A Argentina anunciou sua convocação para a próxima Data Fifa sem grandes novidades. Emiliano Martínez, Nehuén Pérez e Facundo Medina são os únicos que nunca entraram em campo pela Albiceleste, embora os dois primeiros já tenham sido listados em convocações por Lionel Scaloni. A grande notícia é a presença de Papu Gómez, que não era chamado à equipe nacional desde novembro de 2017. Mesmo gastando a bola na Atalanta, o veterano era sumariamente ignorado pelos treinadores.

As únicas chances de Papu Gómez na seleção argentina vieram em 2017, sob as ordens de Jorge Sampaoli. Estreou com gol e assistência num amistoso contra Cingapura. Depois, reapareceria no time que fez o jogo decisivo contra o Peru na Bombonera, pela penúltima rodada das Eliminatórias. Titular na ponta esquerda, o maestro não se saiu bem e foi criticado pela atuação no empate sem gols que deixou a Albiceleste por um fio. Veria do banco a vitória por 3 a 1 sobre o Equador, que colocou o país na Copa de 2018. Depois disso, disputaria dois amistosos em novembro de 2017, saindo do banco, e seria esquecido das listas a partir de então.

Papu Gómez ficou marcado por um jogo ruim com a seleção argentina. Mas outro lance teria afastado suas chances de disputar a Copa do Mundo. Em maio de 2018, num Atalanta x Milan pela Serie A, Papu acertou uma joelhada nas costas de Lucas Biglia. O meio-campista voltava de uma lesão lombar e foi tirar satisfação com o compatriota. A jogada foi criticada publicamente por Sergio Agüero e até pelo presidente da AFA, Chiqui Tapia. O meia não seria incluído nem na pré-lista de Jorge Sampaoli, mesmo terminando a temporada em boa fase na Dea.

“Que estejam falando de uma falta de Papu Gómez em Biglia neste momento tão importante da seleção me parece uma estupidez enorme. Estão ignorando muitos problemas da seleção e da AFA com esse tema. Se querem seguir falando de Papu Gómez para não falar dos problemas futebolísticos de verdade da seleção, está perfeito. Eu aceito: até o Mundial, matem-me”, declarou o camisa 10, na época. Veria de casa a Copa, quando tantos outros jogadores de qualidade técnica inferior estavam passando vexame com a Albiceleste na Rússia.

Depois da Copa, Lionel Scaloni conduziu o processo de renovação da Argentina. Poderia se dizer que a ausência de Papu Gómez se daria pela idade. Mas com a presença do próprio Agüero ou de Lionel Messi, não haveria muitos motivos para excluir o meia da mesma faixa etária – Papu, inclusive, foi campeão mundial sub-20 em 2007 ao lado de Kun. A relação com o grupo talvez tenha pesado pela exclusão por mais tempo. Agora, não mais. Vale lembrar que Scaloni encerrou a carreira na Atalanta e, segundo Papu, o ajudou na adaptação a Bérgamo. Os dois mantiveram contato desde então, em amizade além da própria profissão.

Enquanto Papu Gómez disputará as Eliminatórias, Agüero e Ángel Di María não estarão presentes nos próximos compromissos. O camisa 10 da Atalanta poderia ser até mesmo uma liderança positiva, considerando que não tinha ligação direta com outros momentos da seleção. E bola nunca faltou, afinal, especialmente com o crescimento da Atalanta nas duas últimas temporadas. As Eliminatórias, enfim, servem para Scaloni chamar os melhores. Não tem como listar os melhores argentinos sem Papu.

Aos 32 anos, Papu Gómez segue com a Copa do Mundo em seu horizonte. Seu encaixe como titular talvez seja um entrave, com Lionel Messi ou Paulo Dybala na disputa pela posição. Mas por intensidade de jogo e capacidade de resolver partidas, não há muitas dúvidas de que o capitão da Atalanta deveria ter ao menos uma chance no 11 inicial. A sua própria postura dentro de campo e o comprometimento são exemplares aos companheiros mais novos. Isso sem falar nos dribles, na visão de jogo, na qualidade para bater na bola e em outras tantas virtudes técnicas. Que a concorrência seja grande, Papu não vai fugir do pau e pode até ser adaptado mais recuado ou então aberto na esquerda.

A Argentina começa as Eliminatórias contra o Equador, em partida que acontecerá em Buenos Aires. Depois, visita a Bolívia na altitude de La Paz. A uma seleção que deixa desconfianças, são jogos propensos a levantar questionamentos. Por isso, nada mais natural que escolher aqueles que lidam bem com a pressão. Papu pode fazer a diferença e demonstrar o erro tremendo que foi o período em que permaneceu escanteado nas convocações, mesmo conduzindo um dos ataques mais destrutivos do futebol europeu. Já era hora.