“Caraca, esse cara não tem mais o blog dele? Agora vai ficar escrevendo no da Trivela?!” Não, não vou, volto em breve para o meu, mas esse post está aqui por um motivo “administrativo”: o do Bala, que está aí embaixo (e é sensacional) também está no blog dele, ou seja, tinha duas chamadas no UOL pra posts iguais. Sacaram?

De qualquer maneira, vou falar do Flu também. Do momento em que podemos parar de jogar na cara dos caras que eles subiram direto da C para a A, como se o Fluminense fosse o único time brasileiro a virar a mesa na história. De falar do dinheiro da Unimed como se ele fosse diferente do da Parmalat, da Globo ou, pior, da Petrobras, que bancou o Flamengo por muitos anos.

Antes era difícil, admito. Eu, acostumado a gostar do Fluminense porque ele era tricolor, mas principalmente por causa dos grandes amigos tricolores, era o primeiro a trazer a virada de mesa. A zona que continuava a ser o clube, com um patrocinador que mandava e desmandava onde não devia. Título de Copa do Brasil? Não conta, ainda mais depois de ter perdido final pra time do interior de SP. O de 2010? Conta, claro, foi dentro de campo, mas com a eterna sensação de que o Flu ganhou porque os adversários do Corinthians ajudaram – evitem me xingar, o título foi justo, o Flu não precisou de ninguém, mas o time não era tudo aquilo, não foi um título que permitia imaginar que o time voltaria a frequentar os melhores salões.

Neste ano, não. Com muito dinheiro, é verdade, mas sabendo usá-lo, o Fluminense pela primeira vez mostrou algo parecido com um planejamento, um projeto de time de futebol. Ganhou o campeonato com muitas sobras. Se, como lembra o Rodrigo Borges no Esporte Fino, isso não muda o fato de que o time não tem centro de treinamento e a estrutura pode melhorar muito, pela primeira vez a Unimed foi coadjuvante, pouco se falou nela. Porque o Fluminense apareceu grande como não se via há tempos.

Portanto, podemos deixar o Flu ser vitorioso agora sem tentar diminuir isso, certo? Faz tempo, repito que o Flu não foi o único. E quando o time não ganhava nada até podia ser divertido. Agora, não é mais. O Flu agora põe medo, e diminuir um time que te põe medo é dor de cotovelo.

Parabéns Tricolor, em 2012 você sobrou, e os méritos são muitos, e todos teus.