Quem acompanha o noticiário esportivo internacional – mesmo que não especificamente o do futebol português – possivelmente ficou sabendo nesta terça-feira (24) que o meia Pizzi renovou seu contrato com o Benfica até 2022. Foi a principal notícia do dia em Portugal e aquela que correu o mundo. Não por ser uma terça-feira de poucas novidades, mas sim porque o jogador vem se transformando num dos principais nomes encarnados.

Aos 27 anos de idade, o português Pizzi está na sua terceira (e melhor) temporada com a camisa do Benfica. Polivalente, já foi utilizado pelo técnico Rui Vitória em praticamente todas as funções ofensivas do meio-campo. É o artilheiro do time na temporada e o quarto principal marcador do Campeonato Português, mesmo não sendo atacante.

Todos esses fatores credenciaram o meia a receber a proposta do clube em ter seu contrato estendido em três anos (o vínculo anterior ia até 2019). A multa rescisória também cresceu, passando dos € 35 milhões para € 45 milhões.

Renovar o contrato com Pizzi e mostrar como o clube confia nele, é também uma maneira de marcar simbolicamente a importância do jogador, especialmente no atual instante da temporada. O Benfica vem encontrando dificuldades que não eram comuns até então, o que faz imaginar que o time esteja naquele natural momento de oscilação. Porém, os resultados continuam acontecendo, muito por conta dos talentos individuais – e o meia é um deles.

Bom exemplo disso aconteceu na rodada passada do Campeonato Português, quando os encarnados sofreram mais do que deveriam num primeiro tempo de 0 a 0 diante do lanterna Tondela, mesmo no estádio da Luz. Na segunda etapa, foi Pizzi, com dois gols, quem abriu caminho para a goleada de 4 a 0 e a manutenção da liderança com certa folga (quatro pontos à frente do Porto e nove acima do Braga, terceiro colocado).

Não à toa, o jogador vem sendo um esteio do técnico Rui Vitória, que o escalou em 31 das 32 partidas oficiais do time em 2016/17. Pizzi retribuiu, por enquanto, com 11 gols (oito no campeonato, dois na Taça de Portugal e um na Supertaça) e sete assistências (quatro no campeonato, duas na Taça de Portugal e uma na Supertaça). São números – e atuações – que mostram porque ele é tão importante para o Benfica.

Em tempo: quem também renovou contrato nesta terça foi o goleiro brasileiro Ederson, de 23 anos. Seu vínculo, que ia até 2020, foi estendido até 2023 e a multa rescisória, agora, é de € 60 milhões.