O presidente da Nigéria teve que fazer uma ligação para impedir que a seleção do seu país abandonasse a Copa do Mundo. Os jogadores das Super Águias ameaçaram não entrar em campo contra a França, nesta segunda-feira, pelas oitavas de final, em Brasília. O motivo? Falta de pagamento da premiação pela classificação à Copa do Mundo.

LEIA TAMBÉM: Jogador beijando dinheiro, agressão, xingamento ao técnico e Gana vive o caos

Os jogadores teriam se recusado a treinar depois de discussões com os dirigentes e cobraram o pagamento antes do embarque para Brasília para o jogo. O impasse ficou tão grande que o presidente Goodluck Jonathan teve que ligar para os jogadores e garantir que o ministro de esportes do país, Tamuno Danagogo, será enviado ao Brasil com o dinheiro para fazer o pagamento.

“O presidente ligou para eles nesta manhã [sexta] para garantir que o ministro do esporte está vindo com o dinheiro”, afirmou um dirigente da Federação Nigeriana de Futebol ao site Kickoff, da Nigéria. Vale lembrar que a Nigéria adiou a sua vinda ao Brasil na Copa das Confederações justamente por um problema parecido, a falta de pagamento de premiações combinadas previamente.

Joseph Yobo, capitão do time, garantiu que o problema foi resolvido e o time entrará em campo normalmente contra a França para a partida. “Nós estamos aqui para jogar pelo nosso país”, disse o jogador. “Eu posso dizer como capitão que o time irá viajar para Brasília e iremos treinar e jogar contra a França”, afirmou ainda o jogador.

Greve de jogadores de seleções africanas se tornou algo frequente. E antes de dizer que os africanos são uns mercenários sem amor à pátria, é válido lembrar que os dirigentes africanos não costumam cumprir muito suas promessas com os jogadores. Basta lembrar que todas essas greves de jogadores das seleções africanas aconteceram porque não pagaram a premiação relativa à classificação para a Copa.

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM:

– A classificação tem um valor muito além do futebol para o orgulho argelino

– Chiellini foi muito mais racional que a Fifa no polêmico caso da mordida

– Enquanto o povo mexicano se empolga com a Copa, o governo lhe passa a perna