Portugal

Missão portuguesa em Israel: vencer ou vencer

A cidade de Tel Aviv, em Israel, vive momentos especialmente agitados, com as visitas do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama e a da seleção portuguesa de futebol. Por conta disso, o clima por lá é antagônico. Ao mesmo tempo em que a segurança nas ruas foi reforçada e a tensão naturalmente aumentou pela presença do homem mais poderoso do mundo, as pessoas estão felizes e andam com camisas dos clubes defendidos pelos portugueses – principalmente o Real Madrid, de Cristiano Ronaldo.

É óbvio que o presidente norte-americano chama mais a atenção dos holofotes e tudo o que ele faz em Israel ganha destaque na mídia internacional. Mas quem acompanha futebol, e notadamente mais ainda os torcedores portugueses, sabe que a missão do time das quinas por lá é importantíssima.

Em terceiro lugar no grupo F das eliminatórias europeias para a Copa do Mundo, a seleção portuguesa está, atualmente, fora até da zona de classificação para a repescagem. Tem os mesmos sete pontos que Israel, mas perde nos critérios de desempate. A Rússia lidera, com 12 pontos.

Por isso, o confronto direto com os israelenses, nesta sexta-feira (22), é tão importante. E promete ser tenso demais – sem nenhum trocadilho com os conflitos bélicos que o país anfitrião sempre está envolvido. É também por isso que jogadores e dirigentes da seleção portuguesa tratam de “tirar o peso” da partida, dando a entender que não a consideram como sendo de vida ou morte.

Que Portugal é o favorito à vitória, não há maiores dúvidas. Afinal, trata-se do encontro entre o sétimo colocado do ranking da Fifa, que tenta ir à sua quarta Copa do Mundo consecutiva, contra o 74º do ranking, que só disputou a Copa do México, em 1970. Nas casas de apostas,nesta quinta-feira de manhã, a vitória portuguesa pagava 1,57 para cada unidade apostada, enquanto o triunfo israelense pagava 7,00.

Mas a fase não é boa. Portugal não vence uma partida desde 11 de setembro do ano passado, quando venceu Azerbaijão por 3 a 0 pelas eliminatórias. Desde então, perdeu para a Rússia (1 a 0), empatou com a Irlanda do Norte (1 a 1), empatou com o Gabão (2 a 2) e perdeu para o Equador (3 a 2). Os dois primeiros jogos foram válidos pela qualificação para o Mundial e os dois últimos eram amistosos.

Mesmo contando com grandes estrelas, capazes de resolver partidas em jogadas individuais, a seleção portuguesa passa a impressão de que não tem o “corpo” de um time. O técnico Paulo Bento (em que pese a falta de tempo para treinamentos, problema comum a todos os treinadores de seleções) tem, portanto, esta urgente missão: transformar um conjunto de bons jogadores numa equipe competitiva.

Apesar da pressão que este jogo impõe, o clima na delegação portuguesa é de aparente tranquilidade – e as entrevistas apontam para isso. Mas, no íntimo, cada jogador ou membro da comissão técnica que está em Tel Aviv sabe que a tensão ficará grande demais se o time das quinas não derrotar Israel e Azerbaijão (o próximo adversário, também fora de casa, na terça-feira, dia 26).

Após esta rodada dupla, faltarão apenas quatro jogos para o término das eliminatórias (entre eles, o confronto em casa com a Rússia). Se os seis pontos não estiverem na bagagem da delegação quando o avião pousar de volta em Portugal, as chances de Cristiano Ronaldo e sua turma assistirem à Copa do Mundo de 2014 pela TV aumentarão demais.

CURTAS

– Portugal enfrentou Israel quatro vezes ao longo da história. Foram três vitórias e uma derrota, justamente na única vez em que o jogo ocorreu no estádio Ramat Gan, palco do jogo desta sexta-feira. Pelas eliminatórias da Copa de 1982, os israelenses ganharam por 4 a 1.

– Contra o Azerbaijão, o time das quinas está invicto: quatro vitórias e um empate. A maior goleada ocorreu no primeiro encontro: 7 a 1 em 1999, pelas eliminatórias da Eurocopa.

– A proprietária de um restaurante em Málaga, na Espanha, acusa torcedores do Porto de terem feito um arrastão em seu estabelecimento, por ocasião da presença do time na cidade, para disputar as oitavas de final da Liga dos Campeões.

– Se vencer o Penafiel fora de casa, na próxima rodada (dia 30), o Belenenses garante matematicamente seu retorno à primeira divisão portuguesa.

– Os sócios do Sporting escolhem neste sábado (23) o novo presidente do clube. Carlos Severino, Bruno de Carvalho e José Couceiro concorrem ao cargo.

– A Liga Portuguesa de Futebol confirmou a presença do Porto na semifinal da Taça da Liga. O time corria o risco de ser excluído da competição por ter, supostamente, utilizado irregularmente jogadores de sua equipe B. Assim, o Porto disputa uma vaga na final no dia 3 de abril, contra o Rio Ave. Quem vencer enfrentará o Braga na decisão.

– O atacante holandês Ricky van Wolfswinkel foi negociado com o Norwich, da Inglaterra, e deixará o Sporting ao final da temporada. O negócio está estimado em € 12 milhões (cerca de R$ 30,8 milhões).

– Levantamento do Wall Street Journal, baseado nos jogos finais da última Eurocopa, mostra que 86,4% dos jogadores portugueses cantam o hino do país antes dos jogos pela seleção. Polônia, Grécia, Inglaterra e Itália, com 100%, lideram o ranking. A Rússia, com 63,6%, é a última no quesito.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo