Pênaltis, polêmicas, clássico e um novato: quartas de final da Copa do Nordeste tiveram muita emoção

O Baião de Dois analisa as quartas de final da Copa do Nordeste, que terá clássico na semifinal e um novato tentando surpreender

Por José Pereira, do Baião de Dois

Quatro jogos, todos no mesmo dia, agitaram o torcedor nordestino. Muita tradição entrou em campo na Copa do Nordeste, entre os oito times que avançaram à segunda fase, tivemos seis campeões, um finalista da edição passada e a sensação desta temporada.

A “Copa dos Clássicos” é um slogan certeiro, pois além de apimentar uma rivalidade já forte, o encontro de camisas pesadas é recorrente na Lampions League. Bem verdade que o bom futebol não foi a principal característica, mas estaríamos exigindo muito que os times se apresentassem bem nestas semanas de volta do futebol? Pode ser, porém o sarrafo está baixo. 

[foo_related_posts]

Já no quesito emoção, fomos dormir de barriga cheia. No duelo de Leões, o Fortaleza não conseguiu pressionar o Sport, ninguém abriu o marcador e a decisão foi para o pênaltis. Um roteiro idêntico foi reservado para o Santa Cruz, que carimbou a trave do Confiança duas vezes, mas tampouco mexeu no placar.

O Ceará também bateu uma penalidade máxima, só que essa foi em tempo de jogo, o suficiente para avançar de fase mesmo jogando 30 minutos com um jogador a menos. E no último jogo, aquele em que tivemos a exibição mais bonita, o trio de arbitragem resolveu querer um pouco do holofote e tomou péssimas decisões. 

Vamos saber como foi cada uma das partidas:

Fortaleza (4)0x0(1) Sport

Felipe Alves, goleiro do Fortaleza pula para defender (Bruno Oliveira/FortalezaEC)

Os contextos eram opostos, enquanto o Fortaleza desfruta de uma grande fase, inclusive vencendo os quatro jogos que disputou após o retorno, o Sport amarga uma crise sem fim, aprofundada pelas recentes declarações do presidente Milton Bivar de que a falência é algo realista para o Leão da Ilha.

Dentro de campo, a diferença não foi sentida. Na verdade, o primeiro tempo foi muito fraco, poucas chances de gols, os dois times abdicando da posse de bola e apenas um lance claro com David que Mailson defendeu com a ponta dos dedos. 

O segundo tempo mudou a tônica do jogo, não apenas ficou bem mais movimentado, como o Sport resolveu chamar a responsabilidade. O primeiro lance de perigo tenha sido uma cartada de Brocador que se antecipou a um lançamento do goleiro Felipe Alves e arrematou do círculo central, o arqueiro tricolor foi muito ágil e conseguiu espalmar a bola evitando um golaço.

O rubro-negro encontrou muitos espaços pelo lado direito de seu ataque, porém a falta de alguém com um bom último passe gerou um caminhão de desperdícios por parte do time pernambucano. Nos últimos dez minutos, a pressão mudou de lado e o Fortaleza teve uma chance ótima nos pés de Romarinho, dentro da grande área o jogador tricolor isolou a bola. Depois disso, pouca coisa aconteceu e fomos para as penalidades. 

O Fortaleza deu início às cobranças e converteu o primeiro remate. Foi neste momento que o grande destaque do Fortaleza apareceu, o goleiro tricolor, carinhosamente chamado de “Homem de Gelo”, defendeu o pênalti batido por Barcia. Na sequência, conversão do FEC e Patric isolou seu chute e deixou o seu time com dois gols de desvantagem. A partir daí, todos os jogadores fizeram os gols e a disputa terminou em 4×1. 

Ceará 1×0 Vitória

Vinícius, do Ceará, comemora (Felipe Santos/cearasc.com)

O segundo jogo da rodada reservou um confronto que vem se repetindo nas fases finais da Copa do Nordeste e, mais uma vez, o vencedor foi o lado cearense. O Ceará começou com tudo, explorando a melhor arma do time, a bola área, em dez minutos já havia entrado na área do Vitória duas vezes e mostrando certo domínio.

Já o Leão da Barra foi ganhando mais espaço e buscava explorar o potente chute do lateral esquerdo Thiago Carleto. E foi o jogador do Vitória que participou do único gol da partida, mas não do jeito que ele imaginou. No último ataque do primeiro tempo, cruzamento de Bruno Pacheco encontrou o voleio de Vinícius que explodiu no braço de Carleto, pênalti para o Ceará. Vinícius, dono de uma histórica confusão contra o Vitória quando defendia o Bahia, não deu chances para Ronaldo e abriu o marcador. 

A volta do intervalo foi morna, mesmo com uma boa jogada de Alisson Farias pela ponta esquerda que terminou em um cruzamento, Fernando Neto conseguiu ganhar a disputa aérea e cabeceou para fora. Só que um lance prometeu dar uma chacoalhada maior na segunda etapa, aos quinze minutos o Leão recuperou uma bola no meio do campo, acionou o atacante Jordy Caicedo, que estava posicionado entre os zagueiros do Vozão. Ele arrancou e foi derrubado perto da linha da grande área pelo zagueiro Luiz Otávio, vermelho direto. Na cobrança, Thiago Carleto encheu o pé e Fernando Prass, bem posicionado, conseguiu a defesa.

Um jogador a menos obrigou Guto Ferreira a sacar Ricardinho e colocar o zagueiro Klaus. O normal seria uma blitz incansável dos comandados de Bruno Pivetti, mais uma bola lançada na área encontrou Fernando Neto e finalizou para fora. O Vitória ficou mais com a bola, os atletas cansando, obrigando Pivetti a fazer alterações em sequência que não surtiam efeito. E se já estava difícil, ficou ainda mais quando Gerson Magrão, três minutos após entrar no gramando, pisou em Vitor Jacaré e recebeu o cartão vermelho. Não havia tempo para mais nada, Ceará avança e fará o Clássico-Rei do Nordestão. 

Confiança (4)0x0(2) Santa Cruz

Santa Cruz e Confiança disputaram uma vaga na semifinal da Copa do Nordeste 2020 (Rafael Melo/Santa Cruz)

O Confiança entrou em campo segunda fase da Copa do Nordeste pela primeira vez na sua história. O adversário era mais experiente, o Santa Cruz. Na primeira etapa ficou evidente que o time sergipano teria mais a posse de bola, buscando trabalhá-la na linha defensiva e tentar encontrar um dos pontas, Ítalo e Ari, enquanto Moritz jogava entre os zagueiros do Santinha. Entretanto, as principais chances foram do Santa Cruz, mesmo com um meio-campo mais carente e sem criatividade.

Muitos lançamentos foram direcionados para Pipico, em um deles o destaque tricolor puxou para a ponta direita e rolou a bola para o volante Paulinho que assustou a meta de Rafael. No último lance do primeiro tempo, bola levantada na área do Confiança e Pipico conseguiu finalizar, a redonda desvia em Willian Alves e vai para linha de fundo. 

Na segunda etapa, a emoção resolveu aparecer. Os times continuaram errando muitos passes, entretanto encontraram algumas falhas no adversário e resolveram explorá-las. Principalmente o Santa Cruz aproveitando as bolas cruzadas na área e, em duas delas, as finalizações beijaram cada uma das traves do goleiro Rafael.

Os rápidos jogadores do Confiança resolveram aparecer no fim e buscar jogadas com mais profundidade. Um cruzamento para Danilo Pires foi a melhor chance do Dragão no segundo tempo. Fim de jogo, vamos aos pênaltis também. 

A ironia deixou para aparecer no fim, onde ela tem mais destaque no roteiro do destino. Após os dois times converterem as primeiras cobranças, o artilheiro Pipico mandou um foguete para longe do estádio. O Dragão proletário não desperdiçou nenhuma oportunidade, enquanto Patrick deu uma aula de displicência na hora de bater na bola e recuou a pelota nas mãos do goleiro Rafael. O Confiança chega às semifinais pela primeira vez. 

Bahia 3×1 Botafogo-PB

Jogadores do Botafogo-PB reclamam e cercam o árbitro (Felipe Oliveira / EC Bahia)

O último duelo da noite não economizou em gols. O cartão de visitas da rodada passada foi claro, o Bahia voltou muito bem e reforçou ontem com a vitória sobre o Botafogo-PB – apesar das polêmicas de arbitragem que ainda trataremos.

Quando a bola rolou, o Esquadrão não tomou conhecimento e partiu pra cima, não demorando a inaugurar o placar com um belíssimo chute colocado de Ronaldo. Parecia que domínio continuaria até o fim da primeira etapa, mas o Botafogo começou a sair para jogo e entrar na área defendida pelo goleiro Anderson. Bem verdade que os chutes não o ameaçaram, porém os times foram aos vestiários com uma partida mais equilibrada.

Logo que começou o segundo tempo, aos três minutos, o Bahia ampliou o placar. Juninho Capixaba tabelou com Clayson e chegou à linha de fundo, cruzou rasteiro e Rodriguinho, livre, finalizou de primeira. O autor do segundo gol quase conseguiu estender ainda mais a vantagem, mas foi a vez do Belo aparecer no marcador. Aos quinze minutos, a falta batida por Fred explodiu na trave, no rebote Rodrigo Andrade conseguiu cabecear a bola e tirar do alcance do arqueiro Anderson.

E foi no lance seguinte que a polêmica tomou vez, lançamento primoroso de Mário Sérgio para Kelvin, em posição legal, o atacante dominou já ajeitando para bater e conseguiu aquele que seria o gol do empate. Todavia o auxiliar viu impedimento e o tento foi anulado.

Cinco minutos depois, o mesmo tipo de lance, mas com decisão diferente. Mais uma vez Clayson tá com a bola na quina da grande área, faz uma finta e bate cruzado e Fernandão, em posição irregular, completa para o gol. Os jogadores do time paraibano cobraram muito o juiz, porém sem surtir qualquer efeito.

Depois dessa sequência de lambanças, não teve nada mais a destacar no campo. Muitas queixas sobre as decisões da arbitragem, inclusive de um pênalti não marcado para o Bahia em falta sofrida por Elber. O Tricolor de Aço avança às semifinais pela quinta vez nas últimas seis edições da Copa do Nordeste.

NA TV
Copa do Nordeste: Fortaleza x Ceará
Terça-feira, 21h30 – Fox Sports, Live FC, SBT (Nordeste), Youtube Copa do Nordeste

Copa do Nordeste: Bahia x Confiança
Quarta às 19h30 – Fox Sports, Live FC, Youtube Copa do Nordeste

Conheça mais do Baião de Dois, podcast de futebol nordestino da Central 3. Ouça no seu tocador preferido!