Se a disputa por uma das oito vagas no mata-mata atrai a atenção da maior parte dos torcedores mexicanos e normalmente se desenrola até a última rodada da Liga MX, a briga pelo descenso tradicionalmente não conta com equilíbrio similar. Com o burocrático formato de levar em conta a média dos últimos três anos (e seis torneios curtos), o campeonato quase sempre tem início já com um clube favorito ao descenso e alguns ameaçados, sendo que poucas vezes esse panorama sofre grandes mudanças. Diferente do que vem acontecendo no Clausura atual.

Afundado na última posição, com média de 0,94 pontos, o Atlante começou a competição com muitas alterações no elenco, troca de técnico logo na segunda rodada e poucas esperanças de uma campanha que salvasse o clube da degola. Com 12 partidas disputadas, entretanto, os comandados do argentino Pabo Marini já somaram 18 pontos e reacenderam a briga contra a queda.

Não que o desempenho do clube seja um primor. Duas das quatro derrotas sofridas foram goleadas (4 a 1 para o Cruz Azul e 5 a 0 para o Pumas UNAM). Um dos motivos, alías, pelo qual o clube ostenta a pior defesa da competição, com média de 1,5 gol tomado por jogo. Os triunfos vêm sendo arrancados “à unha”, com apenas um deles superando a margem de um gol de diferença. Não à toa, a irregularidade é um fator preocupante em Cancún na reta decisiva.

Mas é justamente ela que vem permitindo aos Azulgranas sonhar com a permanência na elite. A quinta posição na tabela de classificação ainda não é suficiente para tirar o time da posição de rebaixamento. Mas aliada às fracas campanhas dos demais ameaçados, a briga ganha força para as últimas rodadas.

Ainda que matematicamente conte com alguma chance de queda, é prudente tirar o Chivas Guadalajara da lista de candidatos. Não que o desempenho do Rebaño faça jus, mas a boa margem para os concorrentes permite dizer que somente um desastre de proporções gigantescas (com todos os adversários vencendo seus duelos e o clube de Guadalajara sendo derrotado em suas seis partidas restantes) colocaria o maior campeão azteca na Liga de Ascenso.

Dos outros quatro times ameaçados de ocupar o lugar do Atlante, o recém-promovido Veracruz é o que mais se preocupa. Com um elenco partindo do zero, os Tiburones ainda não encontraram organização, liderança e entrosamento no grupo, ocupam a lanterna do Clausura e, para o bem ou para o mal, por não contarem com a pontuação dos dois últimos anos, sua média é a mais suscetível de variações. Seria uma vantagem em caso de boas campanhas, mas na situação atual vem afundando os Rojos, que chegaram a liderar o Apertura 2013.

Também na lanterna da Liga MX, o Puebla é outro dos ameaçados que não precisaria de muitos esforços para se livrar dessa situação no início da temporada. Desde seu retorno a elite, em 2007, contudo, os Camoteros vivem na corda bamba, poucas vezes entrando realmente na disputa por uma vaga no mata-mata e mais preocupados em apenas permanecer no topo. Um objetivo seriamente ameaçado pela fase atual. Com uma campanha apenas mediana, o Atlas já igualou o quociente da Franja, enquanto o Atlante está a apenas quatro de distância. O mesmo vale para o Chiapas, que, com uma campanha irregular, viu sua distância para os Prietitos diminuir.

Com Atlante e Veracruz disputando ponto a ponto contra a posição de rebaixado, Atlas, Puebla e Chiapas contam com pouca margem de erro. Para acirrar a disputa, nenhuma das tabelas reserva aos clubes um calendário tranquilo. Com praticamente todos os clubes ainda vivos na disputa por uma vaga ao mata-mata, os cinco clubes que têm sérias preocupações com o rebaixamento enfrentam clubes embalados para alcançar a Liguilla ou adversários diretos na briga contra a queda.

Dessa forma, qualquer sequência de reveses na reta final pode ser castigada com um inesperado rebaixamento na próxima temporada. Uma disputa que promete tornar ainda mais animada a reta final da Liga MX. Isso, claro se não levarmos em conta a predisposição dos dirigentes da Femexfut em salvar clubes tradicionais (ou com ricos proprietários) da queda com manobras de bastidores.

Curtas

México

– Seleção do site Mediotiempo da 12ª rodada do Clausura: Édgar Hernández (Querétaro), Rodolfo Pizarro (Pachuca), Leiton Jiménez (Veracruz), Javier Gandolfi (Tijuana) e Carlos Adrián Morales (Morelia); Aldo Leão Ramírez (Morelia), Juan Pablo Rodríguez (Santos), Christian Bermúdez (Querétaro) e Roberto Gutiérrez (Atlante); Enner Valencia (Pachuca) e Aldo de Nigris (Chivas Guadalajara); T: Ignácio Ambríz (Querétaro);

Costa Rica

– Com uma boa vitória sobre o Santos de Guápiles, o Herediano aproveitou o tropeço do rival Saprissa, que não passou de um empate em visita ao Limón, e assumiu a liderança do Campeonato de Verano da Primera Divisón, com 30 pontos em 14 jogos, um a mais que os Morados. Atual campeão e semifinalista da Concachampions, a Alajuelense também empatou na rodada, contra o Puntarenas, e segue em terceiro, com 22 pontos, ao lado da UCR, que superou o Belén Siglo XXI;

Cuba

– Mesmo empatando com o Sancti Spíritus, o Ciego de Ávila segue com folga na ponta do Campeonato Nacional, com 16 pontos, quatro a frente do atual tricampeão Villa Clara, que superou o La Habana. Derrotado pelo Camagüey, o Cienfuegos é o oitavo, com 7 pontos, enquanto o Pinar del Río, ainda sem vencer na competição, é o lanterna, com 3;

El Salvador

– Superado em casa pelo Dragons, o FAS manteve a ponta do Clausura da Liga Mayor, com 22 pontos em 10 partidas, mas permitiu a aproximação do atual campeão Isidro Metapán, que aplicou tranquilos 3×0 em visita ao Juventud Independiente e chegou aos 19 pontos. O Firpo bateu o Atlético Marte e é o sexto, com 13, enquanto o Alianza ficou no empate sem gols contra a lanterna UES e ocupa a oitava posição, com 12 pontos. Já o Águila se recuperou da má fase, venceu o Santa Tecla e, com 11 pontos, parece disposto a brigar por uma vaga no mata-mata;

Guatemala

– Em uma curiosa rodada de triunfos dos seis primeiros colocados (e derrota do seis últimos) na Liga Nacional, quem mostrou força foi a líder Universidad SC, que se impôs sobre o Municipal, maior campeão nacional, e alcançou 26 pontos em 14 jogos no Clausura. Dois pontos atrás aparece o Coatepeque, enquanto o atual campeão Comunicaciones se recuperou do revés na rodada anterior, bateu o Malacateco e chegou aos 23. Com 21 estão Heredia, Xelajú e Suchitepéquez. Já o Municipal é apenas o sétimo, com 17 pontos;

Haiti

– Enquanto Valencia e Mirebalais disputam o Campeonato de Clubes do Caribe, alguns times já deram a largada na Digicel Première Division. O America dês Cayes lidera com 7 pontos em 3 partidas, seguido por Cavaly, Baltimore e Tempête, com 5. Com duas derrotas em dois jogos, o Violette é o lanterna, enquanto o Racing Club Haïtien, maior campeão nacional, ainda não estreou na competição;

Honduras

– Depois de sofrer suas únicas derrotas na Liga Nacional, o Olimpia recuperou-se com estilo, em um triunfo mínimo sobre o rival Motagua no “Superclásico Nacional”, em partida de arbitragem polêmica. A vitória levou os Albos aos 28 pontos em 14 partidas, quatro a frente do atual campeão Real España, que massacrou o Marathón por 6×1 no “Clásico Sampedrano”, em jogo de quatro expulsões e quatro gols do jovem Bryan Róchez. Quem também soma 24 pontos é o Real Sociedad, que venceu o Vida na rodada. O Motagua é o quarto, com 20, enquanto o humilhado Marathón é apenas o oitavo, com 15 pontos; 

Jamaica

– Mesmo derrotado pelo Humble Lions em casa, o Montego Bay United manteve a liderança da National Premier League, com 45 pontos em 25 partidas, três a mais que o atual campeão Harbour View e o Waterhouse, que somam um jogo a menos. O Tivoli Gardens perdeu para o Sporting Cental Academy e é o quinto, com 34 pontos, enquanto o Portmore United goleou o Cavalier por 4×0 fora de casa e já é o sétimo, com 32;

Nicarágua

– Quem também viu um duelo entre líderes na rodada foi a Liga Nacional. Melhor para o Diriangén, que bateu o Walter Ferretti e tomou do rival a liderança do Clausura, alcançando 31 pontos em 15 partidas. Com 28 pontos, o clube da capital ainda foi ultrapassado pelo Real Estelí, que venceu o quarto colocado Managua e soma 30;

Panamá

– Com mais um triunfo incontestável, dessa vez sobre o Alianza, no duelo de líderes, o Chorrillo somou sua sexta vitória consecutiva e isolou-se na ponta da Liga Panamenha, com 23 pontos em 12 jogos. Dois pontos atrás, o Plaza Amador bateu o Chepo e assumiu a segunda posição, enquanto o Árabe Unido superou o San Francisco e tem 20. Com o revés, os Monjes têm 12 pontos e divide a sétima posição com o Tauro, que venceu o Sporting San Miguelito e obteve apenas o seu segundo triunfo no Clausura;

Trinidad & Tobago

– No confronto de líderes, empate por um gol que manteve o W Connection na ponta da TT Pro League, com 41 pontos em 19 jogos, e o North East Stars na vice-liderança, oito pontos atrás. O atual campeão Defence Force, que não jogou na rodada, é o sexto, com 26 pontos em 15 jogos, enquanto o San Juan Jabloteh sofreu sua quinta derrota consecutiva, para o Police, e segue em penúltimo, com 11 pontos.