A Premier League deu o primeiro passo para retornar suas atividades ao aprovar a volta aos treinos a partir desta terça-feira, ainda sem contato entre os jogadores e mantendo restrições de isolamento social, e prevê que a situação sanitária e social da Inglaterra provavelmente impedirá que haja torcida nas arquibancadas por entre seis meses e um ano.

Os 20 clubes votaram de forma unânime nesta segunda-feira para aprovar o protocolo médico que permitirá aos jogadores retomarem as atividades. Uma segunda etapa, que prevê treinos com contatos, será deliberada semana que vem. O terceiro passo é a volta das partidas, cuja data estimada era 12 de junho, mas agora parece provável que seja empurrada ao fim do mês.

Dentro desse primeiro protocolo, os jogadores poderão treinar em pequenos grupos, de até cinco pessoas, e terão que manter o distanciamento social o tempo inteiro. Os carros serão estacionados com três faixas de distância entre eles. As áreas comuns das instalações dos clubes serão fechadas. Os banhos estão proibidos e as sessões foram limitadas a 75 minutos.

Segundo a BBC, a liga considera inspeções surpresas, monitoramento por GPS e análises de vídeo para se assegurar de que os clubes estão cumprindo as regras, e gostaria de ter um inspetor em cada centro de treinamento. “Estamos vendo de trazer nossa própria auditoria independente para aumentar (a inspeção) nos próximos dias, o que nos dará a habilidade de fazer inspeções nos centros de treinamentos”, disse o diretor de futebol da Premier League, Richard Garlick.

O retorno da Bundesliga foi classificado pelo executivo-chefe da liga inglesa, Richard Masters, como “um bom começo” e será discutido se os jogadores da Premier League serão colocados em uma quarentena de 14 dias antes do retorno dos jogos, nos moldes da Alemanha. O retorno dos jogos dependerá de quando for possível fazer treinos com contato. No caso da Bundesliga, foram cinco semanas depois, o que empurraria a data inglesa para o fim de junho.

“12 de junho não era um compromisso firme e o que não queremos fazer é continuar mudando (a data de retorno). Sei que há uma discussão a ser feita. Tudo depende de quando voltarmos a ter treinos com contato e temos um processo pelo qual precisamos passar para chegar lá. Claro que precisamos ser flexíveis”, disse Masters.

“Claramente, não conseguimos eliminar todos os riscos de tudo, mas acho que criamos um ambiente extremamente seguro, que é o primeiro passo para voltar as treinos. Espero que possamos tranquilizar todos os jogadores e os treinadores”, acrescentou.

Ao Guardian, o conselheiro médico da Premier League, Mark Gillett, afirmou que as restrições, incluindo a proibição de torcedores, podem durar entre seis e 12 meses, o que, considerando que a atual temporada possa ser completa, afetariam também a próxima edição da liga. “Sentei com o grupo do DCMS (comitê de Digital, Cultura, Imprensa e Esporte da Casa dos Comuns do Parlamento britânico), com um alto nível de opinião médica da Saúde Pública da Inglaterra, e eles deixaram claro que a situação social e sanitária não mudará nos próximos seis ou 12 meses. É importante que as pessoas entendam isso”, disse.

Masters também disse que há planos para entregar um “produto de televisão diferente”, com um grupo estudando maneiras de criar um bom clima sem a presença de torcedores e que, “dentro do possível”, ainda prevê uma cerimônia de entrega de troféu para o eventual campeão, muito provavelmente o Liverpool.

“Gostaríamos de ter uma entrega do troféu para dar aos jogadores e funcionários o momento pelo qual eles tanto trabalharam. Gostaríamos de tentar fazê-lo, a menos que fosse impossível por questões de segurança. Estamos concentrados em terminar a temporada 2019/20, mas também precisamos planejar para todas as eventualidades”, encerrou.

.