O Milan encerrou 2019 levando uma pesada goleada da Atalanta, por 5 a 0, mas cresceu de rendimento desde a virada do ano. Duas coisas aconteceram ao mesmo tempo: Stefano Pioli mudou a formação tática do time para o 4-4-2 para encaixar Zlatan Ibrahimovic ao lado de outro atacante lá na frente e, com oito jogos de amostragem e apenas uma derrota, a mudança foi aprovada pelo treinador rossonero.

Ibrahimovic estreou na vitória contra o Cagliari, em 11 de janeiro. O Milan também bateu Spal, Udinese, Brescia e Torino, pela Copa da Itália, empatou com o Verona e com a Juventus, na última quinta-feira, também pelo torneio mata-mata, apesar de ter jogado melhor. A única derrota foi para a Internazionale, por 4 a 2, depois de estar vencendo por 2 a 0.

“Temos as características para jogar neste sistema, você pode ver que o time está mais feliz nesses papéis, está mais equilibrado e sólido e está criando mais oportunidades”, disse, na véspera de enfrentar o Torino, pela Serie A, nesta segunda-feira. “Sei bem qual é meu papel, que este é um grande clube e é natural que sempre haja rumores sobre meu futuro, mas vamos nos concentrar nesta campanha. Há 45 pontos em disputa. Não estou preocupado com meu futuro, quero aproveitar o máximo esta situação”.

Além da mudança tática, a chegada de Ibrahimovic causou um impacto positivo ao clube, mas Pioli não quis especular em que lugar estaria o Milan se contasse com o sueco desde o início da temporada. Está atualmente em 10º lugar, a 13 pontos da quarta colocação.

“Boa pergunta. É impossível saber a resposta. Quando Ibra fala, é sempre por uma razão. Ele disse que eu poderia confiar nele quando chegou, ele treinou duro e me disse que está em boa forma para continuar jogando”.

“O fato permanece que, se jogarmos com intensidade, teremos bons resultados. No momento em que o nível de intensidade cai, pagamos por isso”.