha parte, reconheço.

Gostei bastante e creio que os fãs da franquia não irão se decepcionar. É importante que a Konami saiba que o PES não pode perder sua identidade ao tentar agradar outro público. O fator de poder dominar a bola e mudar a direção do primeiro toque antes dela chegar no segundo jogador era algo que o jogo ainda precisava melhorar e conseguiu na versão 2014. Digamos que você faça um passe para um jogador marcado. Agora dá para tentar despistar o adversário antes de receber a bola, com mais agilidade. Os comandos são respondidos de forma mais rápida do que nos PES anteriores.

Garanto que será mais difícil se acostumar a esse mundo novo trazido no PES 2014, mas serão horas ou dias bem gastos nessa tentativa. Vale a pena comprar o jogo e ter a experiência completa. O problema é segurar a ansiedade até lá.

*Atualização: Em uma feira de games no Chile, a Konami anunciou oficialmente a inclusão do campeonato chileno, da Copa Sul-americana e da Recopa no PES 2014. O Argentinão e a Liga dos Campeões da Ásia já estavam garantidos desde o mês passado. Ainda não sabemos se eles serão jogáveis no modo Master League, mas que é uma grande novidade, sem dúvida.