É difícil compreender em qual medida o Palmeiras de 2019, em campo, representa de verdade o sentimento de terra arrasada que seu torcedor vende para o país. Certamente torcedores de clubes em posições mais delicadas, rivais inclusive, já se perguntaram se tamanha cólera se sustenta ou é mais uma percepção coletiva abstrata. Nos últimos quatro anos, o Palmeiras acabou 47 rodadas em primeiro lugar, 25 rodadas em segundo, 114 rodadas no G4 e oito na segunda metade da tabela. Campeão em dois anos, vice no que não ganhou e lutando por mais um vice, ruim o desempenho não é. Então o que é?

Nível de atuação em eliminações em mata-mata, desempenho ruim em clássicos estaduais, desaforo institucional com o torcedor em várias camadas, a relação desvairada de Leila Pereira com o clube e seus seguidores, o futebol feminino despejado tendo de viver em Vinhedo, a base tratada sem tato, estatuto mudado, conselheiros vitalícios maliciosos, Allianz Parque sem sala de troféus, a história do clube guardada em caixas de madeira, a associação ativa do clube com o governo do país, discursos absolutamente frágeis contra arbitragens e federações em dias de derrotas, São Marcos destratando torcedores, as falas arrogantes do inoportuno Alexandre Mattos,  o “ninguém morreu” de Felipão para minimizar a derrota para o Internacional na Copa do Brasil, o cerco ao estádio e seus ingressos impopulares e mais uma porçãozinha de temas ajudaram a despertar no torcedor, enquanto testemunhava a execução do plano flamenguista resultar em títulos, o sentimento de que está tudo ruim. E não está.

Há dinheiro para investir e quase uma dezena de jovens valores para inserir no time principal em 2020. Há uma base, pelo menos dois ídolos com longa história no clube, Libertadores para jogar e um mercado com interessantes opções. Trabalhando bem, o Palmeiras pode ter um 2020 legal de acompanhar, como não foi o Palmeiras de 2019. Deixando os temas de fora do campo no parágrafo de cima, listei abaixo nove erros do Palmeiras neste ano apenas no que toca o elenco profissional do futebol. Afinal, os temas só se misturam na derrota, e o Flamengo, que ainda não resolveu as questões envolvendo a tragédia do Ninho, é o maior exemplo disso. Um Palmeiras vencedor em campo se descolaria dos (vários!) problemas institucionais que o clube possui, mas o Palmeiras de 2019 definitivamente, apesar dos números bons, não ficará pra história como um time sequer legal.

Então aqui vão nove recortes do elenco palmeirense que ajudam a explicar esse sentimento de desamparo que o torcedor possui e é incompatível com um 3º colocado.

Moisés

Moisés, do Palmeiras, comemora

Eliminado de mais uma Copa do Brasil jogando mal, desta vez no Rio Grande do Sul contra o Internacional, o Palmeiras anunciou no dia seguinte a venda de Moisés, o camisa 10, líder e destaque do título de 2016. As horas que antecederam este anúncio foram absurdas: as redes sociais do meio-campista foram invadidas por torcedores descontentes com sua forma – e o pênalti perdido no Beira-Rio ajudou a raiva virtual. Talvez o comportamento do torcedor tenha acelerado a tomada de decisão, e Moisés teve de sair do clube com este gosto amargo na boca. Se desfazer de um atleta identificado com o clube como é Moisés ajuda a entender que na hierarquia de muitos torcedores a vitória do momento vale mais do que a preservação das conquistas de ontem. Moisés, voltando de grave lesão em 2017, foi um fio de esperança na Libertadores daquele ano, e, no returno invicto do brasileiro de 2018, foi titular 8 vezes e entrou em outras 6 partidas. Participativo e sempre respeitoso, grato ao clube. Recebeu a ingratidão histérica da torcida, e o elenco, que sabe o que Moisés representava, testemunhou a injustiça.

Ricardo Goulart

Ricardo Goulart é anunciado

O meia-atacante que atuava na China era o principal reforço do ponto de vista técnico para 2019. Suas primeiras partidas deixaram até a ideia de que o Palmeiras de Felipão poderia jogar sem um centroavante-obstáculo. A lesão grave que ele sofreu deixou duas pedras no sapato do torcedor: a primeira era o inalienável direito de desconfiar das condições físicas de Goulart no momento de sua contratação. Era, afinal, uma pauta desde os primeiros boatos. A segunda foi a sua partida, estranha e repentina, de volta à China. Vendida aqui como um ótimo negócio por um atleta lesionado e uma economia ao clube, a transação deixou tantos buracos na narrativa, tantos pontos sem sentido, que houve um desconforto na relação de confiança entre quem torce e quem faz os negócios do clube. Goulart foi um caso que flertou com o bizarro e minou um pouco da imagem do estafe de Alexandre Mattos.

Deyverson

Sassá e Deyverson (Foto: Getty Images)

A torcida não gosta do jogador, e isto está posto, não é negociável. A bola também não é sua melhor amiga. A rejeição pelo jogador que fez o gol do título de 2018 podia ser contornada com uma venda generosa ao futebol chinês, durante o ano e após uma de suas atuações circenses na temporada. O atleta confirmou a proposta e o aceite, depois negou, o clube ficou perdido e o torcedor confuso. O caso Deyverson foi solucionado com a permanência do atleta no clube, com o argumento de que o técnico assim quis. Quando o técnico que a torcida quis no clube toma uma decisão que contraria totalmente o que a torcida queria que ele fizesse, temos um impasse. Cada erro do Deyverson, dali em diante, foi tomado por parte da torcida como um desaforo pessoal, e o centroavante cavalgou veloz na direção da unanimidade.

Ramires (e Henrique Ceifador)

Ramires, novo jogador do Palmeiras (Foto: Divulgação)

Enquanto as contratações do Flamengo já desembarcavam no Rio de Janeiro aquecidas e de chuteiras, o Palmeiras anunciou Ramires, cuja forma recente envolvia uma única partida nos últimos 18 meses. Era, com otimismo, uma aposta para o futuro, mas o mesmo palmeirense que despreza o passado de Moisés não há de zelar pelo futuro possível do Ramires. Quando foi escalado no time titular na estreia de Mano Menezes, no Serra Dourada, a participação de Ramires, sacado no intervalo, foi constrangedora ao atleta, clamorosamente sem condições de jogar. Em condição semelhante, vindo da mesma China do negócio esquisito do Goulart, chegou, pouco depois, Henrique Ceifador. Quem pode tirar do torcedor a sensação de que sua diretoria de futebol não está com os pés no presente? E que futuro Ceifador poderia representar? Mais uma fratura na ponte entre clube e arquibancada.

Fernando, Vitão e Luan Cândido

Luan Cândido, em pré-temporada com o RB Leipzig (Foto: Getty Images)

Fernando, atacante mineiro da base do Palmeiras, atuou pouco mais de 60 minutos no time profissional, em 2018. Luan Cândido, lateral e meia pela esquerda, sequer teve este gosto. Vendidos precocemente, eles representam um numeroso elenco de outros atletas que a base ofereceu ao time principal, mas Felipão preferiu não fazer parte da última etapa da formação destes jogadores. Preferiu investir nos jovens de outros lugares. Partiu de seu estafe a garantia de que Carlos Eduardo, por exemplo, faria mais do que Fernando. Vitão, capitão da seleção na base, também foi vendido sem ser experimentado. O banco de reservas passa imagem de obesidade, é caro, pouco arejado, e a torcida se habituou a achar que era ela o motivo de o clube não usar a base, pois “somos impacientes”. Pós-Gabriel Jesus e diante da “safra” atual, o torcedor se uniu para pedir o uso dos talentos de casa, e foi sumariamente ignorado. O desempenho péssimo de alguns contratados potencializou a frustração.

Matheus Fernandes e Arthur Cabral

Arthur Cabral trocou o Ceará pelo Palmeiras, mas teve poucas chances (Foto: Divulgação)

Se Carlos Eduardo queimou grande parte do dinheiro da venda de jogadores da base a troco de nada, talvez seja injusto falar o mesmo para Matheus e Arthur. Sucede que ambos obedecem a um perfil claro de contratações: jovens, promissores, bons para revenda. Felipão, no entanto, com uma dupla de volantes composta por um dono-do-vestiário e um capitão, preferiu adiar o uso de Matheus, e, com um a predileção solitária por Deyverson, confinou Arthur à pontinha do banco de reservas. O torcedor queria coisa nova, cara nova, e as caras novas do ano foram amarelando os sorrisos. O que era pra ser novidade se tornou engarrafamento de frustrados – e o torcedor também tomou parte neste engarrafamento. A prioridade aos atletas de 2018 causou mais efeitos colaterais na impaciência de um torcedor que até tentou entender as manias do treinador.

Jean e Dracena

Edu Dracena e Willian Aarão (Foto: Getty Images)

Quando a gente fala em um elenco obeso, é claro que não estamos falando do peso dos atletas, mas da expectativa, bagagem, o que custam em relação aos minutos que jogam, o que esperam da carreira em relação ao que realmente influenciam no grupo. Por uma tal preservação da palavra, da voz da experiência, Jean e Edu Dracena ficaram mais um ano no clube, mas praticamente não jogaram. No fim da fila, a dupla reflete um pouco da lealdade com os campeões de 2018 que sabotou espaço para novas caras em 2019. A percepção na arquibancada era de mesmice, desperdício, de que o ciclo deveria ter sido encerrado com a taça da Série A na mão. Como era de se esperar, nem um nem outro, quando tiveram chance de jogar, fizeram algo notável em 2019.

Borja

Miguel Borja, do Palmeiras (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)

O ano de 2019 solidificou a percepção de que toda a boa vontade dispensada ao atacante colombiano era, em parte, um positivo sentimento de parceria da torcida com um elenco vencedor, e em outra parte um apoio a quem poderia tirar o rejeitado Deyverson (que foi comprado com urgência para ser alternativa ao próprio Borja) de campo. No entanto, assim como Cuca e Felipão, Mano precisou de poucas semanas para deixar de contar com o pouco engajado atacante no time titular. E o torcedor encerrou a sua longa fase de compreensão com o atacante. Geralmente, um departamento profissional de análise de desempenho autoriza o clube a fazer uma compra como essa após analisar minuciosamente o potencial reforço. Como Borja chegou como “presente” da Crefisa – que depois virou dívida do Palmeiras, pois o investimento não era legal do ponto de vista fiscal -, a suspeita é de que ninguém foi até a Colômbia estudar de quem se tratava Borja. Pouco preocupado em evoluir, sem gana, nem bola, é um mamute no meio da sala, com a família querendo saber quem comprou.

Bruno Henrique

Bruno Henrique comemora gol do Palmeiras contra o Cruzeiro (Getty Images)

Este, o pior caso e o que mais explicita o parafuso mental que o palmeirense experimentou em 2019. O volante e capitão do Palmeiras foi insultado na rua ao lado de sua esposa, Bhel, que reagiu. Pouco depois, em Athletico x Palmeiras, ela, que foi ao jogo assistir o companheiro, foi fisicamente agredida por torcedores. Bruno Henrique, curiosamente, cresceu de produção desde então, e fez gols contra São Paulo e Corinthians. Mostrou um controle emocional e uma postura profissional que deveria ser o desejo de qualquer torcedor. O caso de covardia e miséria absoluta de princípios posiciona o ano do Palmeiras neste estágio moral, violento, colérico, inconsequente, como se estivéssemos falando de um 15º colocado há 20 anos sem conquistas – e nem assim seria tolerável a agressão que Bhel sofreu. Não tem como um clube de futebol manter o astral lá no alto quando o que chega nos jogadores é um gesto tão pequeno.