Há duas semanas, nesse mesmo espaço, tratei dos problemas que a reativação da antiga Copa MX trazia para os clubes mexicanos, congestionando o calendário dos clubes da Primera División, diminuindo a atratividade do público e causando chiadeira por parte de dirigentes, técnicos e jogadores. Mas como o futebol é futebol em qualquer lugar do mundo, uma eliminação, até mesmo de um torneio subjugado, gera contestações e até crises em clubes dos quais muito se espera.

Trazida de volta à ativa pelos dirigentes da Femexfut, a atual Copa MX edição Apertura contou com clubes da elite e da segunda divisão nacional. Dos 28 times que iniciaram a disputa, oito se classificaram para as quartas de final, sendo metade de cada nível azteca, em confrontos que colocavam frente a frente rivais da Primera División contra representantes da Liga de Ascenso. Resultado: em todos os duelos, os times da segunda divisão levaram a melhor e farão das semifinais uma disputa exclusiva dos “azarões”.

Aos torcedores e dirigentes pouco importa se os clubes não deram a devida importância ao torneio. O que interessa é que, pela primeira vez na história da centenária competição, um clube que não esteja na elite do futebol azteca soltará o grito de campeão. Mais do que isso, em uma rápida pesquisa entre as principais copas disputadas mundo afora, nunca um torneio dessa categoria que reunisse times da elite do país não contou com representantes do primeiro escalão ao menos nas semifinais.

Ainda que a taça não seja um dos maiores objetivos dos principais clubes mexicanos na temporada, o que mais preocupa não é o fato da conquista ficar com um clube da Liga de Ascenso, mas sim a forma como os principais times do futebol mexicano foram superados por clubes que, teoricamente, nem no mesmo nível se encontram. Ressalta-se que todos os jogos foram disputados na casa dos times vencedores, bem como todos eles foram extremamente disputados e decididos nos detalhes, com três deles chegando à decisão por pênaltis.

Ainda assim, os reveses caíram muito mal entre os dirigentes. Toluca e Tijuana, líderes da Liga MX, ainda mantiveram seus ambientes tranquilos. Já o San Luis, 16º colocado no Apertura, via na competição uma forma de salvar a temporada. A queda para o Dorados colocou pressão no equatoriano Álex Aguinaga, ex-diretor alçado ao cargo de técnico após o fraco início de temporada.

No Pachuca a situação é tão conturbada quanto. Mesmo com os altos investimentos em reforços do início da temporada, a campanha irregular já preocupava. A eliminação da Copa colocou de vez o cargo do técnico Hugo Sánchez a perigo, ainda que a direção dos Tuzos garanta a permanência de “Hugol” pelo menos até o fim do ano.

Ou seja, lá como aqui, seja em qual competição for, perder nunca é opção para um time com torcida, tradição e pressão de uma torcida exigente.

Concachampions

Los Angeles Galaxy (EUA) e Monterrey (MEX) juntaram-se ao Seattle Sounders (EUA) no grupo dos times já classificados para a segunda fase da Concacaf Champions League. O clube azteca, atual bicampeão do torneio, bateu o Municipal (GUA) por 3×0, em casa, para ficar com a liderança no grupo 7. Os angelinos, por sua vez, nem entraram em campo, contando com uma vitória do Puerto Rico Islanders (PUR) por 3×0 sobre o Isidro Metapán (SLV) para garantir a vaga no grupo 5.

Entre os outros times norte-americanos, o Houston Dynamo contou com um tropeço do Olímpia (HON), que perdeu para o já eliminado FAS (SLV), e só precisa de um empate, em casa, na rodada decisiva para vencer o grupo 3. Na chave 2, o Herediano (CRC) superou o Tauro (PAN) e deixou o Real Salt Lake com a obrigação de vencer por 1×0 ou dois ou mais gols de diferença em casa, no confronto direto, para ficar com a vaga.

No grupo 1, o Toronto (CAN) fez sua parte, derrotou o Águila (SLV), fora de casa, por 3×0, mas precisará de uma façanha para ficar com a vaga. Os canadenses tem de vencer o Santos (MEX), atual vice-campeão, em Torreón, por três ou mais gols de diferença. Enquanto isso, na chave 7, a Alajuelense venceu o Esletí (NIC) e jogará por um empate com o Tigres (MEX) na rodada decisiva, só que em solo mexicano.

Quem se complicou na briga por uma vaga foi o Chivas de Guadalajara (MEX). O Campeoníssimo empatou por um gol com o W Connection, em Trinidad & Tobago, e precisará vencer o líder Xelajú (GUA) por 1×0 ou mais de dois gols de diferença para garantir a ponta do grupo 8.

Curtas

– Seleção Trivela da 10ª rodada do Apertura mexicano: Alfredo Talavera (Toluca), Javier Gandolfi (Tijuana), Félix Araujo (San Luis) e Edgar Castillo (Tijuana); Hernán Burbano (León), Lucas Silva (Toluca), Sinha (Toluca), Luis Montes (León) e Daniel Ludueña (SantosOribe Peralta (Santos) e Raúl Jiménez (América); T: Enrique Meza (Toluca);

– Resultados da 10ª rodada: Jaguares 1×0 Cruz Azul, León 2×0 Monterrey, Querétaro 0x1 Tijuana, América 1×1 Morelia, Tigres 0x0 San Luis, Pachuca 1×0 Chivas, Atlas 1×3 Toluca, Pumas 2×1 Puebla e Atlante 1×3 Santos;

Costa Rica

– Em uma rodada perfeita para a Alajuelense, a atual líder do Campeonato de Invierno venceu o Uruguay e disparou na ponta da Primera División, com 25 pontos em 12 jogos. Para completar, o antigo vice-líder, Herediano, perdeu para o Santos de Guápiles e caiu para o terceiro posto, com 19 pontos. O novo dono do segundo lugar é o Saprissa, que bateu o Municipal Pérez Zeledón e alcançou 21 pontos;

El Salvador

– Não houve rodada no Apertura da Liga Mayor, Dessa maneira, o Alianza manteve a liderança com 20 pontos em 10 jogos, contra 18 do  Isidro Metapán e 17 do atual campeão Águila;

Guatemala

– No duelo dos líderes da Liga Nacional, o Comunicaciones arrancou um importante empate frente ao Municipal, e manteve a liderança do Apertura, com 28 pontos em 13 jogos. Os escarlatas mantiveram a segunda posição, com 22 pontos, graças a derrota do Heredia para o Mictlán, que deixou os Jaguares com 21 pontos, mesma somatória do Xelajú, que obteve uma virada sensacional sobre o Deportivo Marquense, na casa do adversário, com dois gols do ídolo brasileiro Israel Silva, após estar perdendo por 2×0;

Honduras

– Com uma goleada sobre o Atletico Choloma (4×1), o Olímpia manteve a primeira posição do Apertura da Liga Nacional, com 23 pontos em 11 jogos. O vice-líder Victoria também venceu, 2×0 no Deportivo Savio, resultado que levou o clube aos 21 pontos. Com uma derrota para o Vida, o Real España continuou com 15 pontos e perdeu a chance de ultrapassar o Real Sociedad, que soma 16 pontos e foi superado em casa pelo Marathón;

Panamá

– No Apertura da Liga Panamenha a surpresa parece à vontade no topo. O modesto Río Abajo arrancou um empate sem gols contra o Chorrillo e manteve a liderança, com 23 pontos em 12 jogos. Já o Tauro perdeu para o Árabe Unido e embolou a disputa pela segunda posição: Toros, Árabes e Chepo, que bateu o Atlético Chiriquí, estão com 18 pontos, ainda que o Tauro tenha uma partida a menos.