Os bilionários donos de clube são uma realidade em diversos países da Europa, especialmente na Inglaterra, um país onde muitos deles ficam asilados e possuem investimentos. Manchester City, Chelsea e Paris Saint-Germain são os três exemplos mais bem sucedidos no atual cenário. Com a Itália em crise, Erick Thohir, empresário indonésio, assumiu o controle da Internazionale, campeã europeia de 2010. Apesar dos muitos problemas do futebol italiano, o presidente da Juventus, Andrea Agnelli, não acredita que investidores estrangeiros são a solução para o país.

VETERANO: Maior arrependimento de Luca Toni é não ter sido campeão na Roma
SÉRIE A: Balanço de inverno do Campeonato Italiano, parte 1
RETROSPECTIVA: O melhor campeonato nacional da história

“Eu sou contra investidores estrangeiros cujos projetos parecem atrativos no começo, mas perdem o brilho. Não queremos ver especulação nos nossos clubes. Sou a favor de projetos a médio-longo prazo que são sérios”, declarou. “Os investimentos devem ser úteis e construir um valor agregado ao clube”, disse Andrea Agnelli. A família Agnelli é dona da Juventus e é também do grupo dono da Fiat e da Ferrari, um dos maiores e mais importantes da Itália.

O presidente da Juve fez críticas ao futebol italiano e acha que é preciso mudar muita coisa para que a liga retome o seu posto de prestígio que ocupou até alguns anos atrás. “O futebol italiano precisa se recuperar, incluindo a Juventus, apesar dos bons resultados e das receitas”, afirmou Agnelli. “Nós éramos a liga dos jogadores do mais alto nível, agora somos considerados uma fase transitória para algo maior”, constatou o dirigente. “Nós não podemos competir com aquelas divisões que tem estruturasmuito diferentes. Os estádios da nossa liga têm uma média de 64 anos e não aguentam uma comparação com aqueles que desenvolveram estádios mais modernos, confortáveis e cheios”, analisou ainda o presidente.

Para Agnelli, porém, o problema passa pela própria situação econômica da Itália. “O Chelsea vende seus ingressos pelo dobro do preço da Juventus, enquanto na Alemanha a média salarial é muito maior que na Itália, então não é só uma questão de estádios. Apesar disso, nós temos que tentar melhorar o que pudermos”, analisou. “A Roma está prestes a dar um passo importante ao construir o seu próprio estádio e mais devem seguir esse caminho”, declarou.

A Juventus chegou às oitavas de final da Champions League nesta temporada, depois de amargar um fracasso na fase de grupos na temporada passada. Porém, a Roma, sua rival local na briga pelo título italiano, caiu já nesta fase. O Napoli, terceiro classificado, sequer chegou à fase de grupos. O futebol italiano verá a final da Champions League na próxima temporada, no estádio Giuseppe Meazza, em Milão, mas sem muitas esperanças de ver um italiano triunfar. Depois da Inter, em 2010, nenhum clube do país passou das quartas de final.