Desde o sorteio da fase principal da Liga Europa, o Grupo F surgia como um candidato a “grupo da morte”. O Dudelange poderia parecer carta fora do baralho, mas Betis, Olympiacos e Milan fariam uma briga de foice pelas vagas nos mata-matas. Os espanhóis deram um passo à frente e confirmaram a classificação por antecipação, apresentando um ótimo futebol. Já nesta quinta-feira, o Estádio Karaiskakis recebeu o confronto da rodada final já com cara de decisão. A atmosfera ardente imposta pela torcida grega potencializava a intensidade da partida. E em campo, o Olympiacos fez por merecer o apoio. Precisava vencer o Milan por dois gols de diferença para avançar e conseguiu. Num segundo tempo insano, de emoções até os instantes finais, a vitória por 3 a 1 carimba o passaporte da Thrylos. Pior aos milanistas, que aturam uma pressão imensa, após uma campanha decepcionante no torneio.

Diante da importância do encontro, os dois times entraram em campo praticamente completos. No entanto, os desfalques na defesa e a ausência de Suso pesaram contra o Milan. Durante o primeiro tempo, o Olympiacos teve mais posse de bola, mas os visitantes finalizaram mais a gol. Gonzalo Higuaín e Cristian Zapata tiveram as melhores chances da equipe, sem aproveitar. Já do outro lado, os erros de Pepe Reina deram alguns sustos nos italianos, embora o goleiro tenha se redimido com uma boa defesa. Prévia ao que viria após o intervalo.

O segundo tempo em Pireu, afinal, foi completamente aberto e maluco. Os dois times acumularam 22 arremates no total. Precisando dos gols, o Olympiacos pressionava e ameaçava constantemente, mas também via o Milan desperdiçar bons contragolpes do outro lado. O gol da Thrylos, porém, se tornou incontornável aos 15 minutos. Em confusão dentro da área rossonera após cobrança de escanteio, Pape Abou Cissé completou de cabeça na pequena área. A partir de então, a insanidade tomou conta. Patrick Cutrone ficou muito próximo do empate, mas seu chute saiu para fora. Depois, Reina e Zapata precisaram se desdobrar para salvar em cima da linha.

Já aos 24, o Olympiacos fez o placar parcial que precisava. Lance de sorte, em que Guilherme arriscou de longe, Zapata tentou desviar e acabou por encobrir Reina. Ao menos não demoraria ao Milan voltar para o jogo. Os rossoneri descontaram dois minutos depois, graças ao próprio Zapata. Após cobrança de escanteio, o colombiano desviou todo desengonçado. Furou a cabeçada, em bola que ainda bateu em sua coxa e em seu braço, antes de passar por baixo do goleiro José Sá. O português tentou afastar em cima da linha, mas a tecnologia indicou que a pelota havia entrado. Um pouco de respiro aos italianos, em tragédia que logo se consumou.

O gol da classificação do Olympiacos aconteceu aos 36 minutos, a partir de um pênalti tolo de Ignacio Abate em cima do veterano Vasilis Torosidis. Na cobrança, Kostas Fortounis mandou no canto e celebrou. O Milan precisava de um gol de qualquer maneira. Tentou o abafa, mas suas chances se limitaram a bolas alçadas na área, onde até Pepe Reina se aventurou nos acréscimos. Além disso, a torcida grega se incendiou de vez. Os alvirrubros tentaram fazer cera e os gandulas até atiraram outras bolas em campo. Ao final, uma defesa segura de José Sá gerou o apito final. O goleiro se chocou com um companheiro e precisou ser atendido. Enquanto isso, havia até mesmo invasão de campo dos torcedores para celebrar o feito da Thrylos.

A vitória do Olympiacos vale muito mais do que os mata-matas da Liga Europa. É a reversão de um resultado complicado, contra um gigante continental. A vibração da noite no Karaiskakis vale por si e alimenta o histórico continental dos gregos. Será certamente uma partida que os torcedores relembrarão por muito tempo. Com 10 pontos, igualada ao Milan, a equipe avança na segunda colocação, atrás do líder Betis.

Já o Milan senta no divã mais uma vez. Que não convença, ao menos mira o G-4 na Serie A. Todavia, a Liga Europa se tornou um verdadeiro pesadelo a Gennaro Gattuso. Contra o Betis, a equipe foi presa fácil e viveu alguns de seus piores minutos no século. Contra o Dudelange, pior, errou demais na defesa e sequer conseguiu massacrar o saco de pancadas. Desta maneira, o saldo de gols se tornou a perdição ante o Olympiacos. Após a partida desta quinta, o treinador falou que seu time “entregou o resultado”. Sabe que viverá mais questionamentos, com a cabeça a prêmio.