Napoli, gerou consequências. O clube foi punido com dois jogos com portões fechados em San Siro, além de um terceiro jogo com a curva nord fechada – setor onde ficam as torcidas organizadas, os chamados ultras, que insultaram o jogador do Napoli. O prefeito de Milão, Giuseppe Sala, concorda com a punição, por ser um sinal contra o racismo, mas acha que a liga não deveria ser paralisada, como chegou a ser sugerido.

LEIA TAMBÉM: Após racismo ser ignorado pelo árbitro, Ancelotti diz que Napoli deixará de jogar caso insultos se repitam

“Nós ouvimos da prefeitura diversas vezes e nós iremos chamar uma reunião com a Inter e o Milan para evita repetir esses problemas”, afirmou Giuseppe Sala, prefeito de Milão. “Eu tendo a concordar [com o fechamento do estádio], eu entendo que eles precisam mandar um sinal, mas eu não sei como medir essas coisas. Eu acho que um sinal é a coisa certa”, disse ainda o político.

“Se a liga deveria ser suspensa? Eu acho que não, porque objetivamente, diante de tais atitudes, há também muitas pessoas indo ao estádio com uma atitude positiva”, continuou Sala. “Então eu não acho que deveríamos suspender a liga. Não é um problema apenas em Milão, todo mundo deveria assumir a sua própria responsabilidade e a minha é falar com a prefeitura e com os clubes”.

“Isso é algo que vai contra o espírito da nossa cidade. Eu me senti desconfortável durante o jogo e queria sair, mas eu queria refletir sobre as coisas e então pela manhã eu falei a respeito”, afirmou ainda Sala.

Posicionamento da Inter

Por causa do episódio, a Inter divulgou um comunicado neste dia 27 falando sobre a origem do clube. No texto, fala sobre a ação social do clube, que pouco tem a ver com o acontecido. Fala sobre a origem, que é de um clube que aceitou estrangeiros desde o seu início, e daí o nome. Falta, porém, falar sobre a relação entre o clube e os ultras, algo que é sempre deixado nas sombras.

Confira o comunicado da Inter:

Em resposta aos eventos que aconteceram durante Inter x Napoli na quarta-feira à noite e a consequente decisão chegada pelo Tribunal de Esporte da Liga Nacional da Serie A, o clube gostaria de reafirmar que desde o dia 9 de março de 1908, a Inter representou a integração, hospitalidade e progressividade.

Estas características definiram a história do Milan – uma cidade que significa inclusão e respeito.

Junto com a nossa cidade, nós sempre estivemos lutando para ajudar a criar um futuro livre de discriminação. Nós estamos comprometidos para promover esses valores onde quer que operemos e eles sempre foram uma fonte de orgulho para o clube.

A Inter está presente em 29 países ao redor do mundo, do Cambodia à Colômbia, trabalhando com milhares de crianças envolvidas no projeto Inter Campus. O objetivo é restaurar o direito de jogar para aqueles que estar constantemente em circunstâncias precárias – a importância de tais atividades é também reconhecida pelas Nações Unidas.

Daquela noite, 110 anos atrás, quando nossos fundadores nos colocaram em nossa jornada, nós sempre dissemos não para qualquer forma de discriminação.

É por isso que nós nos sentimos obrigados hoje, mais uma vez, reiterar que quem não entende ou aceita a nossa história – a história deste clube -, não é um de nós.