Andrea Pirlo é um aposentado recente do futebol. Pendurou as chuteiras em 2017, depois de passar um ano e meio jogando pelo New York City, nos Estados Unidos, vivendo em uma cidade que ele queria. Sem a rotina de jogador profissional, o italiano tem curtido a vida com a família, mas segue ligado no futebol, assistindo e comentando. Por isso, falou sobre seleção italiana, a disputa por vaga na Champions League na Serie A, o caso Mauro Icardi, o trabalho do ex-companheiro Gennaro Gattuso no Milan e também sobre a Juventus na Champions League.

LEIA MAIS SOBRE A SERIE A

Aposentadoria

“Eu estou muito bem, eu não sinto falta de treinar todos os dias e eu sentia falta de estar mais com a minha família”, afirmou o jogador à Gazzetta dello Sport. “Depois de 25 anos como jogador, eu não estou ansioso para encontrar outro trabalho imediatamente. Eu ainda tenho que pensar sobre o que irei fazer”.

Seleção italiana

Um meia-atacante no início da carreira, Pirlo recuou para jogar mais atrás e jogou como um organizador atrás até dos maiores marcadores, como Gennaro Gattuso, atual técnico do Milan. E ele comentou sobre a seleção italiana atual. “Eu me sentiria bem neste meio-campo da Itália. Há três meio-campistas de qualidade e uma missão: jogar futebol, sempre. Também contra a Finlândia: em uma palavra, eu chamaria de moderno”, disse Pirlo.

Uma das novidades da seleção italiana do técnico Roberto Mancini foi o atacante Moise Kean, da Juventus. Aos 18 anos, ele jogou contra a Finlândia e estreou marcando um gol. Mario Balotelli, por sua vez, ficou fora da lista de convocados de Mancini, apesar da boa fase no Olympique de Marseille. “Ele voltou a jogar e, na minha opinião, se colocou na briga por vaga na seleção”, afirmou o ex-jogador de 39 anos.

“Se ele realmente aceitar que ele não tem mais desculpas, isso já seria um bom sinal. Contudo, ao mesmo tempo, é correto chamar Kean, dada o seu desempenho em Udine. Ele não desperdiçou a confiança colocada nele e quando ele joga, ele frequentemente marca gols. Ele oferece muito”, disse ainda Pirlo.

Disputa por vaga na Champions

Napoli, Inter e Milan ocupam atualmente as três posições abaixo da Juventus, completando os quatro times italianos que se classificariam para a Champions League. Para Pirlo, os times que ocupam essas quatro primeiras posições não irão mudar nas últimas 10 rodadas. “Os mesmos três de hoje, ainda que a Lazio esteja indo muito bem neste momento”, explicou o ex-jogador da seleção italiana.

“O Napoli está mantendo a sua posição porque eles já são fortes. A Inter poderia ter feito mais, mas diminuiu o ritmo em certos momentos decisivos, sofreu com lesões e então houve a saga de Icardi”, avaliou ainda Pirlo. “A Roma tem sido um pouco decepcionante: depois da semifinal na última temporada, era esperado que ao menos mostrasse um pouco de crescimento na Itália”, disse ainda o antigo meio-campista. “Para rejuvenescer, eles precisam esquecer aquela experiência, então eles podem continuar a conversa que já começou”.

LEIA MAIS SOBRE A CHAMPIONS LEAGUE

Caso Icardi

Pirlo também comentou sobre a confusão no caso de Mauro Icardi com a Inter. O jogador perdeu a braçadeira de capitão e ficou afastado inicialmente por lesão, desde fevereiro. Para o ex-jogador do Brescia, Inter, Milan e Juventus, entre jogador e clube, foi o primeiro que perdeu mais.

“A Inter ainda está lá”, disse. “Aqueles que não jogam, perdem valor. Se Icardi ainda estivesse congelado, quem iria querê-lo? A Inter tem outro atacante: como Icardi voltaria depois de tanto tempo?”.

Icardi voltou a treinar com o time principal da Inter nesta semana e há a expectativa que ele volte a campo para enfrentar a Lazio, na próxima rodada do Campeonato Italiano.

Milan

“Eu esperava organização defensiva de Gattuso, sabendo como ser muito focado no seu time. Eu não esperava esse desejo ser traduzido em jogo e ser agradável de assistir, mas Rino estudou. Ele foi além do rótulo que ele tinha como jogador: os técnicos não são sempre da forma como são como jogadores”, analisou o ex-companheiro de Gattuso. “Você pode voltar quando está forte, preparar um jogo até o último detalhe e mudar completamente a sua forma de pensar”.

Juventus na Champions

“A Juve não foi a Juve em Madri, eles apenas precisavam acreditar neles mesmos. Quase sempre tem uma partida que serve como ponto de virada”, disse Pirlo. “No ano que você vence a Champions League, há incidentes que te fazem entender que aquele será o seu ano. No caso da Juventus, aquela partida perfeita, tendo eliminado o time que irá sediar a final, a eliminação do Real Madrid…”.

“O Ajax é um bom sorteio. Fisicamente, a Juventus pode destruí-los”, afirmou o meio-campista. “A Juventus parece melhor que o Barcelona, mas o Manchester City é perigoso. Eu já dei uma grande chance à Juve de vencer [a Champions League]”, continuou.

“Isso é providenciar que eles se convençam que é necessário jogar com esse ritmo e mentalidade desde o primeiro minuto de cada jogo [se referindo ao jogo de volta contra o Atlético de Madrid, vencido por 3 a 0 pela Juventus], que foi o que a Juventus não fez em Madri”, analisou o ex-jogador.