Relatório sobre tragédia de Hillsborough culpa autoridades

Incidente, em 1989, matou 96 torcedores do Liverpool, depois da polícia não ter conseguido controlar a multidão e Primeiro Ministro pede desculpas por atitude das autoridades

Um relatório divulgado nesta quarta-feira mostrou que a polícia e os serviços de emergência tentaram culpar os torcedores pela tragédia de Hillsborough, em 1989, quando 96 torcedores do Liverpool morreram. Os documentos que revelaram esta tentativa fizeram com que o primeiro ministro David Cameron se desculpasse publicamente com a família das vítimas.

A tragédia aconteceu no dia 15 de abril de 1989, quando o Liverpool enfrentou o Nottingham Forest no estádio do Sheffield Wednesday, Hillsborough, pelas semifinais da FA Cup, a Copa da Inglaterra. Naquele dia, 96 pessoas morreram, muitas delas esmagadas contra a grade ou pisoteadas pela superlotação do estádio.

O Painel Independente de Hillsborough mostra que as decisões de dizer que todas as 96 mortes foram da mesma forma e de apontar que 15h15 foi o horário limite para o salvamento são “insustentáveis”. Segundo o painel que analisou o caso, das 96 vítimas, 41 ainda poderiam ser salvas depois do horário que as autoridades desistiram do atendimento.

O inquérito inicial mostrava que as 96 mortes foram consideradas acidentais, mas as famílias das vítimas pediram anulação dessa conclusão. Depois do jogo, a polícia afirmou que o comportamento violento de torcedores bêbados do Liverpool, que chegaram sem ingressos ao estádio, causou o desastre.

Foram analisados mais de 450 mil documentos que não tinham sido vistos antes pelo painel. “As provas mostram conclusivamente que os torcedores do Liverpool não causaram nem contribuíram para a morte de 96 homens, mulheres e crianças”, diz o relatório.

“Os documentos revelados e analisados pelo painel mostraram que aquela tragédia nunca deveria ter acontecido”, afirma James Jones, que presidiu o painel. “Houve claros erros operacionais em resposta ao desastre e houve árduas tentativas para colocar a culpa nos torcedores. Os relatórios detalhados dos painéis mostram o quanto as vítimas, sobreviventes e suas famílias ficam vulneráveis quando a transparência e a responsabilidade ficam comprometidas”, analisa.

As revelações do painel levaram o primeiro ministro britânico, David Cameron, a pedir profundas desculpas às famílias dos 96 mortos, dizendo, na Casa dos Comuns, que o relatório divulgado nesta quarta deixa claro que “os torcedores do Liverpool não foram a causa do desastre”.

Segundo Cameron, o procurador geral Dominic Grieve irá pedir a revisão do relatório o mais rápido possível, para decidir se irá recorrer à Suprema Corte para anular a primeira decisão judicial sobre o assunto. A Suprema Corte, então, tomará a decisão final.

O relatório mostra que as famílias das vítimas de Hillsborough sofreram uma dupla injustiça. Primeiro, pela “falha do estado em proteger seus entes queridos e a indefensável espera para saber a verdade” e os esforços para denegrir os mortos e sugerir que foram eles que “de alguma forma erraram e causaram suas próprias mortes”, segundo palavras de Cameron.

“Com o peso das novas provas nesse relatório, é correto que eu, como primeiro ministro, peça as desculpas apropriadas às famílias das 96 vítimas por todos os que sofreram nos últimos 23 anos”, afirmou Cameron em discurso. “Em nome do governo – e talvez do nosso país – em sinto profundamente por essa dupla injustiça que foi deixada incorreta por tanto tempo”, disse ainda o primeiro ministro.