Portugal

Eusébio perdeu uma grande chance de ficar calado

“É um erro. Não há comparação. Eu joguei 60 jogos e marquei aqueles gols. Só agora, depois de tantos anos, outro vai marcando. Agora é mais fácil jogar com as outras equipas. Eu nunca joguei com Liechtenstein, nunca joguei com o Azerbaijão. É triste. Fico triste, porque não se pode fazer essa comparação.”

A frase é de Eusébio, alguém que dispensa apresentações, e foi dita após os três gols de Cristiano Ronaldo frente à Irlanda do Norte, que levou o atacante do Real Madrid à marca de 43 gols pela seleção portuguesa, dois a mais que o Pantera Negra. Assim, Ronaldo tornou-se o segundo maior artilheiro da seleção, perdendo apenas para Pauleta, que fez 47.

A declaração de Eusébio repercutiu em Portugal e no mundo. Houve até quem quisesse começar uma discussão sobre quem foi melhor: o artilheiro da Copa do Mundo de 1966 ou o melhor jogador do mundo em 2008? Bobagem. O Pantera Negra é uma lenda viva do futebol lusitano, dono de feitos impressionantes. E Cristiano Ronaldo, embora já vencedor, ainda pode conquistar muito mais, tanto em termos coletivos como pessoais. Mas já que Eusébio levantou a questão, vale a pena olhar os números antes de voltarmos à análise sobre sua declaração desnecessária.

Olhando os números

De fato, ao observarmos a carreira de ambos à fria luz das estatísticas (e considerando somente o desempenho pela seleção), o ex-jogador tem certa razão. Eusébio atuou em 64 partidas e marcou 41 gols, média de 0,64 por jogo. Cristiano Ronaldo, por sua vez, entrou em campo 106 vezes e balançou as redes em 43 oportunidades, o que dá média de 0,41 gol por partida.

O Pantera Negra não se engana quando diz que, em sua época, enfrentava adversários mais difíceis. Quase um quarto dos gols que ele anotou foi contra seleções poderosas do futebol mundial: Brasil, Espanha, França e Inglaterra (duas vezes cada), além de Argentina e Itália (uma vez). Claro que, como os tempos eram outros, gols diante de Checoslováquia e União Soviética (vítimas uma vez cada de Eusébio) também merecem lembrança.

Quem mais sofreu nos pés do antigo craque foram Coreia do Norte, Noruega e Turquia. Eusébio marcou quatro gols contra cada uma dessas seleções. Diante da Coreia, inclusive, todos eles saíram na mesma partida, durante a Copa do Mundo de 1966 (feito que o ajudou a se tornar o artilheiro do Mundial, com nove tentos).

Já Cristiano Ronaldo tem na Holanda sua vítima preferida: ele marcou quatro vezes diante da Laranja Mecânica. Mas, entre as seleções do primeiro escalão do futebol mundial, foi apenas a Argentina (uma vez) quem também teve suas redes balançadas pelo craque. Na lista dos 43 gols, aparecem tentos contra Irã, Letônia e Panamá.

Aqui vale, também, a lembrança histórica de que o mundo de hoje é muito diferente daquele de 40 anos atrás. Alguns países contra os quais Cristiano Ronaldo marcou gols nem sequer existiam na época de Eusébio. E o jogador contemporâneo não tem culpa disso – e nem dos sorteios de eliminatórias, que fatalmente colocam seleções de nações nanicas como adversárias.

A análise sobre os números pode ser infinita e enfadonha. Mas algumas estatísticas mais valem ser ressaltadas. Por exemplo: Eusébio nunca ficou mais do que quatro jogos sem marcar gol pela seleção portuguesa. Com ele em campo, o time obteve 33 vitórias, 12 empates e 19 derrotas, aproveitamento de 57,8%.

Já Ronaldo chegou a amargar um jejum de 11 jogos sem balançar as redes. Porém, o aproveitamento da seleção quando ele joga é maior: 65,4% — 60 vitórias, 28 empates e 18 derrotas.

Faltou elegância

Mas deixemos de lado a frieza dos números. Pouco importa quem foi o melhor, se é que possível fazer a comparação entre jogadores de épocas tão distantes. O fato é que Eusébio perdeu uma grande chance de ficar calado. Se é verdade que Cristiano Ronaldo tem mais facilidades para fazer gols hoje em dia, também é verdade que as marcas deixadas pelo Pantera Negra são eternas, independente de recordes. Não à toa, ele é constantemente colocado – por portugueses e estrangeiros – na galeria dos maiores jogadores do mundo em seu tempo.

Eusébio não precisava ter dito o que disse. Não publicamente, pelo menos. Esse é o tipo de coisa que gente da grandeza dele só confessa para os mais íntimos. Seria muito mais elegante e inteligente cumprimentar Cristiano Ronaldo pelo feito e deixar que a opinião pública tocasse no tema “antigamente era mais difícil”.

Vale lembrar que a situação não é inédita. Quando Pauleta ultrapassou a marca dos 41 gols pela seleção, em 2005, o Pantera Negra fez discurso parecido. Por sua vez, Cristiano Ronaldo não se envolveu na polêmica. Disse que bater recordes não é o seu objetivo principal, mas que sabia que isso “aconteceria cedo ou tarde”, até por causa do grande número de jogos e que estava orgulhoso do feito.

Eusébio é um dos gigantes do futebol mundial. Mas é muito chato ele próprio ficar lembrando isso a todo mundo.

Os gols de Eusébio

Eis os adversários contra os quais Eusébio marcou pela seleção portuguesa: 4 gols – Coreia do Norte, Noruega e Turquia; 2 gols – Bélgica, Brasil, Bulgária, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Inglaterra e Romênia; 1 gol – Argentina, Checoslováquia, Chile, Equador, Escócia, Irã, Irlanda do Norte, Itália, Luxemburgo, Suíça e União Soviética.

Os gols de Cristiano Ronaldo

Eis os adversários contra os quais Cristiano Ronaldo marcou pela seleção portuguesa: 4 gols – Holanda; 3 gols – Irlanda do Norte e Luxemburgo; 2 gols – Arábia Saudita, Azerbaijão, Bélgica, Bósnia, Cazaquistão, Chipre, Dinamarca, Estônia, República Checa e Rússia; 1 gol – Argentina, Armênia, Coreia do Norte, Croácia, Equador, Eslováquia, Finlândia, Grécia, Irã, Islândia, Letônia, Panamá e Polônia.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo