A Colômbia é um dos times com mais argumentos para propor e controlar o jogo na Copa América do Centenário. Havia feito uma boa primeira fase e entrou em campo no Metlife Stadium, em Nova Jersey, como favorita contra um no máximo esforçado Peru. Mas, apesar da qualidade de James Rodríguez, Cuadrado e Carlos Bacca, não conseguiu fazer valer a sua superioridade técnica e precisou da disputa de pênaltis para se classificar às semifinais.

LEIA MAIS: Com Dempsey decisivo, EUA deixa problemas para trás e está nas semifinais

Foi uma exibição decepcionante do time de José Pekerman, atraído para a correria dos peruanos sem conseguir se livrar dela. No duelo entre os planos de jogo dos dois times, venceu o do Peru, franco-atirador nas quartas de final, que conseguiu travar a partida durante os 90 minutos, levou algum perigo em bolas alçadas e contra-ataque e impediu a criação de jogadas dos colombianos.

Há muito pouco a se falar sobre o jogo. A Colômbia foi para cima no começo do primeiro tempo, com uma jogada individual de Bacca que parou nas mãos de Gallese. Em uma tabela de James com Cardona, o jogador do Real Madrid entrou em diagonal e bateu colocado, no pé da trave esquerda do goleiro peruano. Foi a melhor oportunidade da Colômbia em toda a partida.

O segundo tempo seguiu com a mesma tônica: muita correria e pouca ação calculada. Cheirou a pênaltis o tempo inteiro. Apenas no finalzinho, a Colômbia quase foi castigada em uma cobrança de escanteio cabeceada por Ramos, que exigiu linda defesa de Ospina, com um tapa por cima do travessão.

Ospina faz a defesa crucial no final do segundo tempo (Foto: AP)

Ospina faz a defesa crucial no final do segundo tempo (Foto: AP)

Na disputa de pênaltis, a Colômbia marcou com James, Cuadrado e Moreno. Ruidíaz e Tapia converteram para o Peru, mas Trauco parou nas pernas de Ospina. Sebastian Pérez fez 4 a 2 para os colombianos, e Cueva bateu muito, muito alto, definindo a eliminação peruana e a classificação do adversário.

A palavra de ordem na Colômbia, neste momento, é reencontrar seu bom futebol nas semifinais, contra México ou Chile, dois times que exigirão muito mais do time de Pekerman do que o bravo Peru.