O previsto era que o Ajax tivesse alguma dificuldade ao enfrentar o Vitesse dentro da Johan Cruyff Arena, na tarde desta terça-feira. Mas a imposição como mandante e o apetite de gols contribuíram para mais um espetáculo pelo Campeonato Holandês. Mesmo cansados com a maratona de partidas, os Godenzonen atropelaram o rival na segunda etapa, fechando um placar de 4 a 2.

Desde o início, a promessa era de um jogo duro, com poucos gols, e talvez não fosse exagerado apostar em um zero a zero. Mas lembre, novamente, que este Ajax vive grande fase e tem peças suficientes para dominar a liga, rompendo com um domínio do PSV nos últimos anos.

Logo se viu que o Ajax queria resolver o jogo muito cedo, para poder ter um descanso improvisado ao longo da semana. Na próxima terça, os Ajacieden pegam o Tottenham, em Londres, pela primeira partida das semifinais da Liga dos Campeões. Não só isso: poupar pernas e cabeças para mais desafios cruciais na própria Eredivisie e na final da Copa da Holanda.

Um careca destemido

Ainda assim, Erik ten Hag mandou a campo o que tinha de melhor. Visando, claro, algumas substituições providenciais na segunda etapa, quando já tivesse alcançado o placar desejado. Depois do susto de Frenkie De Jong às vésperas do jogo contra a Juventus, todo cuidado era pouco em Amsterdã. A missão era vencer, claro, e sair de campo sem nenhum desfalque por lesão.

Dusan Tadic, Kasper Dolberg e Hakim Ziyech ocuparam papéis de protagonismo, como de praxe. Infernizaram a defesa aurinegra e forçaram os adversários a errar constantemente. A marcação firme do Vitesse de Leonid Slutsky fez com que o duelo fosse insosso em seus minutos iniciais, mas a blitz ajacieden logo teve efeito. Aos 41, depois de muita insistência. Ziyech tirou o zero do placar em grande jogada de Tadic. O sérvio limpou a barra pela direita e cruzou alto. A marcação vacilou e o marroquino só teve o trabalho de empurrar para a rede.

Estava claro que o Vitesse não ia brigar para buscar o empate. Por não ter forças ou parecer desinteressado em tentar algo melhor. Com a porteira aberta, o Ajax aumentou o ritmo depois do intervalo e procurou nocautear os aurinegros. Aos nove, Tadic ampliou de pênalti. Três minutos depois, o capitão Matthijs De Ligt subiu para a área e testou para praticamente fechar a conta do embate.

Empolgado, o Ajax fez o quarto logo depois, com Ziyech, em passe de Dolberg. Mas o endiabrado meia estava impedido no momento em que recebeu a assistência. Com auxílio do VAR, o excelentíssimo Jochem Kamphuis invalidou o lance corretamente. Dolberg, aliás, não estava em seus dias mais inspirados. O dinamarquês teve uma chance claríssima na volta do intervalo, aproveitando um vacilo do capitão do Vitesse, Maikel van der Werff. O que era para ser uma assistência involuntária do zagueiro, rapidamente se converteu em um gol absurdo desperdiçado. Dolberg mandou a bola na lua.

Alguém pediu emoção?

É verdade, a Eredivisie é um dos campeonatos mais divertidos da Europa, isso se não for o mais divertido. É possível comprovar essa afirmação quando o jogo parecia plenamente encerrado, com 25 minutos para o fim, e o Vitesse encostou no placar. Em outra bola invertida da direita para a esquerda, Navarone Foor pegou um sem pulo inspiradíssimo, acertando um ângulo dificílimo entre as pernas de Daley Blind, para vencer o goleiro Andre Onana. Aparentemente o esforço de Noor não foi muito bem recebido pelo chefe Slutsky, que prontamente pediu a sua substituição. O garoto mal teve tempo de comemorar e foi logo para o banco de reservas. Vai entender.

O seguro morreu de velho

Ten Hag foi esperto e fez o que se esperava dele. No mínimo sinal de desfecho, tirou Tagliafico e Ziyech numa tacada só, promovendo a entrada de Rasmus Kristensen e David Neres. Mais adiante, sacou Lasse Schöne e botou Jurgen Ekkelenkamp. Em seu primeiro lance, o garoto Ekkelenkamp recebeu bola de Donny van de Beek e sofreu pênalti do desafortunado van der Werff. Coube a Tadic marcar mais uma vez: foi o 22º gol do sérvio na Eredivisie.

A brincadeira, contudo, não havia acabado. Logo na saída, o Vitesse meteu outra bola na rede. Relaxado, o Ajax permitiu uma corrida de Tim Matavz, que fez um cruzamento muito parecido com outros dois gols do jogo. O recém-ingresso Oussama Darfalou ganhou a dividida pelo alto e cabeceou para fazer o segundo dos visitantes. Para quem procurava um jogo interessante ou animado nesta terça-feira, Ajax e Vitesse se provou uma grande atração, do primeiro ao 90º minuto.

Atenção para outro recorde

O xará Felipe dos Santos Souza, do blog Espreme a Laranja, soprou aqui: o gol de De Ligt foi o 159º do Ajax na temporada (somando Eredivisie, a Copa da Holanda e a Liga dos Campeões), um recorde absoluto na Holanda. O antigo detentor da marca era o AZ de 1980/81. É uma média de 3,5 gols por partida para o Ajax de Ten Hag. Se você tem acompanhado de perto esse momento do clube de Amsterdã, sinta-se privilegiado.

Prepare o secador

Se você simpatiza com o Ajax e deseja ver a equipe novamente campeã holandesa depois de cinco anos, aí está o gabarito: torcer contra o PSV, que recebe o Willem II na quinta-feira. Um tropeço dos Boeren facilita bastante as coisas. O Ajax ainda tem Utrecht (casa) e De Graafschap (fora), enquanto o PSV pegará AZ fora e Heracles em casa.