O ex-jogador Peter Thompson, que atuou por Liverpool, Preston e Bolton, morreu aos 76 anos. O jogador marcou 54 gols em 416 jogos pelos Reds, seu principal clube na carreira, que defendeu de 1963 a 1973. Ganhou dois títulos ingleses com o lendário técnico Bill Shankly. Thompson estava no primeiro título do Liverpool na Copa da Inglaterra, em 1965, além de levar o time à final da Recopa Europeia (antigo torneio que reunia os campeões de Copas da Europa) de 1966.

LEIA TAMBÉM: Exatamente no Boxing Day aconteceu o primeiro jogo entre clubes da história do futebol, em 1860

Jogou 16 jogos pela seleção inglesa com o técnico Alf Ramsey, que levou a Inglaterra ao título mundial justamente em 1966. Thomspon estava na lista inicial de convocados de 28 nomes para aquela Copa do Mundo, mas foi cortado do elenco final de 22 jogadores. O mesmo se repetiu para a Copa de 1970, com o jogador na lista preliminar, mas acabou cortado dos 22 convocados.

Bill Shankly, que morreu em 1981, descreveu o ex-jogador como um grande velocista com a bola. “Ele pode correr para sempre, mas mais importante em futebol é que ele pode correr com a bola – provavelmente a coisa mais difícil a se fazer”, disse Shankly, em entrevista no jogo de homenagem para Thompson. “Ele poderia correr todo minuto de todos os jogos, toda semana, todo ano, melhor que qualquer um”.

“O seu índice de trabalho era fora de série, seu preparo físico inigualado, seu equilíbrio era como o de um dançarino de balé. Eu não tenho hesitação em colocar Peter entre os maiores, junto com jogadores como Tom Finney, Stanley Matthews e George Best”, elogiou ainda o antigo comandante.

Time do Liverpool campeão com Bill Shankly e que inclui Peter Thompson (Foto: divulgação)

Thompson nasceu em Carlisle e começou a carreira atuando pelo Preston. Um talento precoce, se tornou titular do time aos 17 anos e marcou 20 gols em 121 jogos pelo clube. Foi então que se tornou jogador do Liverpool de Shankly em 1963, com o técnico gastando, na época, 37 mil libras. Passou 10 anos no clube, onde se tornou um dos melhores e mais importantes do time titular de Shankly, ficando 10 anos nos Reds. Em 1973, deixou Liverpool para jogar pelo Bolton, onde encerrou a carreira em 1978.

Para Phil McNulty, da BBC, Thompson se tornou um jogador-chave do time de Shankly que revolucionou o futebol inglês, o primeiro dos grandes times comandado pelo técnico. Um ponta no estilo clássico, de velocidade pelos lados do campo. Sua característica era de jogador habilidoso e capaz de criar jogadas pelos lados.

Thompson era um jogador que fazia algo que se tornaria comum décadas depois, de ser um ponta esquerdo que puxava para o pé direito. Por não ser algo tão comum, confundia seus marcadores. Um dos pontos que ele era mais cobrado era o baixo número de gols marcados. Algo que Shankly comentou também na despedida do craque dos gramados. “Eles diziam que ele não marcava gols o bastante, eles diziam que seu passe final não era o suficiente. Bem, se ele marcasse gols tanto quanto tudo mais que ele fazia, ele estaria mesma categoria que Jesus Cristo”, afirmou Shankly.

“Ele tinha um talento real para driblar com a bola e em segurá-la. Peter era um jogador realmente especial, ele realmente era”, disse Ian Callaghan, que foi companheiro de time no Liverpool. “Ele foi contratado no começo da era Shankly vindo do Preston e estava lá no início dos anos 1970. Nós jogamos com dois pontas com Peter no lado esquerdo e eu no direito. Nós tivemos um grande momento juntos”.