Depois das críticas sofridas ao recusar a cumprimentar Patrice Evra no último sábado, Luis Suárez recebeu o apoio até mesmo de José Mujica, presidente do Uruguai. O governante criticou a repercussão do caso, afirmando que exageraram na forma como trataram o atacante.

“É necessário que Suárez sinta à distância o carinho que este pequeno grande Uruguai tem por ele. Exageraram no escândalo, ele não tem nada de racista. Muitos não entendem que ele é futebolista, que não estudou para ser um diplomata. É um jogador genial nos campo, humilde, que escapou da pobreza. Por tudo isso queremos seu sucesso”, declarou.

Além de Mujica, Diego Lugano também saiu em defesa de Suárez: “Todos sabem que o futebol é um grande circo. Leve em conta que a Inglaterra é historicamente um país colonialista e que o racismo é algo subjetivo, mas todos sabemos que não é isso que aconteceu entre Luis e Evra”.

“Esse é um argumento do futebol e vários falsos moralistas e hipócritas lucraram com isso. Você tem que ter colhões para fazer o que Suárez fez no sábado. Ele seguiu seus princípios. Vivemos em uma democracia e, se você não quiser cumprimentar alguém, não faz isso. E menos se essa pessoa te trouxe maus momentos”, completou o capitão da seleção uruguaia.

No domingo, Suárez emitiu nota oficial no site do Liverpool pedindo desculpas por sua atitude. Além disso, o primeiro ministro britânico David Cameron solicitou uma reunião com representantes dos clubes para discutir o racismo no país.