Portugal

Porto faz boa temporada em campo, mas fora dele tem adversário duro: suas finanças

Não se pode reclamar da temporada que o Porto vem fazendo. O time ainda está na briga pelo título do Campeonato Português (embora tenha de contar com tropeços do Benfica para chegar lá), é semifinalista da Taça da Liga e, principalmente, tem boas chances de chegar às quartas de final da Liga dos Campeões (empatou por 1 a 1 com o Basel, fora de casa, na partida de ida das oitavas).

LEIA TAMBÉM: Tello fez três no Sporting, mas foi o passe de calcanhar de Martínez que valeu o ingresso

O técnico espanhol Julen Lopetegui conseguiu contornar as dificuldades iniciais que encontrou e a equipe vem mostrando um futebol agradável. O favoritismo no campeonato nacional é dos encarnados (pela vantagem adquirida até agora), mas não é impossível imaginar os dragões levantando a taça. Assim como é bem plausível passar pelo Marítimo na semifinal e, depois, pelo próprio Benfica na final da Taça da Liga. E na Champions, eventuais sorteios favoráveis podem fazer o time ir mais longe do que se imaginava – desde que se confirme a classificação perante os suíços, é claro.

Porém, nem tudo é alegria no Estádio do Dragão. Aquele que já foi considerado um modelo de gestão financeira e um exemplo de como fazer bons negócios, está se aproximando de uma encruzilhada: em breve, terá de decidir entre manter um elenco forte ou desfazer-se de jogadores importantes para reforçar o caixa.

Não se trata de uma mera questão estratégica ou mercadológica. O problema, para o Porto, é que as contas não estão fechando e, ao que tudo indica, somente a venda de atletas poderá fazer as contas ficarem no azul novamente.

A realidade é tão clara que o próprio clube a descreveu em seu último relatório de contas. No documento, o Porto diz que será necessário “efetuar um valor considerável em transferências” ao final da temporada. A agremiação fechou o ano passado com passivo total de € 278,5 milhões, valor € 45 milhões maior do que o apresentado no final do primeiro semestre de 2014.

São vários os motivos que levam a conta a não fechar, mas um deles fica bem claro quando se faz a análise do relatório dos três grandes clubes de Portugal: os portistas são os que mais gastam com salários. Somando rendimentos e premiações, são € 28 milhões no ano, ante € 23,7 milhões do Benfica e apenas € 10,1 milhões do Sporting.

No próprio documento, o Porto afirma que o aumento dos custos com pessoal deveu-se, principalmente “ao forte investimento efetuado no plantel, que levou a um acréscimo significativo dos encargos salariais.” O clube ainda ressalta que “a análise engloba também os prêmios pagos aos atletas, associados à excelente performance nas competições europeias.”

Mas não é só isso. Os dragões são quem mais investem, também, na remuneração de dirigentes. Somente na segunda metade de 2014, os ocupantes de altos cargos ganharam € 1 milhão do clube. Na mesma comparação, o Benfica gastou € 222 mil e o Sporting, € 87 mil.

Nunca é demais lembrar, também, que Portugal vive um momento econômico bastante delicado, o que aumenta ainda mais o drama financeiro portista. Numa economia frágil, nem sempre há garantias de se levantar dinheiro — fica mais difícil emplacar produtos no mercado interno português, por exemplo.

Apesar de complicada, a situação do Porto está longe de ser desesperadora. Os cofres certamente serão engordados com a venda de jogadores. O brasileiro Danilo, por exemplo, é alvo de interesse de vários gigantes europeus e não deve sair por menos de € 30 milhões, o que já representaria lucro de € 12,2 milhões (embora sua cláusula rescisória seja de € 50 milhões). E há ainda a possibilidade de premiações por bons desempenhos dentro de campo, especialmente com classificações na Liga dos Campeões.

Mas o futuro preocupa. Embora o Porto seja um expert em comprar barato para vender caro, especialmente quando se trata de jogadores sul-americanos, a fórmula não pode ser a única maneira de controle orçamentário. A falta de um equilíbrio financeiro agora pode trazer consequências sérias no futuro. E aí, quem pagará o preço – não com dinheiro, mas com o coração sofrido – será o torcedor.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo