A vitória da candidatura Ibérica como sede da Copa do Mundo de 2018 poderia representar para Portugal uma receita superior a € 2,1 bilhões, diz estudo divulgado neste sábado.

Realizado pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), o relatório publicado na imprensa portuguesa, estima que Portugal poderia receber € 800 milhões: 100 milhões do turismo e 700 milhões no investimento na imagem do país.

A escolha desta candidatura, formada por Espanha e Portugal, representaria o aporte ainda de € 300 milhões pela arrecadação de impostos e aumento de emprego. Cálculos indicam que a receita indireta com o evento poderia gerar € 1 bilhão.

O estudo destaca que os “lucros diretos para o país são extremamente positivos e superam muito os pequenos e eventuais investimentos”.

Os estádios da Luz e de Alvalade, em Lisboa, e o de Dragão, no Porto, compõem a oferta portuguesa e cumprem os requisitos determinados pela Fifa, já que foram construídos para realização da Eurocopa 2004 em solo luso.

Nenhum deles poderia acolher os jogos de abertura e encerramento do Mundial, já que não têm o mínimo de assentos exigidos, 80 mil, o que cumprem, no entanto, os dois estádios espanhóis, o Camp Nou em Barcelona e o Santiago Bernabéu em Madri.

A decisão sobre que países organizarão o Mundial de 2018 será anunciada em 2 de dezembro em Zurique (Suíça). (EFE)