Depois de cinco anos e meio à frente do Tottenham, período no qual elevou o clube a um novo patamar apesar das limitações financeiras em comparação com seus concorrentes, Mauricio Pochettino foi demitido dos Spurs e substituído por José Mourinho. Duas semanas depois da despedida do norte de Londres, o argentino descansa em seu país-natal, espairecendo antes de voltar ao mercado europeu.

Em entrevista à Fox Sports Argentina, o técnico falou mais sobre seus planos a curto e médio prazo do que sobre o que aconteceu no Tottenham. Entretanto, é possível observar a mágoa com o ex-clube nas entrelinhas.

“Por enquanto, o mais importante é que eu espaireça depois de cinco temporadas incríveis com o Tottenham. O meu objetivo é buscar a capacidade de me reconstruir e recuperar a minha motivação”, admitiu o argentino, pela primeira vez sem emprego desde os meses finais de 2012, quando deixou o Espanyol, antes de assumir o Southampton em 2013.

Perguntado se havia alguma possibilidade de aceitar algum trabalho na Argentina, Poch disse ser difícil imaginar tal cenário. Sua vontade é voltar a treinar na Europa, embora ele diga que não se recusaria a trabalhar em seu país-natal se fosse pelo bem de sua família. De qualquer forma, ainda é cedo para pensar em qualquer coisa do tipo.

“Agora preciso ficar calmo por alguns dias e ver o que acontece. Não tive muito tempo para digerir o que aconteceu comigo”, afirmou, em outra declaração reveladora de como recebeu a demissão.

Em meio ao choque e à introspecção, Pochettino explica que era o momento de buscar descanso em seu lar, onde se sente mais confortável. “A minha primeira decisão foi voltar à Argentina, voltar para casa e ver a família e os amigos. A minha melhor decisão foi vir à Argentina para ficar desligado por dez dias.”

Porém, ele reitera que espera voltar à Europa, onde tomará as decisões sobre seu futuro. Apesar de estar curtindo o tempo de folga involuntária, já deixou as portas abertas a quem tiver interesse em seu trabalho: “Na minha idade, não preciso de muito tempo para me recuperar. Estou aberto a ouvir os projetos que me forem apresentados”.

“Há muitos clubes e projetos atraentes para eu assumir”, completou.

Nos cinco anos anteriores à chegada de Pochettino, o Tottenham havia terminado duas vezes em quarto lugar, duas vezes em quinto e uma vez, justamente na campanha pré-Mauricio, na sexta colocação. Com o argentino, foi quinto colocado na primeira temporada, terceiro colocado em duas outras campanhas, obteve o quarto lugar no mesmo ano em que chegou à final da Champions e ainda disputou a sério o título nacional, ficando com o vice-campeonato em 2017.

Com bastante dinheiro em caixa, já que tinha contrato com o Tottenham até 2023, assinado em maio de 2018, Poch pode pensar no melhor projeto esportivo ao escolher qual será seu novo clube. Com o trabalho acima do esperado que fez nos Spurs, ele pode descansar tranquilo, porque o convite é questão de tempo.