Os críticos vinham encontrando no futebol pouco ofensivo e vistoso os motivos para criticar a Internazionale de Roberto Mancini, mas o pragmatismo do treinador vinha funcionando, e o início na Serie A era ótimo. Até o confronto desta sexta rodada, contra a Fiorentina, no Giuseppe Meazza. O técnico resolveu mudar o esquema tático da equipe e, prejudicado pela desatenção e pelas falhas na primeira metade do primeiro tempo, a Inter acabou atropelada pelo clube de Florença, que abriu 3 a 0 com apenas 22 minutos de jogo e fechou a vitória em 4 a 1 no segundo tempo.

VEJA TAMBÉM: Sánchez junta-se a Afonso Alves e é o 8º sul-americano a anotar uma tripleta na Premier League

Logo aos dois minutos de partida, Handanovic recebeu um recuo, vacilou no domínio, perdeu o tempo da bola e acabou cometendo um pênalti bem duvidoso em Kalinic. Não fica claro pelas imagens se há de fato contato suficiente para a falta ou não, mas, nem aí para isso, Ilicic apenas aproveitou e converteu o pênalti para abrir o placar. Aos 17 minutos, Handanovic voltou a errar e acabou punido com outro gol. Ilicic arriscou de longe e forçou o goleiro a fazer uma boa defesa, mas a escolha por espalmar para cima se provou bastante equivocada quando a bola caiu no pé de Kalinic, que empurrou para a rede e fez 2 a 0.

O primeiro gol a claramente evidenciar o erro tático de Mancini foi o terceiro. Nas cinco primeiras rodadas, a Inter adotara um 4-3-1-2 forte defensivamente, em que as laterais eram bem resguardadas e a defesa tinha o respaldo de Medel e Felipe Melo à sua frente. Para o duelo deste domingo, o treinador apostou em três zagueiros, adiantou Alex Telles e Santon como alas e enfraqueceu a marcação pelos lados. Do flanco direito da defesa nerazzurra, a Fiorentina iniciou a jogada para o terceiro gol, marcado por Kalinic, que completou cruzamento baixo e, aos 22 minutos, basicamente aniquilou as chances dos donos da casa.

Para um time que vencera todos os cinco jogos que disputara até então e que sofrera apenas um gol em todos eles, levar três em pouco mais de 20 minutos parecia o pior cenário possível, mas as circunstâncias do jogo mostraram que, no fim, o time até saiu no lucro. Ainda no primeiro tempo, Kalinic arrancou em velocidade, pronto para ficar de frente para Handanovic, e acabou sofrendo a falta de Miranda, último homem da marcação. A troca do gol pela expulsão parece ter sido o diferencial entre um 4 a 1 e uma goleada histórica.

Pelo restante do jogo, a Fiorentina mais controlou a partida do que tentou impôr um massacre ao adversário. O 3 a 0 já era suficiente para o time igualar os 15 pontos da Inter e assumir a liderança da Serie A. Em bola levantada na área, no tiro livre, a Inter diminuiu com Icardi, que tentou a finalização duas vezes antes de chegar a seu gol, aos 15 minutos do segundo tempo. Mas o tento foi ocasional, não uma expressão de um renascimento dos nerazzurri em campo. A Fiorentina manteve o domínio do jogo e, aos 31 minutos, aumentou a vantagem no placar para 4 a 1, com Kalinic, que chegou à tripleta.

Para a Fiorentina, apesar dos erros do adversário, a vitória não pode ser minimizada. Aproveitou-se das brechas de um oponente que vinha sendo quase impecável defensivamente e, pela primeira vez desde a 20ª rodada da temporada 1998/99, alcança a liderança da Serie A, ainda que compartilhada. Já em relação à Inter, o resultado negativo não pode ser motivo para desespero, mas o ensinamento deve ser absorvido por Mancini: o momento é mesmo de pragmatismo, mantenha-se fiel a seu estilo até que haja mais segurança para tentar coisas novas. Vencer quatro jogos por 1 a 0 não é exatamente entretenimento puro para o torcedor, mas é muito melhor do que uma derrota por 4 a 1 em casa.

Confira os lances da vitória da Fiorentina:

https://www.youtube.com/watch?v=HGDIi3WcK3A