Depois de conquistar o acesso à terceira divisão, o Wimbledon recebeu outra grande notícia no início desta temporada. O novo prefeito de Londres, Sadiq Khan, liberou o projeto de construção de um novo estádio no bairro de Merton, onde ficava o antigo Plough Lane, que o clube foi obrigado a abandonar em 1991. Vinte e cinco anos depois, a volta para casa está muito próxima.

LEIA MAIS: Wimbledon garante acesso à terceira divisão e enfrenta seu antigo “eu” na próxima temporada

O Wimbledon mandava suas partidas no estádio Ploguh Lane. Mas, em 1991, o relatório Taylor obrigou todos os campos de futebol do Reino Unido a serem reformulados, por motivos de segurança depois do desastre de Hillsborough. O clube passou a dividir o Selhurst Park com o Crystal Palace até 2003, quando houve a mudança para Milton Keynes, a troca de nome para MK Dons e a criação do AFC Wimbledon por torcedores descontentes.

Desde então, o AFC Wimbledon conquistou seis promoções de divisão em 14 anos mandando suas partidas no Kingsmeadow, aproximadamente 8,7 kms ao oeste de onde ficava o antigo estádio, atualmente um condomínio residencial. O novo campo será construído no local de uma pista de corridas de cachorros – a última de Londres, segundo o Guardian -, apenas 500 metros ao norte do local que abrigou o Plough Lane.

A decisão final está nas mãos do conselho do distrito de Merton, que já havia aprovado a construção do estádio em dezembro do ano passado. No entanto, em março, o então prefeito de Londres, Boris Johnson, pediu revisão e o projeto foi adiado. Com o sinal verde de Khan, a aprovação derradeira deve ser concedida ainda nesta quinta-feira. “Estamos ansiosos pelo retorno do nosso muito amado e merecedor time. Merton quer o AFC Wimbledon de volta aos campos de Wimbledon”, disse o líder do Conselho de Merton, Stephen Alambritis, segundo a BBC.

 

“Quando isso for concluído, daremos um grande passo à frente nas ambições do clube de voltar para nossa casa em Merten e um grande motivo para comemoração”, disse, em um comunicado, o clube que considera a região do seu antigo estádio a sua “casa espiritual”.