O presidente do Brescia, Massimo Cellino, é autor de uma das coisas mais baixas que já ouvimos no futebol. Foi dele a fala racista sobre Balotelli, dizendo que “ele está trabalhando para e clarear”. Esse mesmo presidente já foi odiado pela torcida do Leeds há algum tempo. Desta vez, ele foi à TV para falar ao programa Le Iene, do Sport Mediaset. E falou sobre o episódio, admitindo a bobagem que falou e dizendo que Mario Balotelli pode sair de graça em janeiro, mas pede para que o jogador fique, porque o Brescia perderia muito sem ele.

“Eu queria minimizar as coisas, talvez tenha feito um pouco demais…”, afirmou o dirigente. “Eu quis dizer que se vocês [jornalistas] não gostam dele como ele é, o que o rapaz deveria fazer? Ele deveria clarear”, disse Cellino, reforçando a fala racista. “Eu não ofendi Mario. Quando minha piada foi mal interpretada como foi, eu estava mais preocupado em como Balotelli sairia disso do que qualquer outra coisa”.

“Minha frase foi explorada, mas indubitavelmente, eu disse algo estúpido”, continuou Cellino. Nós acrescentaríamos que além de estúpido, foi racista. “Mario está triste porque ele não pode se expressar pelo seu futebol. Mario faz com que pareça que ele é um guerreiro que pode encarar qualquer coisa, mas ele não é assim”.

“Você vê um homem de mais de 1,80 metro, mas se talvez ele mostrasse que ele está sofrendo e também é frágil, as pessoas iriam entender. Ele precisa de mais afeto do que parece. Em janeiro, ele pode sair de graça, mas eu quero que Mario continue, porque se ele sair, todos nós perdemos, disse o presidente do Brescia. “Mario, fique no Brescia e mostre que você veio aqui para nos ajudar a vencer”.

Balotelli, de 29 anos, tem oito jogos e dois gols até aqui. Ainda não conseguiu mostrar no Brescia o futebol que se sabe que ele tem. Mesmo assim, ele é um dos melhores jogadores do time. O jogador chegou a ser deixado fora até dos relacionados pelo novo técnico do time, ex-campeão do mundo Fabio Grosso.

Só que Cellino não vinha gostado do trabalho de Grosso e, nesta segunda-feira, demitiu Fabio Grosso. Como na Itália não se pode contratar um técnico que já trabalhou na mesma divisão, o treinador antigo foi chamado de volta ao cargo. Eugenio Corini, assim, reassume o Brescia um mês depois da sua demissão. Aos 49 anos, tem 44 jogos como técnico do Brescia, com 20 vitórias, 12 empates e 12 derrotas.