O Tottenham tem alguns dos melhores jogadores jovens da Inglaterra. Harry Kane, Dele Alli e Eric Dier, por exemplo, todos desenvolvidos por Mauricio Pochettino, que também tem o seu dedo na formação de Adam Lallana, quando era treinador do Southampton. Usar as categorias de base em vez de gastar grandes quantias de dinheiro, mesmo em um clube mais poderoso como os Spurs, tornou-se a identidade do argentino, que faz isso para agradecer o país que o acolheu.

LEIA MAIS: Kane quer se aproximar do nível de Cristiano Ronaldo e Messi e não há nada errado nisso

Pochettino chegou à Inglaterra, em 2013, depois de uma passagem pelo Espanyol. Sem falar inglês. “Eu pensei, quando cheguei na Espanha e agora na Inglaterra, em uma maneira de agradecer ao país que abriu as portas para mim quando eu não falava inglês. E como as pessoas trataram bem a minha família e minha comissão técnica. Foi um jeito de dizer obrigado para a Premier League e para as pessoas que confiaram em mim”, disse.

O treinador de 45 anos elogiou a geração de ingleses que é a esperança da seleção inglesa para finalmente encerrar uma série de campanhas ruins em grandes competições internacionais.

“Claro que há talento aqui. Nenhuma dúvida sobre isso. Os jogadores ingleses são muito talentosos. É sobre sua visão e como você os percebe, e, então, precisa fornecer a plataforma e as ferramentas. Quando chegamos aqui, cinco anos atrás, era um pouco de tabu: ‘oh, jovens não jogam, não temos o mesmo talento de Espanha, Argentina, Brasil'”, afirmou.

“Não dissemos nada. Não dissemos sim ou não. Observamos e pensamos: ‘oh, vocês têm o mesmo talento. Vocês precisam acreditar no seu talento e precisamos dar a plataforma para que sejam capazes de atuar em um bom nível. Depois disso, começamos a trabalhar e tentar provar que o talento inglês é que nem o espanhol, ou argentino, ou brasileiro, e começamos a acreditar. Adoramos dar a possibilidade para jovens e ajudá-los a alcançar seus sonhos, e eles trabalham muito e aproveitaram a oportunidade”, acrescentou.