O meio de semana foi muito ruim para o Atlético de Madrid. A derrota por 3 a 0 diante do Real Madrid no meio da semana, pelo jogo de ida da semifinal da Champions League, deixou um gosto amargo de iminente eliminação. Aquele foi um Atlético atípico. O time precisava reagir. Em seu estádio, fez aquilo que faz com frequência: venceu de forma suada, por um placar magro, mas venceu. Vitória sofrida por 1 a 0 sobre o Eibar com direito a um golaço de Saúl Ñíguez.

LEIA TAMBÉM: As lembranças empoeiradas de um Valencia campeão espanhol: 15 anos do título de 2002

Contra o Eibar, o Atlético de Madrid precisa assumir outra característica. Não dá para esperar o adversário, porque é isso que o Eibar faz. Com um time muito mais forte, os Colchoneros precisam tomar a iniciativa e tentar se impor diante do time basco. Para isso, desta vez Diego Simeone escalou o time de forma diferente. O esquema foi um 4-1-4-1, com apenas Antoine Griezmann no ataque. Gabi foi o volante mais recuado, com Carrasco, Koke, Ñíguez e Gaitán na linha da frente. Uma forma de tentar ganhar o meio-campo.

Como esperado, o Atlético teve mais a bola, finalizou mais, mas sentia dificuldades diante da defesa do Eibar. Criava poucas chances. O primeiro tempo mal teve ataques realmente perigosos para os mandantes. No segundo, Simeone precisou mexer no time. Já voltou com Fernando Torres no lugar de Gaitán, trazendo o esquema de volta ao seu 4-4-2. Com uma referência no ataque, o Atlético passou a trabalhar melhor. Mas chegar ao ataque ainda era difícil.

O gol acabou saindo da maneira como dava: em um chute de fora da área. Depois de chute para frente do goleiro, Godín (sim, o zagueiro) ficou com a bola na ponta esquerda e cruzou rasteiro. Fernando Torres fez o corta-luz e Saúl bateu colocado, no cantinho. Gol aos 24 minutos do segundo tempo.

Isso poderia significar que o Atlético ficaria em uma situação confortável. Não ficou. Não conseguia marcar o segundo gol, que daria um alívio. O Eibar, mesmo sem ser lá muito perigoso, tentava jogadas fortuitas, bolas na área e, como o placar indicava algo apertado, tudo podia mudar. No final, com mais de três minutos de acréscimos, Simeone enlouquecia à beira do gramado. Ainda mais com Godín expulso por receber o segundo cartão amarelo aos 46. O resultado acabou mesmo sendo 1 a 0.

Com isso, o Atlético se garante na próxima Champions. A terceira posição não está garantida, mas o time está em ótima condição para isso. São 74 pontos, cinco a mais que o Sevilla, que tem 69. Como restam apenas dois jogos, é improvável que o time da Andaluzia supere o Atleti. Seja como for, o time está garantido ao menos em quarto lugar, porque o Villarreal, quinto colocado, pode chegar, no máximo, a 72 pontos. Já é um alívio para o time da capital.

Na quarta-feira, o time tentará o impossível, conforme descrito por Simeone, contra o rival Real Madrid.