ColunasPortugal

Guia do Campeonato Português – 1ª parte

O Portuguesão 2015/06 está começando e, com ele, chega o tradicional guia do campeonato. Nesta primeira parte, você confere as informações sobre o atual bicampeão Benfica – que vive crise antes mesmo de a bola rolar – e os desafios propostos a seu novo técnico, Rui Vitória. Também abordamos o Braga, melhor equipe fora os grandes no campeonato passado, mas que sofre com um desmanche no ataque. Os tradicionais Belenenses e Boavista, assim como Acadêmica, Arouca, Estoril e Moreirense, também estão nesta primeira parte do guia.

VEJA TAMBÉM: Ai Jesus: técnico do Sporting (e ex-Benfica) é o maior personagem da Supertaça de Portugal

ACADÊMICA

Técnico: José Viterbo

Temporada passada: 15º lugar

Destaque: Gonçalo Paciência (A)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: Leandro Silva (M)

Objetivo: escapar do rebaixamento

Principais chegadas: Gonçalo Paciência (A, Porto), Leandro Silva (M, Porto B), Emídio Rafael (D, Estoril), Selim Bouadla (M, Debrecen-HUN)

Principais saídas: Diallo (A, Marítimo), Magique (A, Sanliurfaspor-HUN), Aníbal Capela (D, Rio Ave), Ricardo Esgaio (D, Sporting)

José Viterbo é um técnico que chama a atenção por seu estilo amigão, pelo vasto bigode e, desde a temporada passada, por ter salvado a Acadêmica do rebaixamento. O objetivo para o campeonato atual é o mesmo, mas o próprio treinador e os torcedores esperam que a permanência na primeira divisão ocorra sem grandes sustos. Afinal, a Briosa vem flertando com o perigo há algum tempo: nas últimas 13 temporadas, foram apenas duas as vezes em que o time não correu riscos. Para passar ilesa desta vez e acabar com a síndrome dos empates que marcou a temporada passada, a aposta está no atacante Gonçalo Paciência, de 21 anos. Com passagens pelas seleções de base de Portugal, ele chega por empréstimo do Porto.

AROUCA

Técnico: Lito Vidigal

Temporada passada: 16º lugar

Destaque: Nildo Petrolina (M)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: Nuno Coelho (M)

Objetivo: escapar do rebaixamento

Principais chegadas: Adilson Goiano (M, Bragantino), Borja López (D, Mônaco), Lucas Lima (D, ABC), Maurides (A, Internacional)

Principais saídas: André Claro (A, Vitória de Setúbal), Rui Sampaio (M, Red Star 93-FRA),          Mauro Goichoechea (G, Toulouse-FRA), Kayembe (A, Rio Ave)

O tranquilo Lito Vidigal entrou em rota de colisão com a direção do Belenenses e deixou o clube na reta final da temporada passada, em meio à ótima campanha que culminou na classificação à Liga Europa. Melhor para o Arouca, que contratou o treinador e confia nele para fazer campanha melhor do que no último campeonato. Em 2014/15, a equipe só não caiu porque seus adversários diretos foram ainda mais incompetentes. O pacato Lito conta com um elenco sem grandes estrelas, em que a esperança maior recai sobre o brasileiro Nildo Petrolina, de 29 anos de idade. Meio-campista de origem, ele é capaz de jogar em qualquer posição – defensiva ou ofensiva – pelo lado esquerdo e funciona como um coringa. Depois de perder a maior parte da temporada passada por causa de uma contusão, Petrolina está recuperado e promete ajudar o time a ter dias mais tranquilos.

BELENENSES

Técnico: Ricardo Sá Pinto

Temporada passada: 6º lugar

Destaque: Carlos Martins (M)

Copas europeias: Liga Europa (3ª pré-eliminatória)

Fique de olho: Betinho (A)

Objetivo: competições europeias

Principais chegadas: João Vilela (M, Gil Vicente), Betinho (A, Sporting B), Gonçalo Silva (D, Braga), Traquina (A, Sporting Covilhã), Ruben Pinto (M, Benfica B)

Principais saídas: Deyverson (A, Levante), Nelson (D, Alcorcon), Matt Jones (G, Tondela), André Teixeira (D, Mafra), Pelé (M, Paços de Ferreira), Rui Fonte (A, Braga)

Um dos mais tradicionais e queridos clubes de Portugal, o Belenenses abriu a temporada antes mesmo do início do campeonato nacional. E começou bem, passando pelo Göteborg, da Suécia, na terceira pré-eliminatória da Liga Europa. Chegar à fase de grupos da competição é um dos objetivos do clube do Restelo. O outro é ficar mais uma vez entre os primeiros colocados no campeonato nacional e se garantir nas competições europeias da próxima temporada. Para tanto, a direção apostou num elenco 100% formado por jogadores portugueses, o que é raro no futebol lusitano. No comando, está Ricardo Sá Pinto, ex-Sporting, que deixou o futebol grego para retornar ao seu país após quase três anos. Uma de suas missões será encontrar um substituto para o artilheiro Deyverson, que se transferiu para o Levante, da Espanha.

BENFICA

Técnico: Rui Vitória

Temporada passada: campeão

Destaque: Jonas (A)

Copas europeias: Liga dos Campeões (fase de grupos)

Fique de olho: Raúl Jimenez (A)

Objetivo: título

Principais chegadas: Raúl Jimenez (A, Atlético de Madrid), Mitroglou (A, Fulham), Ederson (G, Rio Ave), Adel Taarabt (A, Queens Park Rangers), Nelson Oliveira (A, Swansea)

Principais saídas: Lima (A, Al-Ahli-EAU), Artur Moraes (G, Osmanlispor – TUR), Maxi Pereira (D, Porto), Ruben Amorim (M, Al Wakrah-CAT)

As confusões que interromperam a festa pelo 34º título pareceram uma espécie de aviso de que dias ruins estariam no horizonte do Benfica. Desde então, não foram poucos os baques sofridos pelo clube. O primeiro deles foi a inesperada saída do técnico Jorge Jesus, que após seis temporadas entre os encarnados aceitou se transferir para o grande rival Sporting. O lateral-direito Maxi Pereira fez algo parecido e rumou para o Porto. E a nova temporada ainda começou com a derrota na Supertaça justamente para o Sporting, depois de uma sucessão de resultados negativos em amistosos. A vida do técnico Rui Vitória não será fácil e seu trabalho já começa sob enorme pressão. A tentativa de chegar ao tricampeonato e de fazer boa campanha na Liga dos Campeões (até para apagar o vexame da última participação) passa por apaziguar os ânimos na Luz e pela capacidade do artilheiro Jonas, que precisará superar a ausência do seu companheiro Lima, que foi para os Emirados Árabes Unidos. O Benfica segue como forte candidato ao título, mas precisa colocar a casa em ordem urgentemente.

BOAVISTA

Técnico: Petit

Temporada passada: 13º lugar

Destaque: Zé Manuel (A)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: Gideão (G)

Objetivo: escapar do rebaixamento

Principais chegadas: Nuno Henrique (D, Feirense), Paulo Vinícius (D, Operário-MT), Gideão (G, Moreirense), Tiago Mesquita (D, Freamunde), Luisinho (A, Acadêmico Viseu)

Principais saídas: Lucas Rocha (D, Atlético CP), João Dias (D, Santa Clara), Bobô (A, São Martinho), Luís Pimenta (D, Gondomar)

Se consolidar na elite do futebol português é o principal objetivo do charmoso Boavista, que finalmente pôde se preparar com tranquilidade para uma temporada. A equipe, que na temporada passada havia subido diretamente da terceira para a primeira divisão após um longo processo judicial, agora quer ter “vida normal” e se manter na Primeira Liga antes de pensar em passos maiores. Com muitas contratações, mas todas envolvendo jogadores medianos, a maior novidade fica por conta da substituição do gramado do Bessa, que deixa de ser sintético e passa a ter grama natural. A troca foi exigida pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, que aboliu os gramados sintéticos de competições oficiais no país. Ainda assim, o técnico Petit, que vai para seu quarto ano no comando da equipe, aposta no fator casa como trunfo para surpreender os grandes clubes e fazer campanha sólida.

BRAGA

Técnico: Paulo Fonseca

Temporada passada: 4º lugar

Destaque: Rafa (M)

Copas europeias: Liga Europa (fase de grupos)

Fique de olho: Stojiljkovic (A)

Objetivo: competições europeias

Principais chegadas: Alef (M, Ponte Preta), Rodrigo Pinho (A, Madureira), Rui Fonte (A, Benfica B), Stojiljkovic (A, Cukaricki-SER), Crislan (A, Penapolense)

Principais saídas: Éder (A, Swansea), Zé Luís (A, Spartak Moscou), Felipe Pardo (A, Olympiacos-GRE), Ruben Micael (M, SJZ Ever Bright-CHI), Vincent Sasso (D, Sheffield Wednesday-ING)

Melhor time do campeonato passado fora os três grandes, vice-campeão da Taça de Portugal e garantido na fase de grupos da Liga Europa. O Braga não precisa de uma reformulação, certo? Errado. O clube sofreu um desmanche, com a saída de quase todos os jogadores que atuavam do meio para a frente, entre eles o artilheiro e ídolo Éder. O único que sobrou foi o jovem Rafa, de 22 anos, sobre quem recai agora a responsabilidade de liderar a equipe a uma nova boa campanha. O comandante também foi trocado. Depois de brigar com o presidente, Sérgio Conceição pediu o boné e abriu espaço para Paulo Fonseca, ex-Porto e Paços de Ferreira. É uma boa oportunidade também para o técnico se recolocar entre os nomes conceituados, já que sua avaliação despencou quando fez um mau trabalho nos dragões. A missão de Fonseca é remontar o time utilizando os muitos contratados, boa parte deles oriunda de equipes do interior do Brasil.

ESTORIL

Técnico: Fabiano Soares

Temporada passada: 12º lugar

Destaque: Bruno Miguel (D)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: Bruno César (M)

Objetivo: escapar do rebaixamento

Principais chegadas: Leandro Chaparro (A, Beira-Mar), Bruno César (M, Al Ahli-ARA), Matheuzinho (D, Grêmio Osasco)

Principais saídas: Filipe Gonçalves (M, Moreirense), Emídio Rafael (D, Acadêmica), Ruben Fernandes (D, St. Truiden-BEL), Fernandinho (A, CQ Lifan-CHI), Tozé (M, Vitória de Guimarães)

A empresa brasileira Traffic, que detém a maior parte das ações do Estoril, tentou vender a Sociedade Anônima Desportiva (SAD) do clube ao final da temporada passada. Mas o negócio não vingou e dois eventuais compradores pularam para trás. Com isso, a formação do elenco e o início dos trabalhos ficaram atrasados. O técnico Fabiano Soares (o mesmo que terminou o último campeonato) foi confirmado no cargo em cima da hora. A correria para deixar tudo pronto pode se refletir no desempenho do time, que inicia o campeonato pensando em brigar para não cair. Na leva de contratações feitas para montar o elenco às pressas, o Estoril acabou acertando com Bruno César (aquele!), talvez num prenúncio de que o torcedor terá um ano bem complicado pela frente.

MARÍTIMO

Técnico: Ivo Vieira

Temporada passada: 9º lugar

Destaque: Marega (A)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: Deyvison (D)

Objetivo: competições europeias

Principais chegadas: Ghazaryan (A, AOK Kerkyra-GRE), Dirceu (D, Londrina), Ulysse Dialo (A, Acadêmica), Tiago Rodrigues (M, Porto B), Deyvison (D, Tondela)

Principais saídas: Danilo Pereira (M, Porto), Patrick Bauer (D, Charlton-ING), Bruno Gallo (M, Vasco da Gama), Luís Olim (D, aposentou)

Dar voos maiores está no planejamento do Marítimo para esta temporada. Na prática, isso significa ficar na zona de classificação para as competições europeias, algo que não acontece desde 2001/12. Coincidência ou não, foi aquele o último campeonato em que a equipe terminou à frente do Nacional, seu rival na Ilha da Madeira. A rivalidade local conta agora também com o reforço do recém-promovido União e ser o melhor da região é outra motivação para o clube. O jovem técnico Ivo Vieira, de 39 anos de idade, sabe bem como isso é importante, pois teve sua carreira quase toda ligada ao Nacional e, nos últimos quatro anos, “virou a casaca” e passou a defender as cores do Marítimo. Em campo, sua principal esperança é o atacante Marega, que chegou no primeiro semestre, mostrou qualidades e fez gols importantes.

MOREIRENSE

Técnico: Miguel Leal

Temporada passada: 11º lugar

Destaque: Danielson (D)

Copas europeias: nenhuma

Fique de olho: João Palhinha (M)

Objetivo: escapar do rebaixamento

Principais chegadas: André Fontes (M, Penafiel), Evaldo (D, Gil Vicente), Victor Braga (G, União Leiria), Emmanuel Boateng (A, Rio Ave), João Palhinha (M, Sporting)

Principais saídas: André Simões (A, AEK-GRE), Leandro Souza (A, Famalicão), Marafona (G, Paços de Ferreira), Diogo Cunha (M, Chaves), Arsenio (A, Litex Lovetch-BUL), Gideão (G, Boavista)

O técnico Miguel Leal terá muito trabalho à frente do Moreirense em 2015/16. Nem tanto por dirigir um time pequeno, que entra no campeonato pensando somente em não ser rebaixado. Mas porque precisou fazer uma verdadeira reformulação no elenco, já que perdeu nove jogadores titulares da temporada passada. A turma que foi embora ajudou a fazer do Moreirense uma das surpresas da competição, alcançando o 11º lugar e não correndo qualquer risco de queda. Entre os que saíram, está o artilheiro André Simões, negociado com o AEK, da Grécia. O alento para Miguel Leal é que ele conta, pelo menos, com seu fiel escudeiro: o zagueiro brasileiro Danielson, de 34 anos de idade, único jogador de linha do Campeonato Português que atuou em todas as 34 partidas na temporada passada. Vale a pena também ficar de olho no meia João Palhinha, tido como grande revelação das categorias de base do Sporting e que foi emprestado pelos leões para ganhar experiência.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo