A polícia de Las Vegas conseguiu um mandato para coletar o DNA de Cristiano Ronaldo, como parte da investigação em que o atacante é acusado de estupro O advogado do português, Peter S. Christiansen, afirmou à BBC que esse é um pedido padrão e não mostrou qualquer preocupação quanto a isso. Ele alega que o jogador diz que a relação foi consensual desde o começo.

LEIA MAIS: O que sabemos sobre a acusação de estupro contra Cristiano Ronaldo

 

Segundo o Wall Street Journal, o mandato foi enviado aos tribunais italianos. Ronaldo nega ter estuprado Kathryn Mayorga em um hotel de Las Vegas, em 2009. “O senhor Ronaldo sempre manteve, como ele mantém hoje, que o que ocorreu em Las Vegas em 2009 foi consensual em natureza, então não é surpresa que o DNA dele estivesse presente, nem que a polícia faça esse pedido bastante padrão como parte das suas investigações”, afirmou Christiansen em um comunicado.

A revista alemã Der Spiegel publicou uma reportagem em outubro sobre a alegação do caso de estupro, com Kathryn Mayorga tendo reportado o estupro à polícia de Las Vegas logo depois do acontecido, ainda em 2009, o que permitiu o exame corpo de delito e, portanto, amostras de DNA. O Departamento de Polícia Metropolitana de Las Vegas disse que estava “dando os mesmos passos no caso que em qualquer outro caso de estupro para facilitar a coleta de provas de DNA”.

“Nós podemos confirmar que um pedido oficial foi submetido às autoridades italianas. Por ser uma investigação em andamento, não temos nenhuma informação adicional ou comentário sobre este caso neste momento”, diz comunicado da polícia de Las Vegas.

Reportagem da Der Spiegel relatou em 2010 que Kathryn Mayorga assinou um acordo extra-judicial com Ronaldo com o pagamento de US$ 375 mil para que ela nunca fosse a público com as alegações. Os advogados dela tentam declarar o acordo nulo. Já o advogado de Mayorga afirma que ela se encorajou a falar depois pelo movimento #metoo, e abriu processo contra Ronaldo nos Estados Unidos.

O advogado de Ronaldo já disse anteriormente que eu cliente não nega ter entrado em acordo, mas que as razões que o levaram a fazer isso foram no mínimo distorcidos. “Esse acordo não é uma confissão de culpa de maneira alguma”, diz o advogado.

O jogador se transferiu para a Juventus por € 117 milhões em julho. Foi vencedor da Bola de Ouro em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017. O jogador já negou as acusações se chamou a reportagem da Der Spiegel em outubro de “fake news”. No seu Twitter, ele “firmemente” negou as acusações. Seus advogados alegam que os documentos usados na reportagem da Der Spiegel são “completamente fabricados. A revista, por sua vez, diz que não tem por que duvidar da autenticidade dos documentos chaves descobertos na reportagem.