O Milan não conquistou a vitória fácil que se esperava no Estádio Marcantonio Bentegodi, encarando o Chievo, lanterna da Serie A. No entanto, diante da mudança de ares que se vive em Milanello neste começo de 2019, as condições pouco importam, e sim que a boa fase permanece ao lado do time de Gennaro Gattuso. O triunfo apertado por 2 a 1 contou com dois personagens principais. Krzysztof Piatek nem é mais novidade e manteve a sua série imperdoável de gols, desta vez para definir o placar. Mas desta vez quem também apareceu foi Lucas Biglia, sofrendo com lesões ao longo dos últimos meses. O volante não fazia uma partida como titular desde outubro e, justamente em sua reaparição no 11 inicial, impressionou com um gol magnífico de falta. Sinal dos ventos favoráveis que empurram os rossoneri à próxima edição da Liga dos Campeões.

Melhor desde o início da partida, o Milan ia perdendo gols por excesso de preciosismo na hora de definir as jogadas. Kessié avançava bastante, da mesma maneira como Samu Castillejo afunilava para se apresentar, sem concluir da melhor maneira. O domínio, ao menos, se converteu em gol aos 31 minutos. Paquetá sofreu uma falta na entrada da área e Biglia se apresentou para a cobrança. Pois o argentino anotou um dos gols de bola parada mais bonitos desta temporada, com uma precisão impressionante. A bola com curva passou por cima da barreira e morreu diretamente no ângulo do experiente Stefano Sorrentino, que nem teve o que fazer. Prêmio ao volante, um investimento dos milanistas que ainda não se pagou pelo excesso de problemas físicos. Neste sábado, ele ajudou a dar cadência no meio-campo e terminou como o melhor da partida.

A vantagem, porém, não escondia os problemas do Milan. O espaçamento na marcação era uma preocupação e, justamente em seu primeiro ataque contundente, o Chievo deixou tudo igual. Medhi Leris fez o cruzamento e Perparim Hetemaj se antecipou a Andrea Conti, desviando de cabeça. O empate aos 40 minutos impulsionou os Burros Voadores, que voltaram em cima também no segundo tempo, forçando uma boa defesa de Gianluigi Donnarumma. Por sorte, o segundo gol dos rossoneri não demoraria a vir, quebrando o ímpeto dos anfitriões. Foi quando Piatek realmente deu o ar da graça em Verona.

O primeiro aviso do artilheiro aconteceu em um arremate que Sorrentino conseguiu salvar, à queima-roupa, rebatendo com a perna. Pois na sequência da jogada, aos 12 minutos, o matador não perdoou. O cruzamento de Hakan Çalhanoglu veio para Castillejo, que ajeitou de cabeça. Então, Piatek se esticou todo e mandou para dentro. O lance ainda precisou ser avaliado pelo VAR, que negou qualquer infração. Administrando o resultado, o Milan ainda poderia ter ampliado na meia hora final. Kessié desperdiçou uma excelente chance, enquanto Alessio Romagnoli mandou para fora uma bola vinda de Çalhanoglu. Nada que fizesse falta, em outro resultado positivo para os milanistas.

Após duas partidas sem marcar, Piatek chega ao 19° gol na Serie A e assume a artilharia do torneio, igualado a Cristiano Ronaldo e Fabio Quagliarella. Tento valiosíssimo para o Milan, que se confirma por mais uma rodada na terceira colocação da Serie A. Ainda aguardando os principais concorrentes entrarem em campo neste domingo, o time de Gennaro Gattuso chega aos 51 pontos, a cinco do Napoli e quatro à frente da Internazionale. Vantagem importante para o dérbi marcado ao próximo domingo, no San Siro. Um duelo para os rossoneri fincarem o pé na zona de classificação à Champions e sublinharem a transformação vivida no segundo turno. Já o Chievo, com míseros 10 pontos, vê a Serie B cada vez mais próxima, a 12 de sair da zona de rebaixamento.