Portugal

Briga infantil dá a medida da diferença entre técnicos de Porto e Benfica

O placar de 0 a 0 no clássico entre Benfica e Porto, na rodada passada, praticamente garantiu o título português aos encarnados. O time só não levantará o troféu se tropeçar pelo menos duas vezes nas quatro rodadas que restam e os dragões vencerem todos os seus jogos.

LEIA MAIS: Portugal vai parar no domingo para ver a “final” entre Benfica e Porto

Mas a cena que mais chamou a atenção no jogo morno disputado no estádio da Luz aconteceu depois que a bola parou de rolar. Assim que o árbitro apitou o final do duelo, o que parecia ser um cumprimento amistoso entre os técnicos Jorge Jesus, do Benfica, e Julen Lopetegui, do Porto, transformou-se numa áspera discussão, que quase chegou às vias de fato.

Isso porque o espanhol, que está em sua primeira temporada no comando dos dragões, não gostou de ver o colega errando seu nome em duas entrevistas coletivas, nas quais o chamou de “Lotopegui” – não se sabe se de propósito ou não.

Depois de um aperto de mãos e de um abraço, Lopetegui passou a falar no ouvido de Jesus, que a princípio não conseguiu entender o que era dito. As imagens mostram claramente o treinador do Benfica soltando um “hã?”, típico de quem pede para o interlocutor repetir o que falara. Instantes depois, é possível fazer a leitura labial de Jesus dizendo “desculpa lá, ó pá”.

Mas, a essa altura, o que era uma conversa já havia virado briga. A transformação na feição de Jorge Jesus (as imagens não mostram claramente o rosto do técnico do Porto) indicam a irritação e eles ameaçam partir um para cima do outro. Foram contidos pela turma do deixa disso, mas continuaram se ofendendo.

Informações posteriores divulgadas pela imprensa portuguesa deram conta de que Lopetegui ameaçou o colega ao pé do ouvido. Ele teria dito que bateria em Jesus se ele errasse seu nome novamente. “Te voy a dar um puñetazo”, teria sido a frase literal, em espanhol. O treinador do Porto se recusou a falar sobre o assunto na entrevista coletiva, enquanto o do Benfica minimizou o fato.

A cena lamentável depois de um jogo tão importante para ambos os times talvez revele exatamente a diferença de personalidades entre os técnicos do Porto e do Benfica. Lopetegui está sob pressão de não conseguir nenhum título sequer em seu primeiro ano no clube. Ele passou boa parte da temporada criticado por seus métodos de trabalho. Seus méritos acabaram sendo reconhecidos na reta final, mas a goleada de 6 a 1 sofrida para o Bayern Munique reacendeu os críticos.

Tal pressão, porém, não justifica a atitude infantil do treinador, que deveria estar acostumado a esse tipo de situação – ainda mais trabalhando num clube do tamanho do Porto. Depois do que fez, Lopetegui só viu a pressão aumentar. Os holofotes passaram a ficar totalmente voltados para ele que, claro, não escapou de ser alvo de piadas. Uma sátira musical publicada no Youtube já foi vista mais de 120 mil vezes e ganhou manchetes em todos os principais veículos de comunicação de Portugal (https://www.youtube.com/watch?v=ojdeWHC9HwU).

Claro que, com o perdão do trocadilho, Jesus não é santo. É bem possível que o técnico do Benfica tenha errado o nome do adversário de propósito. Não é de se duvidar até de que ele já tivesse informações de que o colega ficaria desestabilizado emocionalmente com a situação. Mas isso faz parte do jogo. Não houve desrespeito, nem ofensas. Por gosto ou não, Jesus apenas trocou duas sílabas.

Há dois anos, quando o brasileiro Kelvin (atualmente no Palmeiras) fez o gol do título do Porto aos 45 minutos do segundo tempo do clássico contra o Benfica, a imagem de Jorge Jesus caído de joelhos no estádio do Dragão percorreu o mundo. De certa forma, ela representava o que sentiam todos os benfiquistas, tristes pela derrota cruel e histórica no apagar das luzes.

Agora, quando o Porto é quem está em vias de perder o título nacional, o espanhol vira personagem por uma questão meramente pessoal. Seu estado de nervos ao final do empate na Luz não representa o sentimento do torcedor do Porto, que certamente estava muito mais triste pela iminente perda do título (e revoltado pela forma como o time aceitou o 0 a 0) do que preocupado em saber se o técnico rival diz corretamente o nome de Lopetegui.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo