A federação argentina suspendeu nesta quarta-feira Juán José Muñoz, presidente do Gimnasia y Esgrima por conta das ameaças feitas ao árbitro Daniel Giménez na partida contra o Boca Juniors. O dirigente não poderá exercer suas funções no comitê executivo da entidade por seis meses.

No entanto, Muñoz continuará à frente do clube de La Plata, em uma punição considerada leve. A previsão inicial indicava que ele poderia pegar um gancho de até dois anos. A decisão foi tomada após uma reunião de quase quatro horas de duração.

O problema ocorreu em 10 de setembro, quando a equipe recebeu o Boca Juniors em jogo válido pelo torneio Apertura. O time da casa vencia por 1 a 0, mas o árbitro havia distribuído seis cartões para jogadores do Gimnasia y Esgrima e tinha expulsado Troglio.

No intervalo da partida, Muñoz foi ao vestiário do juiz e o ameaçou. “Não te mato hoje, mas te mato amanhã na federação”, teria dito o dirigente segundo as palavras de Giménez. O juiz decidiu então não voltar para o segundo tempo e a partida foi interrompida. A AFA ainda não tomou uma decisão a respeito do jogo.

“Não questionei a arbitragem. Pedi a ele um minuto de solidariedade com Troglio porque o pai dele está passando por um problema delicado de saúde”, afirmara Muñoz na ocasião.