Portugal

Confira a 1ª parte do balanço do Campeonato Português

Sim, o Campeonato Português já terminou há algum tempo. Mas antes de publicar o tradicional balanço da competição, a coluna teve de abrir espaço a dois temas importantes: a dança das cadeiras dos técnicos (http://trivela.com.br/colunas/portugal/a-danca-das-cadeiras-dos-tecnicos-portugueses) e a reação da seleção portuguesa nas eliminatórias para a Copa do Mundo (http://trivela.com.br/colunas/portugal/unido-e-com-cabeca-no-lugar-portugal-respira-nas-eliminatorias). Agora, enquanto a maioria dos jogadores está em suas devidas férias e o mercado de transferências segue agitado, vamos à primeira parte do balanço da temporada. Aqui, abordamos o “trivice” do Benfica, a façanha do Estoril e os rebaixados Moreirense e Beira-Mar.

Acadêmica

Colocação: 11º com 28 pontos

Técnico: Sérgio Conceição (antes, Pedro Emanuel)

Maior vitória: 4 x 2 Vitória de Setúbal (em casa), 05/01/2013

Maior derrota: 1 x 4 Braga (em casa), 10/12/2012

Competição continental: Liga Europa (eliminado na fase de grupos)

Artilheiro: Edinho (13 gols)

Nota da temporada: 5

O objetivo de fugir do rebaixamento foi alcançado, mas a Acadêmica esteve longe de repetir o feito da temporada anterior, quando conquistou a Taça de Portugal e voltou a levantar um troféu após mais de 70 anos. Depois de um primeiro turno terrível, o time trocou de treinador, reduziu o preço dos ingressos, mas não evoluiu dentro de campo. Por sorte dos estudantes, algumas equipes conseguiram ser mais incompetentes e a queda para a segunda divisão não veio, mesmo com uma incrível sequência de nove jogos sem vitória. Ainda teve a liderança no quesito cartões vermelhos, com seis expulsões ao longo do campeonato. É muito pouco para quem tem tamanha tradição.

Beira-Mar

Colocação: 16º com 23 pontos (rebaixado)

Técnico: Costinha (antes, Ulisses Morais)

Maior vitória: 4 x 2 Nacional (fora), 04/11/2012; 4 x 2 Marítimo (em casa), 11/05/2013

Maior derrota: 0 x 4 Porto (fora), 21/09/2012

Competição continental: não disputou

Artilheiro: Rúben Ribeiro (6 gols)

Nota da temporada: 1

Parece incrível, mas o time que terminou em último lugar no Campeonato Português não foi o que mais perdeu jogos, nem esteve entre os recordistas de empates e não foi o pior ataque. Mas a irregularidade levou o Beira-Mar à segunda divisão — de forma justa, aliás. Pois não há como negar justiça no rebaixamento de um time que ganha apenas 23 dos 90 pontos que disputou, que fica 13 jogos sem alcançar uma vitória e que passa 22 de 30 rodadas na zona de rebaixamento, 15 delas na lanterna.

Benfica

Colocação: 2º com 77 pontos

Técnico: Jorge Jesus

Maior vitória: 6 x 1 Rio Ave (em casa), 30/03/2013

Maior derrota: 1 x 2 Porto (fora), 10/05/2013

Competição continental: Liga dos Campeões (eliminado na fase de grupos) e Liga Europa (vice-campeão)

Artilheiro: Lima (20 gols)

Nota da temporada: 7

Aproveitamento de 85% dos pontos, melhor ataque, apenas uma derrota e mesmo assim o time não foi campeão. Os fatos ocorridos com o Benfica na temporada recém-terminada merecem ser estudados com atenção. Mesmo com campanhas irretocáveis, a Águia não conseguiu levantar nenhum troféu sequer. Pior: para desespero de seus torcedores, foi trivice-campeã: perdeu o Campeonato Português para o Porto, a Liga Europa para o Chelsea e a Taça de Portugal para o Vitória de Guimarães. O empurrão dado por Cardozo – uma das estrelas do elenco encarnado – no técnico Jorge Jesus ao final da última decisão dá o tom de como o fator psicológico foi fundamental para a derrocada.

Braga

Colocação: 4º com 52 pontos

Técnico: José Peseiro

Maior vitória: 4 x 1 Vitória de Setúbal (em casa), 20/01/2013; 4 x 1 Acadêmica (fora), 10/12/2012; 4 x 1 Rio Ave (em casa), 23/09/2012

Maior derrota: 1 x 3 Porto (em casa), 11/05/2013; 1 x 3 Porto (fora), 07/04/2013

Competição continental: Liga dos Campeões (eliminado na fase de grupos)

Artilheiro: Éder (13 gols)

Nota da temporada: 6

Não se pode dizer que a temporada do Braga foi de todo ruim, pois um quarto lugar no campeonato nacional e a consequente vaga na Liga Europa não são de se jogar fora. Mas os minhotos sabem que poderia ser melhor. Deslizes na reta final do campeonato, quando o time perdeu quatro de sete jogos, impediram o Braga de se consolidar como a terceira força do futebol português. Pesou muito a saída do atacante Lima, que foi para o Benfica. Mas, pelo menos, o time pode se orgulhar de continuar presente no cenário europeu na próxima temporada.

Estoril

Colocação: 5º com 45 pontos

Técnico: Marco Silva

Maior vitória: 4 x 0 Nacional (em casa), 07/04/2013

Maior derrota: 0 x 3 Braga (fora), 16/12/2012

Competição continental: não disputou

Artilheiro: Steven Vitória (11 gols)

Nota da temporada: 8

Não é à toa que a recém-anunciada contratação de Steven Vitória pelo Benfica foi tratada com ares de grande reforço do time encarnado. O jogador foi um dos que fizeram história com a camisa do Estoril, o time que iniciou a temporada certo de que brigaria contra o rebaixamento e terminou com vaga na Liga Europa. Com planejamento correto, dinheiro bem investido e apoio da torcida, os canarinhos fizeram uma campanha regular e estiveram na metade de cima da tabela de classificação durante a maior parte do campeonato. Ponto para a Traffic, que depois de fiascos no Brasil, finalmente conseguiu sucesso administrando um clube.

Gil Vicente

Colocação: 13º com 25 pontos

Técnico: Paulo Alves

Maior vitória: 4 x 2 Marítimo (em casa), 03/02/2013

Maior derrota: 0 x 5 Benfica (fora), 10/03/2013; 0 x 5 Porto (fora), 27/01/2013

Competição continental: não disputou

Artilheiro: Hugo Vieira (8 gols)

Nota da temporada: 4

A salvação do Gil Vicente na temporada teve um nome: Hugo Vieira. Emprestado pelo Benfica, ele chegou ao clube na metade do campeonato e marcou oito gols em 14 jogos, tornando-se artilheiro do time e garantindo os pontos que livraram os gilistas do rebaixamento. Mesmo não caindo para a segunda divisão, a campanha foi pífia. O Gil Vicente flertou com o rebaixamento durante todo o campeonato e só não jogará a segunda divisão na próxima temporada porque, além de Hugo Vieira, contou com a incapacidade de seus concorrentes diretos.

Marítimo

Colocação: 10º com 38 pontos

Técnico: Pedro Martins

Maior vitória: 4 x 2 Vitória de Setúbal (fora), 30/03/2013

Maior derrota: 0 x 5 Porto (fora), 02/11/2012

Competição continental: Liga Europa (eliminado na fase de grupos)

Artilheiro: Sami (6 gols)

Nota da temporada: 5

Foi um ano sem grandes emoções para o torcedor do Marítimo. De um lado isso é bom, porque mostra que o time não teve problemas para fugir do rebaixamento. De outro, chega a ser um tanto decepcionante, pois o sonho de chegar mais uma vez à Liga Europa também ficou distante. O ponto positivo da campanha de altos e baixos foi o bom rendimento fora de casa: cinco das nove vitórias ocorreram no campo do adversário, inclusive uma contra o Sporting. De negativo, a indisciplina, pois o Marítimo foi o time que recebeu mais cartões amarelos no campeonato: 97 no total, média de 3,2 por jogo.

Moreirense

Colocação: 15º com 24 pontos (rebaixado)

Técnico: Augusto Inácio (antes, Jorge Casquilha)

Maior vitória: 3 x 0 Beira-Mar (em casa), 10/02/2013

Maior derrota:  0 x 5 Vitória de Setúbal (fora), 13/01/2013; 0 x 5 Paços de Ferreira (em casa), 27/01/2013

Competição continental: não disputou

Artilheiro: Nabil Ghilas (13 gols)

Nota da temporada: 2

Apesar da campanha terrível, o Moreirense chegou à última rodada do Campeonato Português fora da zona de rebaixamento. O problema é que, no jogo derradeiro, o time visitaria o Benfica, que ainda tinha um fio de esperança pelo título. Não deu outra: vitória das águias por 3 a 1 e rebaixamento do Moreirense. Mas, se por um lado a degola aconteceu com ares de crueldade, por outro ela foi justa. Afinal, a equipe passou 25 das 30 rodadas entre os três últimos colocados, foi uma das que menos venceu no campeonato (apenas cinco vezes) e dependeu demais do argelino Nabil Ghilas, autor de quase metade dos gols do time na competição.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo