Portugal

Força do interior: brasileiro faz 5 gols e Sporting genérico está perto da 1ª divisão

Faltando três rodadas para o término do campeonato, a segunda divisão do futebol português está empolgante. Seis times ainda têm chances matemáticas de alcançar o acesso e no meio deles há as equipes B dos clubes da primeira divisão, que estão impedidas pelo regulamento de subir, mas brigam normalmente pela ponta da tabela.

NA ELITE: Briga infantil dá a medida da diferença entre técnicos de Porto e Benfica

A primeira das duas vagas já está praticamente assegurada ao Tondela, que lidera o certame e depende de apenas mais uma vitória para carimbar sua passagem à elite. Isso poderia ter acontecido já na rodada anterior, mas a inesperada derrota em casa por 3 a 0 para o Desportivo Aves adiou o sonho. É bem possível que ele se concretize neste domingo (10), em Olhão, no jogo contra o Olhanense.

E foi também na rodada passada que uma goleada ganhou as manchetes e fez seu protagonista, que há tempos flertava com o G2, finalmente chegar à segunda colocação, no grupo dos que sobem à divisão principal. Trata-se do Sporting da Covilhã, que aplicou 7 a 1 sobre o Oriental e chegou aos 74 pontos. São cinco a menos que o líder Tondela e um à frente do Chaves, que está em terceiro lugar.

O clube chamado de Leões da Serra tem 91 anos de existência e 15 participações na primeira divisão de Portugal. Mas a última delas aconteceu há longínquos 27 anos, quando o time amargou o último lugar na temporada 1987/88 e foi rebaixado. O que explica, ao menos em parte, tanta empolgação com a campanha atual.

Os 7 a 1 sobre o Oriental geraram uma expectativa enorme na torcida serrana. E tiveram como grande personagem o atacante brasileiro Erivelto, autor de cinco gols. Aos 26 anos de idade, ele está em sua primeira temporada fora do país e já marcou 21 vezes na Segunda Liga, apenas duas a menos que Tozé Marreco, do Tondela, o artilheiro do campeonato.

Os gols anotados por Erivelto na goleada o tiraram da condição de ilustre desconhecido do futebol português. Ao longo da semana, ele concedeu entrevistas aos principais veículos de comunicação do país e revelou seus três sonhos: subir com o Sporting da Covilhã, ser o artilheiro do campeonato e defender o Sporting de Lisboa. Nada mal para quem, no Brasil, fez carreira com clubes médios e pequenos, como Guarani, Mixto, Palmeiras B, Batatais, Guaratinguetá e Madureira.

A atuação histórica de Erivelto pode ser vista no vídeo abaixo. Repare na empolgação do narrador, que chega a cantar um trecho da marchinha “Cidade Maravilhosa” para exaltar o feito do brasileiro.

Fazer cinco gols numa mesma partida deu ao brasileiro uma projeção que ele jamais havia experimentado em sua carreira. Mas o atacante já vinha sendo observado com olhos mais atentos por quem acompanha o futebol português. Suas exibições saltaram aos olhos algumas vezes, como quando marcou de trás da linha do meio-campo contra o Braga B ou quando balançou as redes do Benfica, na derrota por 3 a 2, pela Taça de Portugal.

Quem também colabora muito para o sucesso do time de Covilhã é o goleiro Taborda, de 36 anos de idade, e experiente quando o assunto é subir de divisão. Pegador de pênaltis, ele defendeu sete das nove penalidades assinaladas contra a equipe ao longo do campeonato.

Se as quase três décadas longe da primeira divisão ajudam a explicar a empolgação com a possibilidade do retorno do Covilhã à elite, uma importante questão social não pode ser deixada de lado. Assim como o Tondela e o Chaves, o Sporting é um clube do interior de Portugal, que raramente tem representantes na primeira divisão.

A distribuição geográfica dos times da elite do futebol lusitano representam, de certa forma, a distribuição de renda e o desenvolvimento do país. Os clubes que disputam a Primeira Liga atualmente são da capital ou do litoral (estão, no máximo a 60 quilômetros de distância do mar). Mesmo o pequenino Arouca, que tenta fugir um pouco desse padrão, está geograficamente localizado na Área Metropolitana do Porto.

Covilhã é um município de apenas 36 mil habitantes, que está próximo à fronteira com a Espanha. Em 1923, seus moradores resolveram fundar um time e, como muitos eram simpatizantes do Sporting, batizaram a nova agremiação com o mesmo nome do clube da capital. Oficialmente, o Sporting da Covilhã é a oitava filial do Sporting de Lisboa – o que, na prática, não significa nenhum vínculo institucional mais estreito entre ambos.

Em Portugal, o interior costuma ter a cara do que chamamos de “interiorzão” no Brasil. São cidades acanhadas, com população pequena e vida pacata. Boa parte delas sobrevive de atividades rurais. Ter um (ou, melhor ainda, dois) times que representem esse povo na primeira divisão é algo quase sem precedentes e que vai fazer a próxima temporada do Campeonato Português ser bem mais divertida e charmosa.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo