Os holofotes sobre o Manchester United neste sábado eram maiores do que o costume. As expectativas subiam graças ao retorno de Paul Pogba e Zlatan Ibrahimovic, depois de longos períodos no departamento médico. Os dois astros conseguiriam elevar o moral do time de José Mourinho, tão criticado nas últimas semanas? O começo em Old Trafford não foi tão promissor. Mas o meio-campista francês mostrou que pode mesmo fazer a diferença, decisivo para a virada sobre o Newcastle. Com um gol e uma assistência, garantiu a goleada por 4 a 1. Relembra por que pagaram tão caro em sua contratação.

Pogba entrou na cabeça de área, ao lado de Nemanja Matic, enquanto Zlatan Ibrahimovic ficou no banco de reservas, com Romelu Lukaku comandando o ataque. O Newcastle não se intimidou com a ocasião e equilibrou o jogo nos primeiros minutos, abrindo o placar aos 13. DeAndre Yedlin cruzou e Dwight Gayle aproveitou o buraco na defesa adversária para fuzilar. O Manchester United demorou a reagir. Ainda assim, conseguiu buscar a virada antes do intervalo. Pogba apareceu a primeira vez aos 36, em grande jogada pela direita. Cruzou e Anthony Martial subiu no terceiro andar para completar de cabeça, empatando o jogo. Já nos acréscimos, Ashley Young levantou na área e foi a vez de Chris Smalling testar para dentro.

Fundamental para a vitória, o United não diminuiu a aceleração na volta do intervalo. Assim, conseguiu construir a goleada. O terceiro veio aos nove minutos, em contra-ataque puxado por Lukaku na direita. O belga cruzou, Marcus Rashford ajeitou e Pogba aparaceu na área para cumprimentar. Os dois meses parados pareceram só aumentar a fome de bola do francês, participando bastante. Aos 25, acabou substituído, bastante aplaudido pelos torcedores. E enquanto se encaminhava ao túnel, pôde ver Lukaku fechando a conta com seu gol, após tabelar com Juan Mata. Embalado com a seleção belga, o centroavante não deixava sua marca pelos Red Devils desde setembro.

Por fim, ainda haveria tempo para a entrada de Ibrahimovic. O centroavante substituiu Martial aos 30 minutos, compartilhando o ataque com Lukaku e Rashford. E por muito pouco não marcou um golaço, em belíssimo voleio que o goleiro Robert Elliott espalmou para escanteio. Para quem ficou quase sete meses sem jogar, depois de uma seríssima lesão no joelho, o camisa 10 deu a prova cabal de que está 100%. E querendo mostrar que passa longe do final da carreira, mesmo aos 36 anos.

Depois da derrota para o Chelsea e de uma série de vitórias pouco empolgantes desde outubro, o Manchester United volta a demolir um adversário. Que o Newcastle não seja mais um grande oponente, ao menos foi o time certo para que os Red Devils pisassem no acelerador. Para que Pogba e Ibra, nas condições certas de temperatura e pressão, reaparecessem – e que Lukaku também voltasse a marcar pelo clube. A liderança permanece com o Manchester City, oito pontos à frente, mas o time de José Mourinho volta a mostrar suas credenciais. Reafirma-se na segunda colocação, um ponto à frente do Chelsea e mostra que tem craques para encurtar as distâncias na tabela.