Presidente da Uefa nega final da Champions em Nova York e diz que VAR não será introduzido nesta temporada

Mesmo com rumores surgindo sobre a possibilidade, o mandatário da Uefa garantiu que a ideia não está sendo discutida

Em tempos nos quais diferentes campeonatos querem fincar a sua bandeira nos Estados Unidos, a Uefa seguiu em uma via contrária nesta semana. Presidente da entidade continental, Aleksander Ceferin, negou os rumores levantados nos últimos dias, de que a final da Champions League em 2021 seria disputada em Nova York. O dirigente publicou uma nota oficial se posicionando sobre o assunto e afastando a possibilidade.

“A ideia não está sendo discutida atualmente. A Uefa não tem planos de realizar a final da Liga dos Campeões fora da Europa”, apontou Ceferin, em seu comunicado. Em 2016, o dirigente havia declarado que a realização da decisão nos Estados Unidos “poderia ser uma ideia no futuro”, mas certamente analisa a rejeição que La Liga vem sofrendo. Nas últimas semanas, o presidente da entidade que organiza o Campeonato Espanhol, Javier Tebas, vem sendo duramente criticado por pretender levar um jogo da competição aos território americano.

Os rumores sobre a realização da final da Champions em Nova York começaram depois que o chefe-executivo da Mediapro, a companhia que possui os direitos de transmissão da Champions na Espanha, declarou que a Uefa estava analisando a viabilidade. Enquanto a próxima decisão da Liga dos Campeões será sediada em Madri, no Estádio Wanda Metropolitano, a de 2020 está previamente marcada para Istambul, no Estádio Olímpico Atatürk.

A própria Mediapro, que também detém os direitos televisivos de La Liga, apoia a realização dos jogos do Campeonato Espanhol nos Estados Unidos. Tebas pretende levar a Miami o duelo entre Girona e Barcelona, e já conta com o apoio dos dirigentes de ambos os clubes. O Girona, mandante da partida, têm quase 90% de suas ações divididas entre Pere Guardiola, irmão de Pep, e o City Football Group, proprietário do Manchester City. Nos últimos dias, La Liga submeteu um pedido formal para a realização do jogo em Miami junto à federação espanhola, com assinaturas dos presidentes de ambos os clubes. Há um forte movimento oposto ao projeto, principalmente entre jogadores e torcedores.

Além disso, em outra declaração importante, Ceferin garantiu que o VAR não será utilizado nesta temporada na Liga dos Campeões. Em agosto, o jornal The Times apontou que a experiência positiva com a tecnologia na Copa do Mundo levaria a Uefa a adotá-la no torneio continental a partir das quartas de final. Contudo, o dirigentes garantiu que isso está fora de cogitação no momento. “Não haverá VAR nessa temporada. Quando estivermos prontos, faremos isso. Provavelmente será na próxima edição. Quando começarmos, será a partir das preliminares, antes mesmo da fase de grupos”, apontou. A Liga Europa ainda deverá esperar mais uma temporada para adotar o esquema, somente em 2020/21.