Balise Matuidi foi anunciado pela Juventus nesta sexta-feira, depois de um longo verão de especulações que o ligavam ao time de Turim. O meio-campista da seleção francesa, de 30 anos, é um motor em campo, oferecendo força e velocidade. A Juventus ganha um jogador de ótima qualidade técnica, que marca e chega bem à área, por um bom preço: € 20 milhões à vista e mais € 10,5 milhões que serão pagos se o meio-campista francês cumprir um determinado número de jogos.

LEIA TAMBÉM: Guia da Serie A Italiana 2017/18, parte 1: da Atalanta à Juventus

O Paris Saint-Germain, por outro lado, perde um símbolo do time pelo futebol, pelo modo de jogar e por ter sido o primeiro jogador contratado pela Qatar Sports Investment (QSI), inaugurando uma era no clube. Torcedor do PSG, Matuidi chegou ao clube como a primeira contratação dos novos donos do clube. Curiosamente, não era um jogador que Nasser Al-Khelaifi, novo presidente do clube, queria, nem mesmo o recém contratado direito esportivo Leonardo, que não o consideram um jogador para quem queria “sonhar mais alto”.

Matuidi foi o primeiro antes mesmo de Javier Pastore, a contratação mais badalada daquele primeiro ano e é o único remanescente. Chegou também um ano antes de Thiago Motta, que veio da Inter e foi outra a se estabelecer como um jogador fundamental.  Na época, o PSG vinha de más campanhas. A temporada 2010/11 tinha acabado com o time em quarto, que foi uma recuperação depois de ter ficado em sexto e 13º nas duas temporadas anteriores. Mesmo assim, foi uma exigência do então técnico do clube de Paris, Antoine Kombouaré, que estava no clube desde 2009.

Curiosamente, o treinador não duraria muito: em dezembro, depois de fracassos na Copa da Liga e na Liga Europa, foi demitido para a chegada de Carlo Ancelotti. Matuidi se tornou um dos jogadores mais importantes do elenco parisiense, tornando-se fundamental na marcação e na chegada ao ataque.

Depois de seis anos no PSG, Matuidi sabia que tinha perdido espaço no PSG. Rabiot começou a temporada como titular no seu lugar. O interesse da Juventus era constante. E olha que este é um setor de muita qualidade no time bianconero: Sami Khedira e Miralem Pjanic formaram a dupla no setor e nesta temporada Claudio Marchisio começa saudável e adiciona qualidade ao time.

Matuidi é mais um que chega para tornar o time mais forte no setor com características diferentes. Khedira e Marchisio, da mesma posição, são técnicos, mas fisicamente sofreram nos últimos anos. Matuidi é técnico, mas tem como característica principal a sua força física, a velocidade para sair do ataque para a defesa e, ao contrário, para voltar do ataque para recompor a marcação.

Com Matuidi, o técnico Massimiliano Allegri ganha a opção de ter um meio-campo com três jogadores, como já usou em outros momentos. Na temporada passada, a sua opção prioritária se tornou o 4-2-3-1, com três meias ofensivos e dois meio-campistas, propriamente ditos. Com três no meio-campo, como Khedira, Pjanic e Matuidi, ele pode tanto usar o sistema de três zagueiros, já tão habitual no clube nos últimos anos, quanto usar três atacantes em um 4-3-3.

A união de Matuidi e da Juventus tem tudo para ser positiva. O time italiano ganha um ótimo reforço pagando um bom preço em um mercado tão inflacionado. O PSG perde, mas faz isso conscientemente. Sabe que precisa vender jogadores depois da gastança para levar Neymar ao Parc des Princes. Depois de seis anos de um relacionamento um tanto conturbado com a direção do clube, Matuidi terá a chance de mostrar, vestindo a camisa 14 da Juventus, que é um jogador do mais alto nível.

Blaise Matuidi, agora na Juventus (Foto: Juventus.com/divulgação)
Blaise Matuidi, agora na Juventus (Foto: Juventus.com/divulgação)