ColunasPortugal

Dominado por estrangeiros, Campeonato Português sofre para ter goleador nativo

Bruno Moreira é um típico exemplo de jogador mediano, desses que compõem a massacrante maioria dos atletas de futebol. Não é craque, nunca foi o grande ídolo de uma torcida. Também não é perna de pau. Nos clubes pelos quais passou, raramente pode-se encontrar um torcedor que suspire ao lembrar-se dele. Aos 27 anos, Bruno vive um momento crucial em sua carreira. Com idade relativamente avançada para ser negociado com uma grande equipe, ele está naquela fase de “ou estoura agora ou dificilmente algo melhor acontecerá no futuro”.

LEIA TAMBÉM: Portugal ainda sofre, mas novo técnico começa a mostrar serviço

Até por isso, o atacante vem tendo atuações melhores em 2014/15 do que aquelas que apresentava até então. Vestindo a camisa do Paços de Ferreira (seu sétimo clube na carreira), está chamando a atenção pelo poder de finalização e, consequentemente, pelos gols. Com ele em campo, a equipe não perdeu nenhuma partida nesta temporada: foram cinco vitórias e três empates no campeonato nacional e um triunfo na Taça de Portugal.

Passadas dez rodadas da Liga Portuguesa, Bruno Moreira é o principal artilheiro português do campeonato. Com seis gols marcados, ele está na quinta posição na lista dos goleadores, ao lado do egípcio Ahmed Hassan, do Rio Ave. O brasileiro Anderson Talisca, do Benfica, lidera a artilharia, com oito gols. Logo depois, aparecem o nigerense Moussa Maazou (do Marítimo), o colombiano Jackson Martínez (do Porto) e o brasileiro Deyverson (do Belenenses), todos com sete gols.

É claro que há mérito de Bruno nos números alcançados até agora. Mas chama a atenção o fato de um jogador apenas regular, do time que está em sexto lugar no campeonato, ser o principal goleador português do campeonato.

A explicação para isso vem dos números. O site Mais Futebol fez o levantamento, jogo a jogo, de todos os jogadores que entraram em campo no campeonato nacional nas 10 rodadas disputadas até aqui e chegou a um resultado assustador. Dos 400 atletas utilizados, apenas 179 são portugueses. Ou seja, mais da metade (55,2%) dos escalados são estrangeiros.

De certa forma, a lista de artilheiros reflete a proporcionalidade das nacionalidades de jogadores que atuam na Liga Portuguesa. Terra do goleador Talisca, o Brasil é o país que mais exporta jogadores para Portugal. Nesta temporada, 90 brasileiros já pisaram nos gramados para um jogo oficial, o que corresponde a quase um quarto do total de atletas (22,5%) – dos 18 times da primeira divisão, o Penafiel é o único que não tem nenhum brasileiro sequer em seu elenco.

VEJA TAMBÉM: Federação Portuguesa promete construir a Cidade do Futebol, e sem dinheiro público

Ao todo, estão inscritos no campeonato jogadores de 45 países, além dos próprios portugueses. É por isso que, entre os 14 atletas que já fizeram pelo menos quatro gols no campeonato, apenas Éder (Braga) e Miguel Rosa (Belenenses) – ambos com quatro – fazem companhia ao atacante do Paços de Ferreira na lista de nativos.

Aliás, é preciso recuar oito anos no tempo para encontrarmos a última temporada em que um português foi o principal artilheiro do campeonato – ou, no caso, um brasileiro naturalizado lusitano. Em 2006/07, a honraria coube a Liedson, autor de 15 gols com a camisa do Sporting.

De lá para cá, as melhores posições de portugueses na tabela de artilheiros foram o segundo lugar dele próprio (17 gols pelo Sporting em 2008/09) e de João Tomás (16 gols pelo Rio Ave em 2010/11). Na temporada passada, que teve Jackson Martínez liderando a lista (com a camisa do Porto, balançou as redes 20 vezes), o melhor lusitano apareceu em sétimo lugar: Bebê, do Paços de Ferreira, com 11 gols.

Bruno Moreira, o artilheiro do momento, não tem nada a ver com isso. Depois de passagens sofríveis por Nacional, CSKA Sofia (Bulgária) e Desportivo Chaves, ele próprio reconhece que a contratação pelo Paços de Ferreira foi “a segunda chance de se impor de vez no futebol português.” Por enquanto, ele vem aproveitando muito bom a nova oportunidade.

Mas, mesmo num mundo tão globalizado, Portugal deveria olhar com mais atenção para o excessivo número de estrangeiros em seu futebol.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.